domingo, 21 de abril de 2024
09/05/2023

Em fevereiro, houve uma tentativa de fraude a cada 10 segundos, revela Serasa Experian


São Paulo, 09 de maio de 2023 – Em fevereiro, segundo o Indicador de Tentativas de Fraude da Serasa Experian, foram registradas 236.775 tentativas de fraude ou roubos de identidade. Isso representa uma tentativa de fraude a cada 10 segundos no país. Em relação ao mesmo período de 2022, houve queda de 27,4%. Também houve queda de 16,7% em relação a janeiro deste ano, quando o indicador apontou 284.198 tentativas de fraude.

 

“A queda das tentativas de fraudes em fevereiro comparado a janeiro reflete o impacto do feriado do Carnaval, reduzindo a quantidade de dias úteis e a movimentação de consumidores nas lojas, bancos e financeiras. Em relação a fevereiro do ano passado, a queda se justifica pela menor procura por crédito dos consumidores devido ao patamar mais elevado dos juros e aumento da inadimplência. Com menos pessoas buscando realizar novos negócios, diminui-se a quantidade de alvos potenciais para a atuação dos fraudadores”, diz o diretor de Produtos de Autenticação e Prevenção à Fraude da Serasa Experian, Caio Rocha.

 

Em fevereiro, o segmento de bancos e cartões foi o que teve maior participação, com 108.969 registros, totalizando 46% do total de tentativas de fraude realizadas. No mesmo período no ano passado, o setor respondeu por 55,7% das ocorrências. Já o setor de serviços, que inclui construtoras, imobiliárias, seguradoras e serviços em geral, teve 69.361 registros, equivalente a 29,3% do total. No mesmo período no ano passado, o setor respondeu por 17,8% das tentativas.

 

O setor de financeiras foi o terceiro do ranking em fevereiro, com 44.784 tentativas, 18,9% do total. No mesmo mês de 2022, o setor respondeu por 18% dos casos. O segmento varejo teve 10.389 tentativas de fraude, registrando 4,4% das investidas contra o consumidor em fevereiro, queda de 43,1% com relação ao percentual observado em fevereiro de 2022 (5,6%).

 

Pessoas de 36 a 50 anos foram as vítimas mais atingidas pelas tentativas

 

Na visão por idade, a população que possui entre 36 e 50 anos foi a que mais sofreu com tentativas de fraudes em fevereiro de 2023, com 86.776. Em segundo lugar, estão os consumidores de 26 a 35 anos, que sofreram com 64.986. O ranking segue com pessoas com idades entre 51 e 60 anos (33.685); e aqueles com até 25 anos e acima dos 60 anos empataram com 26.664 tentativas.

 

No ranking estadual, São Paulo liderou com 72.781 tentativas no mês. O Rio de Janeiro ficou em 2º lugar com 23.738 tentativas e, em 3º lugar, veio Minas Gerais com 21.678. O restante dos estados do país ficou abaixo da casa das 20 mil tentativas, sendo Roraima a Unidade Federativa (UF) com o menor índice (404). 

 

Veja no gráfico abaixo as informações completas:

 

Evite fraudes: veja dicas dos especialistas da Serasa Experian para se proteger

 

Consumidores:  

  • Garanta que seu documento, celular e cartões estejam seguros e com senhas fortes para acesso aos aplicativos;
  • Desconfie de ofertas de produtos e serviços, como viagens, com preços muito abaixo do mercado. Nesses momentos, é comum que os cibercriminosos usem nomes de lojas conhecidas para tentar invadir o seu computador. Eles se valem de e-mails, SMS e réplicas de sites para tentar pegar informações e dados de cartão de crédito, senhas e informações pessoais do comprador;
  • Atenção com links e arquivos compartilhados em grupos de mensagens de redes sociais. Eles podem ser maliciosos e direcionar para páginas não seguras, que contaminam os dispositivos com vírus para funcionarem sem que o usuário perceba;
  • Cadastre suas chaves Pix apenas nos canais oficiais dos bancos, como aplicativo bancário, Internet Banking ou agências;
  • Não forneça senhas ou códigos de acesso fora do site do banco ou do aplicativo;
  • Não faça transferências para amigos ou parentes sem confirmar por ligação ou pessoalmente que realmente se trata da pessoa em questão, pois o contato da pessoa pode ter sido clonado ou falsificado;
  • Inclua suas informações pessoais e dados de cartão se tiver certeza de que se trata de um ambiente seguro;
  • Monitore o seu CPF com frequência para garantir que não foi vítima de qualquer fraude do Pix.

