quinta, 13 de dezembro de 2018


Investimento Portuário

Por Roberto Veiga
O nosso sistema portuário é formado por quarenta portos públicos, gerenciados pelas Companhias Docas de cada região, e por quarenta e dois terminais de uso privativo, operando cargas próprias e de terceiros. A partir da Lei de Modernização dos Portos (Lei 8.630 de 25.02.1993), foram definidas as competências para o setor público e privado no que se refere à operação dos terminais portuários. De forma simples e simplificada, o setor privado ficou com a responsabilidade do aparelhamento portuário e operação das áreas de embarque e desembarque de cargas. Já o setor público ficou responsável pela construção e manutenção da infra-estrutura portuária, ou seja, dar o suporte/base para que a carga chegue e saia dos portos.

Dois “Brasis”

Por Roberto Veiga
Lá se foi mais um ano. Agora é hora de sentar e avaliar tudo que foi feito, os resultados, fazer novas projeções e analisar o que deu certo para que seja repetido, e o que deu errado, para evitar que seja feito novamente. Fazendo uma análise generalista do ano que se passou, podemos, mais do que nunca, constatar a existência de dois “BRASIS” totalmente diferentes, mas que para nossa felicidade cada vez mais deixam de andar juntos e tomam caminhos opostos. Esse foi o cenário desses dois “BRASIS” com que convivemos diariamente.

Pagamos duas vezes a mesma conta.

Por Roberto Veiga
No último dia 08 de outubro, na bolsa de valores de São Paulo, foi, enfim, realizado o leilão de concessão de sete trechos de rodovias federais. A maior vencedora foi a empresa espanhola OHL que arrematou cinco dos sete lotes oferecidos, ficando com os cobiçados trechos das rodovias Fernão Dias e Régis Bittencourt.

Qual o futuro do transporte terrestre de carga?

Por Roberto Veiga
“A compra da transportadora gaúcha Mercúrio, uma das líderes de mercado no país, realizada pela holandesa TNT Express no início do ano, não configura um caso isolado. Outras importantes transportadoras nacionais como a Julio Simões e a Tegma também se posicionaram neste sentido com as aquisições da Lubiani, e Boni/Gatx e CLI, respectivamente. As negociações ocorreram nos últimos quatro meses, e a movimentação não deve parar por ai. As incorporações revelam a busca de fortalecimento dessas empresas no setor. E mostram ainda mais. Segundo especialistas e empresários consultados pelo Valor, as recentes transações apontam para um início de consolidação no setor de transporte de cargas brasileiro.”

Infra-estrutura Catarinense: Oportunidades e Realidade

Por Roberto Veiga
Dentre muitos assuntos em pauta nos dias de hoje entre empresários, investidores e a população em geral, nenhum toma mais tempo que as discussões sobre a infra-estrutura brasileira. Nunca se viu uma cobrança tão grande por parte de toda a sociedade, exigindo investimentos do governo, e pressionando para que esse faça também o papel de facilitar esses investimentos por parte da iniciativa privada.

Fusões e Aquisições: a consolidação do mercado de shipping

Por Roberto Veiga
Há alguns anos, as empresas têm procurado se fortalecer dentro de seus mercados, a fim de poder oferecer melhores serviços e preços competitivos. Esse comportamento vem se caracterizando como uma tendência mundial e, para alcançar tais objetivos, as aquisições e fusões com outras empresas têm se mostrado como uma das alternativas. Os objetivos nesse processo são aumentar a participação dentro de seu mercado, diminuir os custos através de ganho de escala e aumentar as receitas, além de oferecer um serviço melhor e mais amplo, com preços competitivos.
Autor:

Roberto Veiga

O autor é Economista e trabalha na área de Logística Intermodal.

Colunistas

Caio César Ferrari Santângelo
Carlos Augusto Silveira
Cláudio Gustavo Daudt
Eclésio Silva
Fernando Padilha
Gregory Petter dos Santos
Joana Stelzer
Manoel Antonio dos Santos
Osvaldo Agripino de Castro Jr.
Carlos Fernando Priess
Rafael Melo
Roberto Roche
Roberto Veiga
Romeu Zarske de Mello
Odilon Fehlauer
Outros
Alexandre Gonçalves da Rocha
Celso Amorin
Bruno Tussi
Milton Lourenço
Dalva Santana
Antonio Corrêa de Lacerda
Kennedy Alencar
Roberto Rodrigues
Marcos Cintra
José Manuel Meireles
Sandro Tavares
Renan Schaefer Andrade
Ira Sobreira
José Zeferino Pedrozo
Bruno Queija
Pedra Santana Alves
Emerson Luiz Andrade
Rodrigo da Rocha Loures
Luiz Carlos Mendonça de Barros
Rogério Mori
Sebas van den Ende
Lilian Taborda
Simone Costa
Dalmir Sant’Anna
Edneia Pinto Moura
Ricardo Irineu da Silva
Paulo Araújo
Prof. Menegatti
Luiz Carlos da Silva Flores
Paulo Felicioni
Carlos Olla
Fabrício Fassina
Mauro Kahn & Pedro Nóbrega
Simone Ferreira
Rafael Silvério
Luiz Carlos Furtado Neves
Maysa Cristina Fischer
Moysés Borges Furtado Neto
Márcio de Freitas
Robson Zanetti
Marcelo Salmaso
Wagner Campos
Soeli de Oliveira
Marcos Antonio Ribeiro Andrade
Rafaela Moreira
Miguel Nozar
Edson De Paula
Rudson Borges
Tom Coelho
Sonia Jordão
Marizete Furbino
Marcelo Braga
Saul Brandalise Júnior
Helio Rebello
Mauro Lourenço Dias
Moris Kohl
Marcus Eduardo de Oliveira
Luiz Henrique da Silveira
Luiz Carlos Pauli
Marcos Luthero
Marcos Luthero
Manteli Wilen
Derly Massaud de Anunciação
Janaina Paes de Farias
Denilson Roberto Kasteller
Mariana Brizotto
Mário Lanznaster
Marcelo Murin
Orlando Oda
Vagner Miranda
Dane Avanzi
Marcos Morita
Daniel Gobbi Costa
Cassio Vieceli
Leonardo Flock
Renan Rossi Diez
Adelto Gonçalves
Marcos Antonio Zordan
© Copyright 2000-2014 Editora Bittencourt