quinta, 13 de dezembro de 2018


Comércio Exterior – “Filial a Custo Zero”

Por Odilon Fehlauer
As empresas do exterior especialmente se localizadas na geografia do Mercosul, atuando com variada gama de produtos, desde carga geral a congelados. Poderão abrir “filiais” no Brasil a custo zero, ou seja, investindo valor irrisório e participar do mercado em crescimento, hoje de 187,5 milhões de habitantes. Igualmente adotada esta sistemática, proporcionará redução de custos para importadores e exportadores. Os importadores poderão também importar volumes na conformidade da demanda sem necessidade de bancar estoques, disponibilizando menos dinheiro.

Racionalização do uso de aeroportos

Por Odilon Fehlauer
Na data de 15 do corrente, o vôo da TAM, de Porto Alegre para Florianópolis, permaneceu retido na pista de Porto Alegre durante 20 minutos para decolar após este tempo. O comandante informou que havia congestionamento de aviões sobre o aeroporto Hercílio Luz na capital catarinense. Fez-me lembrar da época do caos que assolava os aeroportos maiores.

Há muitos anos

Por Odilon Fehlauer
Era manhã de 03 de agosto de 1983 quando o avião pousou no aeroporto de Navegantes. Ao final da escada de desembarque fui surpreendido pela figura cavalheiresca de Paulo Bauer representando o município de Itajaí e de José Colares, presidente da Associação Empresarial. Davam-me as boas vindas ao assumir a convite dos acionistas do BMG e da Frigoscândia (Suécia) para a superintendência da CESCA – Centrais de Estocagem de Santa Catarina – razão social semelhante a empresa estatal – que encontrava-se em péssima condição quer de ociosidade como resultados financeiros. Sofria uma greve global dos funcionários incluindo os gerentes.

O Paraíso existe

Por Odilon Fehlauer
Nosso país, de extensão continental e detentor do maior rebanho bovino do planeta, faz-nos interpretar, inequivocamente, que diante das mudanças mundiais, especialmente incluindo os acirramentos raciais e religiosos dos quais felizmente somos isentos, que caberá ao nosso território alimentar o mundo. Em havendo a progressista conjuntura evolutiva na produção de proteínas e grãos, a riqueza aflorará perenemente de dentro para fora, ou seja, do campo para as cidades, alicerçando ambas.

Nós e elas

Por Odilon Fehlauer
Há os que resistem a participação das mulheres nas múltiplas atividades, outrora exercida exclusivamente pelos homens. Alguns radicais se apegam a exemplos, citando que a Igreja Católica transpõe séculos sem a presença da mulher. Igualmente, as forças armadas, apesar de agora aceitarem a participação feminina. China e Japão, duas potências mundiais, nas quais as mulheres atuam em segundo plano.

O que, onde, como e quando

Por Odilon Fehlauer
São quatro expressões de elevada importância organizacional que adotamos na administração de nossa empresa, aliadas à disciplina e limpeza. A base de uma organização é a limpeza, quer seja no âmbito patrimonial como físico e na conduta dos seus participantes. Esta conjunção, se praticada gera a eficiência e o atendimento das necessidades dos usuários. Criamos um treinamento para que nossos funcionários e gerências ao tomarem qualquer decisão ao prestarem uma informação analisem a questão baseadas nas quatro perguntas que titulam este texto: O que – dominarem o entendimento da questão formulada. Onde – localizar a abordagem. Como – qual o caminho a tomar e Quando – projetar o momento.

A presença de dois portos na região

Por Odilon Fehlauer
Surgem controvérsias diante do fato de brevemente ser inaugurado o novo porto em Navegantes, sob alegações que será concorrência ao Porto Municipal de Itajaí.

Hispanidade

Por Odilon Fehlauer
O Brasil descoberto e colonizado pelos portugueses fala uma língua exclusiva quebrando a hegemonia da língua espanhola predominante na América do Sul. Diziam tratar-se de um problema adverso pelo fato de quebrarmos a hegemonia da hispanidade vigente nos paises latinos, fator que era antagônico para nossa nação.

A arrecadação tributária do Sudeste e do Sul.

Por Odilon Fehlauer
Embora 81% da receita federal do país seja gerada no Sul e Sudeste, regiões que concentram 57% da população brasileira, todas as regiões têm direitos iguais na escolha do Presidente da República. Assim, os Estados que produzem a riqueza nacional são nivelados em igualdade de direitos cívicos com os demais. Isso aconteceu nas últimas eleições quando, por exemplo, regiões que contribuem com apenas 0,03% da arrecadação tributária elegeram o candidato vencedor. São fatos da democracia que vigoram na nacionalidade e nos mantém num continente coeso. Sendo assim, o Presidente eleito deve adotar uma administração de desenvolvimento, quer para as regiões menos desenvolvidas como para manter o crescimento das demais agigantando a economia.