 

Empresas:  

  • Com a aceleração da adoção de canais digitais na vida dos consumidores, as empresas estão cada vez mais investindo em novos métodos de soluções antifraude e tecnologias cada vez mais sofisticadas ao longo da jornada do cliente, para que a segurança da operação não afete sua experiência integrada. A Serasa Experian, por exemplo, tem soluções modulares inteligentes e um time de especialistas em que possibilitam oferecer uma experiência segura e sem atrito ao cliente final. Com combinação de dados, analytics e soluções automatizadas, as empresas podem expandir os negócios com segurança.
  • Conte com plataformas de pagamento online. A empresa que deseja atuar de forma online, prestando serviços ou vendendo produtos, precisa ter a máxima atenção com os pagamentos. É preciso adotar uma sistemática que alie rapidez no processamento das transações à segurança;
  • Faça a análise de compras mais caras. Outra prática que pode reduzir bastante o risco de fraude online é a análise das compras. Sempre que a empresa se deparar com um pedido de alto valor, por exemplo, é necessário dedicar uma atenção especial, verificando de forma mais detalhada o cliente e os dados informados. Uma forma de garantir a segurança desse tipo de transação é realizando um contato prévio por e-mail ou telefone para confirmar dados ou a própria compra. Embora esse tipo de avaliação possa tornar o processo de venda mais longo, ele é essencial para resguardar o seu negócio contra fraudes;
  • Verifique cadastros. Contar com uma base de dados do cliente é essencial para reforçar a segurança de operações online. Nesse quesito, ter acesso a um cadastro atualizado dos consumidores, no qual é possível checar a veracidade das informações fornecidas no momento de uma compra, por exemplo, é outra estratégia para reduzir os riscos na hora de vender. A confirmação cadastral pode facilmente identificar tentativas de fraudes, sinalizando situações suspeitas, como divergências de dados do cliente com as que constam de outras bases de dados confiáveis;
  • Consulte o perfil do seu cliente. Conhecer o cliente é, sem dúvida, uma das maneiras mais eficientes de se evitar fraudes online. Quando a empresa é capaz de avaliar o histórico do consumidor no mercado, status do seu CPF ou CNPJ, os seus hábitos e a existência de pendências em seu nome, por exemplo. Fica muito mais fácil e seguro avaliar os riscos de uma operação.

 

Para conferir mais informações e a série histórica do indicador, clique aqui.

 

Metodologia

 

O Indicador Serasa Experian de Tentativas de Fraude – Consumidor é resultado do cruzamento de dois conjuntos de informações das bases de dados da Serasa Experian: 1) total de consultas de CPFs efetuado mensalmente na Serasa Experian; 2) estimativa do risco de fraude, obtida através da aplicação dos modelos probabilísticos de detecção de fraudes desenvolvidos pela Serasa Experian, baseados em dados brasileiros e tecnologia Experian global já consolidada em outros países. O Indicador Serasa Experian de Tentativas de Fraudes – Consumidor é constituído pela multiplicação da quantidade de CPFs consultados (item 1) pela probabilidade de fraude (item 2).



Blog

Entidades querem restringir a importação de leite

Mobilização contra o aumento do volume de importação de leite subsidiado, principalmente da Argentina, está sendo estimulada pela Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA) com apoio da Federação da Agricultura e Pecuária de Santa Catarina (Faesc).

O presidente da Faesc, José Zeferino Pedrozo, diz que os transtornos que a cadeia produtiva do leite tem enfrentado – estiagens, enchentes e excesso de importação – recomendam a formulação de uma nova política pública para o desenvolvimento do setor, priorizando a matéria-prima local e o trabalho dos produtores brasileiros.

Nesse sentido, “é muito importante que cada Estado tome uma iniciativa para reduzir a compra do leite de outros países em uma atuação coordenada do setor em todo País”. Alguns Estados elevaram a alíquota de 0% para 12% aos importadores de leite em pó e de 2% para 18% na venda de produto fracionado. Em  outros, os lácteos importados foram excluídos da cesta básica, com aumento de ICMS sobre o leite importado.

Pedrozo informa que a CNA está elaborando um estudo para a aplicação de direitos antidumping à Argentina, com o objetivo de proteger o setor lácteo nacional. O dirigente lembra  que a excessiva importação de leite iniciada no primeiro semestre do ano passado achatou a remuneração do produtor nacional, impactando negativamente a competividade do pequeno e médio produtor de leite. As importações brasileiras de lácteos da Argentina e do Uruguai, em 2023, praticamente dobraram.

O presidente observa que grande parte dos produtores rurais atua na área de lácteos e que a crise no setor derruba a renda das famílias rurais. A forte presença de leite importado no mercado brasileiro provocou queda geral de preços, anulando a rentabilidade dos criadores de gado leiteiro.

            Pedrozo defende um debate do setor produtivo com o Ministério da Agricultura e o Ministério do Desenvolvimento Agrário e Agricultura Familiar para a definição de medidas de fortalecimento da pecuária leiteira no País com foco no aumento da produção e no fortalecimento do pequeno e do médio produtor de leite. Dessa forma será possível estimular, simultaneamente, a produção e o consumo, abrangendo a redução da tributação, combate às fraudes, criação de mercado futuro para as principais commodities lácteas, manutenção de medidas antidumping e consolidação da tarifa externa comum em 35% para leite em pó e queijo, além da utilização de leite e derivados de origem nacional em programas sociais.

            “Não podemos deixar nenhum produtor desamparado, por isso a mobilização das  Federações estaduais de agricultura e união de todo o setor são fundamentais para mudar o cenário de baixos preços pagos pelo litro de leite e altos custos de produção”, defende.

Pedrozo alerta que a crise na cadeia do leite afeta diretamente a agricultura familiar, levando milhares de produtores a abandonar a atividade, que já registra forte concentração da produção em Santa Catarina. “Talvez uma das soluções seja regular a importação, criando gatilhos e barreiras para que seu exagero não destrua as cadeias produtivas organizadas existentes”, sugere.

Comércio Brasil-EUA alcança US$ 18,8 bilhões, com recorde de exportações brasileiras

A mais recente edição do Monitor do Comércio Brasil-EUA da Amcham Brasil indica o crescimento das trocas de bens entre os dois países no primeiro trimestre de 2024, alcançando o valor de US 18,8 bilhões, segunda maior marca na série histórica do comércio bilateral.

 

Esse valor foi influenciado pelo recorde nas exportações brasileiras para os EUA tanto em valor como volume. O Brasil vendeu US$ 9,8 bilhões para o mercado norte-americano no período, um crescimento de 19,5% em valor e de 33,1% em quantidade. O aumento ocorreu de forma disseminada entre todos os setores, levando também ao recorde nas exportações brasileiras de US 7,3 bilhões de produtos industriais.


"O resultado positivo do comércio de bens entre Brasil e EUA neste início de ano reforça a importância da nossa parceria bilateral. O Brasil tem nos EUA um mercado prioritário e em expansão para os seus produtos, sobretudo de maior valor agregado. No ano que em que comemoramos 200 anos de relações diplomáticas, a expectativa da Amcham é de que o comércio bilateral continue a crescer, alcançando novos recordes em vários indicadores", destaca Abrão Neto, CEO da Amcham, entidade que representa 1/3 do PIB brasileiro.

 

Destaques do Monitor do Comércio Brasil-EUA:

  1. Intensificação do Comércio: A corrente de comércio entre o Brasil e os EUA alcançou US$ 18,8 bilhões, se aproximando do recorde de US$ 19 bilhões verificado no mesmo período de 2022.
  2. Exportações Recordes: O Brasil registrou aumento expressivo de 19,5% nas exportações para os EUA, superando o crescimento das vendas externas brasileiras para outros parceiros. Esse desempenho ressalta o papel dos EUA para a produção e venda de diversos setores, como indústria de transformação, indústria extrativa e agropecuária.
  3. Superávit: Pela primeira vez desde 2008, o Brasil obteve um superávit comercial com os EUA no primeiro trimestre do ano (US$ 855,6 milhões), refletindo o forte aumento das exportações brasileiras.
  4. Crescimento em Produtos-Chave: Houve aumento em valor e quantidade em 8 dos 10 principais produtos exportados para os EUA, como petróleo bruto, óleos combustíveis, café não torrado, aeronaves, suco de laranja, ferro gusa e equipamentos de engenharia civil – o que demonstra a diversidade da pauta exportadora brasileira.
  5. Importações: Apesar de uma queda geral nas importações, causada pela redução nas compras brasileiras de óleos combustíveis, houve aumento em 8 dos 10 principais produtos importados pelo Brasil dos EUA, como motores e máquinas não elétricos, polímeros de etileno (37,7%), petróleo bruto, aeronaves e instrumentos e aparelhos de medição, indicando áreas de crescente interdependência produtiva e comercial.

Expectativas para 2024

Para 2024, a Amcham projeta aumento no comércio bilateral, orientado pelo crescimento das exportações brasileiras e pela expectativa de expansão das economias e, consequente da demanda, em ambos o Brasil e os EUA.

O ano também marca os 200 anos de relações diplomáticas entre os dois países. “Além de celebrar os resultados dessa longa e sólida trajetória de parceria, o bicentenário das relações Brasil-EUA oferece um contexto emblemático para lançar as bases de um novo ciclo para o aprofundamento da integração bilateral”, destaca Abrão Neto.


Missão para os EUA
A Amcham levará aos EUA uma delegação de cerca de 30 executivos em junho. A missão inclui a participação no SelectUSA 2024, em Maryland, programa de atração de investimentos e comércio do governo dos EUA, be como atividades de networking em Nova York, visando facilitar a internacionalização e expansão de negócios brasileiros nos Estados Unidos. Saiba mais, clicando aqui.


Monitor do Comércio 
A edição completa do Monitor do Comércio Brasil-EUA pode ser acessada gratuitamente em amcham܂com܂br/monitor. A publicação é editada trimestralmente pela Amcham e analisa o comportamento do comércio bilateral.
 