Horizonte temeroso

Por Odilon Fehlauer
A geografia, relativamente, tranqüila da América Latina está exposta a riscos diante das atitudes de Hugo Chavéz aliado ao presidente da Bolívia, Evo Morales, e repúblicas periféricas que aceitam a generosidade do “ditador” venezuelano. Juntas Venezuela e Bolívia detém reservas de recursos hidrocarbonetos – petróleo e gás - e defendem sistemas políticos utópicos com nova rotulagem. Participam ativamente de eventos políticos e econômicos nos países latinos, incluindo o Mercosul.

Rumo ao futuro

Por Odilon Fehlauer
Mais um ano chega ao final e traz a previsão do crescimento das operações portuárias e o acréscimo que o porto de Navegantes – ainda em edificação – trará. Esta ampliação proporcionará, no mínimo, a duplicação da produtividade gerando atração das sedes dos exportadores que, independente da distância, optarão pela região por fatores de agilização nos embarques e disponibilidade e rotatividade de berços para as atracações de navios.

Ações visionárias

Por Odilon Fehlauer
O avanço fenomenal da tecnologia que permite acessar o mundo virtual provoca transformações e requer adequação das pessoas à modernidade. Porém, erroneamente, alguns interpretam que significa a superação do ser humano pela cibernética, inclusive sentindo-se impotentes. Muito pelo contrário, estas ações virtuais são conseqüências da evolução do homem.
Autor:

Odilon Fehlauer

Colunistas

Caio César Ferrari Santângelo
Carlos Augusto Silveira
Cláudio Gustavo Daudt
Eclésio Silva
Fernando Padilha
Gregory Petter dos Santos
Joana Stelzer
Manoel Antonio dos Santos
Osvaldo Agripino de Castro Jr.
Carlos Fernando Priess
Rafael Melo
Roberto Roche
Roberto Veiga
Romeu Zarske de Mello
Odilon Fehlauer
Outros
Alexandre Gonçalves da Rocha
Celso Amorin
Bruno Tussi
Milton Lourenço
Dalva Santana
Antonio Corrêa de Lacerda
Kennedy Alencar
Roberto Rodrigues
Marcos Cintra
José Manuel Meireles
Sandro Tavares
Renan Schaefer Andrade
Ira Sobreira
José Zeferino Pedrozo
Bruno Queija
Pedra Santana Alves
Emerson Luiz Andrade
Rodrigo da Rocha Loures
Luiz Carlos Mendonça de Barros
Rogério Mori
Sebas van den Ende
Lilian Taborda
Simone Costa
Dalmir Sant’Anna
Edneia Pinto Moura
Ricardo Irineu da Silva
Paulo Araújo
Prof. Menegatti
Luiz Carlos da Silva Flores
Paulo Felicioni
Carlos Olla
Fabrício Fassina
Mauro Kahn & Pedro Nóbrega
Simone Ferreira
Rafael Silvério
Luiz Carlos Furtado Neves
Maysa Cristina Fischer
Moysés Borges Furtado Neto
Márcio de Freitas
Robson Zanetti
Marcelo Salmaso
Wagner Campos
Soeli de Oliveira
Marcos Antonio Ribeiro Andrade
Rafaela Moreira
Miguel Nozar
Edson De Paula
Rudson Borges
Tom Coelho
Sonia Jordão
Marizete Furbino
Marcelo Braga
Saul Brandalise Júnior
Helio Rebello
Mauro Lourenço Dias
Moris Kohl
Marcus Eduardo de Oliveira
Luiz Henrique da Silveira
Luiz Carlos Pauli
Marcos Luthero
Marcos Luthero
Manteli Wilen
Derly Massaud de Anunciação
Janaina Paes de Farias
Denilson Roberto Kasteller
Mariana Brizotto
Mário Lanznaster
Marcelo Murin
Orlando Oda
Vagner Miranda
Dane Avanzi
Marcos Morita
Daniel Gobbi Costa
Cassio Vieceli
Leonardo Flock
Renan Rossi Diez
Adelto Gonçalves
Marcos Antonio Zordan
© Copyright 2000-2014 Editora Bittencourt