Consolidar carreiras no mercado de trabalho é desafio para pessoas com deficiência

Além de oportunizar acesso ao mercado de trabalho para pessoas com deficiência, o setor produtivo tem o desafio de oferecer um plano de carreira. Quem afirma isto é a jornalista Flavia Cintra, a primeira repórter de televisão cadeirante no Brasil. Ela participou nesta quinta-feira (18) do IncluTech, evento realizado pela Federação das Indústrias de Santa Catarina (FIESC) que reuniu especialistas e lideranças para debater inclusão no mercado de trabalho. 

▶️ Assista o evento no YouTube da FIESC.  

A jornalista destacou que o trabalho é um meio de realizar sonhos e pessoas com deficiência estão cada vez mais qualificadas. “Temos universidades entregando para o mercado centenas de profissionais todos os anos. Mas cadê o protagonismo destas pessoas? Está na hora de fazer parte da mesa de decisão, é aí que vira a chave”, salientou Flavia, afirmando ainda que, sem as pessoas com deficiência na tomada de decisão, pessoas sem deficiência continuarão decidindo o que consideram ser melhor para as pessoas com deficiência.

“Quando a gente está fazendo junto, a gente acelera esse movimento e ele se reverte em lucro financeiro, institucional, em felicidade, que é o ativo mais buscado pelas empresas hoje. Equipes mas felizes, com qualidade de vida, entregam mais, são mais criativas e resolutivas e essa diversidade de pensamento é fundamental neste processo”, assegurou a jornalista.

Inclusão no mercado de trabalho

Incluir as pessoas com deficiência é uma questão legal, humana e ética, frisou o presidente da FIESC, Mario Cezar de Aguiar. “Mas é também uma oportunidade para as organizações pois, cada vez mais, a diversidade é percebida como um diferencial na solução de temas críticos que as empresas e a sociedade enfrentam”, disse.

Por isso, o acesso ao mercado de trabalho é uma agenda central para a indústria. “O trabalho gera dignidade. Assim, além de criar as condições para que as pessoas com deficiência possam trabalhar, é necessário garantir que possam desenvolver suas competências e seu potencial”, lembrou Aguiar.

Experiência no Metaverso

O evento promovido pela FIESC ofereceu uma experiência imersiva no metaverso. Trata-se de uma reprodução virtual de ambiente real no qual é possível acessar conteúdos sobre o tema inclusão, interagir com outros participantes e “circular” por três pavilhões. Conheça a plataforma.  

No Pavilhão da Inclusão, o visitante tem experiências imersivas que procuram mostrar os desafios de pessoas com deficiências física, visual e auditiva e com Transtorno do Espectro Autista. No Pavilhão FIESC, estão expostas iniciativas inclusivas da FIESC e de empresas com produtos inovadores para a inclusão de pessoas com deficiência na sociedade, na escola e no trabalho. 

O metaverso também tem uma área de convivência virtual, na qual os participantes podem falar por chat e emojis; ali também há carros elétricos e uma quadra esportiva com jogo de basquete.

Para acessar, basta criar um personagem (avatar) e entrar virtualmente no ambiente. É um acesso parecido com um jogo de videogame. No computador e no celular, usa-se o teclado para conduzir o próprio personagem pelo espaço. Quem participou do IncluTech presencialmente na FIESC também teve a oportunidade de navegar pelo ambiente imersivo com óculos especiais.

O evento contou ainda com a participação da presidente do Instituto Guga Kuerten, Alice Kuerten, e do CEO da ICOM Libras, Cid Torquato. General Motors, Grupo Empresarial Jorge Zanatta (Canguru e Imbralit), Intelbras e Aurora Coop apresentaram seus programas de inclusão. 

O encontro também reuniu representantes da Justiça e órgãos de controle, como o desembargador Francisco José Rodrigues de Oliveira Neto, presidente do Tribunal de Justiça de Santa Catarina (TJSC), e o desembargador Amarildo Carlos de Lima, presidente do Tribunal Regional do Trabalho (TRT) da 12ª Região.

Gerência de Comunicação Institucional e Relações Públicas
Federação das Indústrias do Estado de Santa Catarina - FIESC

Fampesc e Sebrae lançam parceria para aumentar a competitividade empresarial

A Federação das Associações de Micro e Pequenas Empresas e Empreendedor Individual de Santa Catarina (Fampesc) e o Sebrae/SC acabam de lançar o Edital de Fomento às Ampes (EFAMPE 2024), com o objetivo de aportar recursos nas micro e pequenas empresas participantes dos núcleos setoriais ou associadas ao Sistema Fampesc. As inscrições foram abertas nesta terça-feira (16) e vão até 16 de junho.

A meta é aumentar a competitividade empresarial, por meio de três eixos:

Produtividade: desenvolvimento de ações que permitam o aumento da eficiência do processo produtivo das empresas.
Gestão empresarial: cursos ou consultorias nas áreas de gestão (estratégias, marketing e vendas, financeiro, processos e pessoas), visando potencializar os resultados das empresas.
Acesso ao mercado: visitas técnicas ou participação de feiras.

Para ter acesso ao EFAMPE, os empresários devem apresentar o seu pedido para a associação de sua cidade ou região. Após analisado, caso seja aprovado, a parceria da Fampesc com o Sebrae/SC garante um subsídio de 50% do valor total. A outra metade ainda pode ser parcelada. Todas as regras de funcionamento já estão nas associações do Sistema Fampesc.

“Esta é mais uma oportunidade que a Fampesc e o Sebrae oferecem para melhorar concretamente as atividades dos pequenos negócios, em benefício do segmento que mais gera emprego e desenvolvimento local e nacional”, enfatizou a presidente da Federação, Rosi Dedekind.

“O EFAMPE é uma maneira de fomentador muitas empresas, melhorado o ambiente empresarial, através da capacitação, gestão e o atendimento dos empresários, pois o fortalecimento do empresário acarretará em fortalecimento da sua empresa na cadeia produtiva, fomentando a geração de empregos e renda”, reforçou Luciano da Silva, Analista técnico do Sebrae e gestor do PNS - Programa de Núcleos Setoriais.

Itajaí Convention comemora 7 anos de atividades em evento especial no cinema do Itajaí Shopping

O desenvolvimento turístico está na mira dos principais investidores e entidades de Itajaí quando o assunto é o futuro da cidade. Pautas como a revitalização do Mercado Público Municipal, um novo modelo de gestão do Centreventos, a identidade da Marejada, o Projeto Orla e a destinação de parte do Imposto Sobre Serviço (ISS) para o desenvolvimento do setor são bandeiras que o Itajaí Convention & Visitors Bureau vem debatendo com a sociedade. 
 
Os temas foram novamente destaque no evento em comemoração aos 7 anos do Itajaí Convention, realizado na sala 1 do Arcoplex Cinemas do Itajaí Shopping no início da semana. “Precisamos continuamente debater e conversar com a comunidade sobre essas cinco pautas essenciais para o desenvolvimento do turismo da cidade.  É preciso estar mobilizado para este diálogo junto ao poder público”, enfatiza Ronaldo Jansson Junior, presidente da entidade.
 
O Itajaí Shopping é membro do Itajaí Convention & Visitors Bureau desde 2017. Para o superintendente do empreendimento, Michael Domingues, “não existe gastronomia, comércio ou serviço forte sem um turismo forte.” E ainda complementa, “é incrível quando encontramos visitantes de outros países aqui no shopping que estão encantados com a cidade. A atuação do Itajaí Convention fortalece ainda mais o setor e abre novos horizontes”, cita.
 
O evento de aniversário do Itajaí Convention contou com a participação de representantes de diversas entidades de Itajaí e também de Santa Catarina envolvidas diretamente com a atividade. Evandro Neiva, atual secretário de Turismo do Estado, gravou um vídeo especialmente pra o evento, parabenizando os 7 anos de atuação da entidade.

 

O Brasil precisa ser mais amigável com seus empreendedores

Por Fernando Taliberti, investidor e empreendedor.

O empreendedorismo é um dos motores da economia, impulsionando a inovação, a criação de empregos e o crescimento sustentável. No entanto, empreender no Brasil ainda é um desafio, especialmente quando comparado aos Estados Unidos, onde a cultura empreendedora é valorizada e as estruturas jurídicas são mais amigáveis  Para que o país possa prosperar, é fundamental que sejam criadas condições mais favoráveis para os empreendedores, tanto em termos de estrutura jurídica quanto de acesso a capital.

 Uma das principais diferenças entre empreender no Brasil e nos Estados Unidos é a simplicidade das estruturas jurídicas. Nos EUA, os empreendedores têm acesso a modelos padronizados de contratos, como o SAFE (Simple Agreement for Future Equity), que facilitam a captação de investimentos. O SAFE é um instrumento flexível e eficiente, permitindo que as startups levantem capital sem a necessidade de uma avaliação imediata da empresa. No Brasil, por outro lado, a falta de instrumentos jurídicos padronizados e a complexidade do sistema legal dificultam a captação de investimentos e aumentam os riscos para os empreendedores. Essa falta de flexibilidade e agilidade no processo de levantamento de capital pode prejudicar o crescimento das startups e limitar o potencial de inovação do país.

 A necessidade de estabelecer um valor fixo para a empresa em estágio inicial pode ser extremamente prejudicial, pois muitas vezes é difícil determinar um valor justo e realista para um negócio que ainda está em fase de desenvolvimento. Além disso, a burocracia e a rigidez das estruturas jurídicas brasileiras podem dificultar a captação de investimentos e atração de talentos, limitando o potencial de crescimento das startups. 

Outro ponto crucial é o acesso à capital. Nos EUA, o ambiente de investimento em startups é muito mais desenvolvido e maduro, com uma ampla variedade de opções de financiamento disponíveis. Desde o financiamento coletivo (crowdfunding) até os fundos de venture capital, os empreendedores têm à disposição uma gama de alternativas para captar recursos e impulsionar o crescimento de seus negócios. No Brasil, porém, o acesso a capital ainda é limitado, o que dificulta o desenvolvimento de startups e a inovação. Medidas como a regulamentação do crowdfunding de investimento e a criação de incentivos fiscais para investidores em startups são passos importantes para ampliar o acesso a capital no país.

 Infelizmente, a falta de proteção no ecossistema brasileiro tem consequências reais para os empreendedores e pode levar ao fechamento de negócios promissores. Um exemplo trágico é o caso da Vela Bikes, uma startup brasileira que encerrou suas operações recentemente. A Vela Bikes foi pioneira na produção de bicicletas elétricas no Brasil e recebeu investimentos de fundos de venture capital. No entanto, devido a problemas com fornecedores e à falta de proteção legal, a empresa enfrentou dificuldades que acabaram levando ao seu fechamento. Essa história é um lembrete doloroso dos riscos que os empreendedores enfrentam no Brasil e da necessidade de criar um ambiente mais favorável para o crescimento e a inovação.

 Para impulsionar o empreendedorismo e atrair investimentos, o Brasil precisa adotar medidas que simplifiquem as estruturas jurídicas, incentivem a captação de investimentos e protejam os empreendedores. A criação de instrumentos padronizados, como o SAFE, pode ser um primeiro passo para agilizar o processo de levantamento de capital e reduzir a burocracia. Além disso, é fundamental promover uma cultura de risco e inovação, reconhecendo o valor dos empreendedores e incentivando o investimento em startups. Por fim, é preciso fortalecer a proteção legal para os empreendedores, garantindo que eles tenham os direitos e as salvaguardas necessárias para enfrentar os desafios inerentes ao mundo dos negócios.

 O empreendedorismo é uma força transformadora que pode impulsionar o crescimento econômico, gerar empregos e promover a inovação. No entanto, para que isso aconteça, é fundamental que o Brasil crie um ambiente mais amigável aos empreendedores, simplificando as estruturas jurídicas, facilitando o levantamento de capital e garantindo a proteção necessária para o crescimento e a prosperidade dos negócios. Somente assim poderemos desbloquear todo o potencial do empreendedorismo brasileiro e construir um futuro mais próspero para todos.

 Sobre Fernando Taliberti

Fernando Taliberti é um empreendedor e investidor com mais de 10 anos de experiência no mercado de tecnologia. Ele é o fundador da Tali.Ventures, que facilita a inovação em grandes empresas, integrando o dinamismo empreendedor e preparando startups para parcerias estratégicas valiosas. . Antes de fundar a Tali.Ventures, Taliberti foi Head de Corporate Venture e M&A da TOTVS, onde liderou mais de 10 investimentos e aquisições estratégicas. Ele também fundou e vendeu a Onyo, uma startup de foodtech. Taliberti é Engenheiro de Produção pela UFRJ, e mestre em Tecnologia para a Gestão pelo Politecnico di Torino. 

Na China, brasileiros participam da Canton Fair em busca de fornecedores.Empresa itanjaiense lidera o grupo

Empresários de diferentes regiões do Brasil já estão na China para participar da Canton Fair, maior encontro multissetorial do planeta, que ocorre na cidade de Cantão (Guangzhou), com mais de 50 mil expositores. A expectativa da organização é receber 300 mil visitantes de todo o mundo e movimentar US$ 30 bilhões em negociações.  O Grupo 3S Corp, que tem escritório e centro logístico em Itajaí, lidera missão local, oferecendo suporte completo, antes, durante e depois do evento. 

“ A China é o principal exportador do mundo, por isso é muito importante estar na Canton Fair para conhecer novos produtos e fornecedores e trazer essas novidades para os clientes brasileiros. Lideramos missões para o evento há 10 anos. É sempre uma excelente oportunidade para conhecer novos produtos e tecnologias, fazer networking com players mundiais, entender o mercado asiático e fechar ótimos negócios“, afirma o co-CEO e co-fundador do Grupo 3S Corp Soluções Internacionais, Lucas Vogt Schommer.

A Canton Fair, também conhecida como Feira de Cantão, é co-organizada pelo governo local e reúne expositores de todo o mundo. Realizada desde 1957, ocorre duas vezes por ano, em abril e em outubro. É dividida em três fases e por segmentos. 

A 135ª edição teve início nesta segunda, 15 de abril, e segue até sexta, dia 19. A primeira fase ocorre tem foco em acessórios de indústria, máquinas para construção, autopeças, energia solar, veículos, ferragens, ferramentas, eletrodomésticos, computadores, equipamentos de iluminação e decoração. 

A segunda fase ocorre entre 23 a 27 de abril, voltada para artigos do lar, mesa e cozinha, artesanatos de vidro, produtos para jardinagem, linha PET, brinquedos, móveis, bens de consumo, artigos para banho, relógios e óculos e artigos para festas. E, por fim, a terceira fase, entre 1o e 5 de maio, traz itens de vestuário adulto e infantil, alimentos, produtos para pele, tecidos, equipamentos médicos, medicamentos, tapeçaria, escritório, calçados, produtos esportivos, bolsas e acessórios.

 

Sobre o Grupo 3S Corp

O Grupo 3S Corp Soluções Internacionais foi fundado em 2011, no Rio Grande do Sul, como Comissária de Despacho e hoje é uma holding de soluções em comércio exterior com atuação nacional, contando com profissionais em Novo Hamburgo (RS), São Paulo (SP), Itajaí (SC) e Porto Velho (RO). A empresa executa serviços nas áreas de outsourcing, em especial no mercado asiático; frete, desembaraço aduaneiro, transporte, logística e armazenamento.

Mall focado em ‘vivências de consumo’ registra recorde de faturamento em 2023

Ao completar 5 anos, em fevereiro, sua inauguração, o BravaMall  registrou um fluxo de 3,6 milhões de pessoas desde 2019, com 65% concentrado nos últimos 2 anos. Após superar desafios, como a pandemia, a implementação de um modelo de negócios inovador voltado a um consumo por experiência, ou seja, na interação e no envolvimento do público com marcas de renome, produtos ou serviços, fez o centro premium do litoral catarinense registrar o maior faturamento da sua história em 2023, o que representa 28% dos 5 anos de atividade. A diretoria confirma a expansão do mix de produtos, serviços e outras novidades nos próximos anos com projeção de crescimento em torno de 35% tanto em faturamento quanto em operações, comparado aos 5 primeiros anos.

 

Nivaldo Pinheiro, idealizador do mall e diretor da PROCAVE Investimentos e Incorporações, conta que, assim como o Brava Home Resort, a proposta foi trazer um produto sustentável e que estimule a socialização e o desenvolvimento do local. “E o que  entendemos sobre sustentabilidade? É um local onde as pessoas e moradores que vivem em determinada região  têm acesso a uma estrutura de todos os níveis, como educação, comércio, entretenimento, gastronomia, e negócios próximos das suas casas e que possam desfrutar desses confortos e evitar a utilização de um carro. Uma convivência de forma harmônica com o próximo e com o meio ambiente”, comenta Pinheiro.

 

Produtos autorais, marcas e serviços de conveniência que vão além da venda, mas conectados ao propósito social e ligados, além da qualidade, a ações autênticas relacionadas à promoção da arte ou da cultura, à sustentabilidade e à inovação e que promovam a conexão e o envolvimento com o consumidor definem o BravaMall. Esse conceito do consumo do mundo moderno, que estimula vivências, tem ganhado força no mercado, especialmente no pós-pandemia, conforme apontam pesquisas em diversos setores.

 

O caso ousado na implantação, há 5 anos, de um “mall de alto padrão” em uma praia do litoral catarinense, fora dos grandes centros urbanos, é prova da mudança de comportamento do consumidor e, de certa forma, o sucesso tem comprovado a necessidade debatida sobre a reinvenção dos ‘shoppings’ convencionais. O “centro de experiências seletivas”, não apenas trouxe um mix de produtos e serviços de marcas de renome e autorais, mas contribuiu para alavancar a Praia Brava de Itajaí que, nos últimos 5 anos especialmente, se tornou reduto de famosos e negócios de luxo e com uma das mais altas valorizações imobiliárias do país atraindo a atenção tanto de visitantes quanto de investidores.

 

Com atuais 32 operações dedicadas a promover atrações além da compra em si, o BravaMall já ganhou força também na área de negócios e educação já que, além de compras, gastronomia, serviços e cultura, parte de sua área foi escolhida para implantar empresas de investimentos e educação como é o caso da matriz da sede da bilionária EQI e do renomado Colégio Bom Jesus.

 

“Vislumbramos algo diferenciado para a Praia Brava, sempre a vimos como um reduto privativo, elegante e extremamente bem localizada entre dois grandes polos, industrial e turístico, como Balneário Camboriú e Itajaí. Apesar das dificuldades enfrentadas com a pandemia, persistimos e percebemos que estávamos no caminho certo. Dessa forma buscamos melhorar nossas estratégias com base no comportamento do consumidor. Após um estudo aprofundado entendemos que a alta tecnologia do mundo moderno também trouxe às pessoas uma necessidade de humanização, de ter opções de compras que tragam algo mais”, explica a diretora executiva do BravaMall, Miriam Almeida.

 

É o caso dos eventos periódicos com a presença de estilistas em lojas, desfiles e serviços especiais para pets além de ações sociais como a Caixa Solidária e projetos de incentivo a escritores. O mall também oferece produtos que agregam conhecimento e valores de sustentabilidade além de uma marca, noites de autógrafos, exposições culturais, música ao vivo, encontros temáticos, apresentação de pratos da gastronomia autoral, conveniências como um mercado de alto padrão e salão de beleza, bem como muitas outras operações e experiências.

 

“Não trazemos apenas produtos de luxo. Abraçamos turistas e a comunidade para viverem momentos de descobertas e de conhecimento. Afinal, com a internet, por meio do mundo digital, é possível acessar milhares de produtos e serviços e, por isso, entendemos que é fundamental trazer o diferente, conhecimento e interação ao mundo real”, complementa.

 

Segundo a diretoria, o BravaMall vai crescer em experiências e no refinamento de mix de operações dentro do espaço físico atual, especialmente no Passeio Norte que será composto por operações especializadas em compras e presentes que atendam os clientes de forma conveniente e diferenciada. Outra evolução será a total repaginação da alameda de serviços que contará com operações especializadas de lavanderia, costureira e outras amenidades, além de áreas voltadas à inovação e eventos.

 

“Hoje temos a grata satisfação de trazer o lema “a Brava acontece no Brava” e convidar a todos para fazerem parte deste universo de inovação e de excelência em varejo e de felizes descobertas. O BravaMall nasceu para contribuir com o desenvolvimento da Praia Brava”, destaca Miriam Almeida.

 

Sobre o BravaMall

Entregue em 2019, o BravaMall é um ambiente que traz o estilo de vida da famosa praia catarinense, a Brava, descolado e ao mesmo tempo sofisticado, com produtos e serviços de alto padrão incluindo gastronomia, eventos, moda e serviços. A área comercial conta com espaços que têm como enfoque o lar, beleza e bem-estar, moda feminina e infantil, literatura, supermercado, área pet, e também reúne renomadas grifes de luxo, além de área gastronômica com pratos autorais e restaurantes de alta gastronomia. O BravaMall é assinado pela PROCAVE Investimentos e Incorporações.

https://www.bravamall.com.br/

Os caminhos para o Green Card por meio dos vistos de investimento

A busca por um Green Card por meio de investimentos nos Estados Unidos é uma meta comum entre estrangeiros de todo o mundo. No entanto, escolher a rota certa para alcançar esse objetivo requer uma compreensão profunda das várias opções de visto disponíveis e suas implicações.

De acordo com Daniel Toledo, advogado que atua na área do Direito Internacional, fundador da Toledo e Associados, escritório de advocacia internacional com unidades no Brasil e nos Estados Unidos, o visto EB-5 é frequentemente destacado como o caminho mais simples para a imigração, exigindo investimentos substanciais em negócios nos EUA. “Com um investimento mínimo de $800 mil em centros regionais ou $1,05 milhão em empreendimentos próprios, e a criação de pelo menos 10 empregos, essa oferece uma solução quase garantida para a obtenção do Green Card”, revela. 

Entendendo alternativas

O alto custo do EB-5 torna essa opção inacessível para muitos. No entanto, outras modalidades podem levar ao Green Card por meio de investimentos. “O visto EB-1C, por exemplo, é destinado a gerentes e executivos que desejam transferir-se para uma subsidiária nos EUA, oferecendo também um caminho para a residência permanente. Outra possibilidade é o EB-2 NIW, que se destina a profissionais com habilidades excepcionais e cujas atividades são consideradas de interesse nacional pelos EUA, muitas vezes eliminando a necessidade de um patrocinador de emprego”, pontua.

Dado o complexo panorama dos vistos de investimento, o aconselhamento de um advogado especializado em imigração é crucial. “Esses profissionais podem ajudar a traçar o perfil do investidor, analisar as opções de vistos mais adequadas e planejar a estratégia de imigração mais eficaz”, declara Toledo.

Avaliando possibilidades

Segundo o especialista em Direito Internacional, cada tipo de visto tem seus próprios requisitos, vantagens e desvantagens. “Investir nos EUA pode ser uma porta de entrada para o Green Card, mas é importante avaliar todas as opções disponíveis. A escolha do visto correto deve alinhar-se não apenas com as capacidades financeiras do investidor, mas também com seus planos de longo prazo e estilo de vida. Assim, uma decisão informada e bem orientada pode maximizar as chances de sucesso na jornada de imigração”, finaliza.

 Sobre Daniel Toledo

Daniel Toledo é advogado da Toledo e Advogados Associados especializado em Direito Internacional, consultor de negócios internacionais, palestrante e sócio da LeeToledo PLLC. Para mais informações, acesse o site. Toledo também possui um canal no YouTube com mais 230 mil seguidores com dicas para quem deseja morar, trabalhar ou empreender internacionalmente. Ele também é membro efetivo da Comissão de Relações Internacionais da OAB Santos, professor honorário da Universidade Oxford - Reino Unido, consultor em protocolos diplomáticos do Instituto Americano de Diplomacia e Direitos Humanos USIDHR.

 Sobre o escritório

O escritório Toledo e Advogados Associados é especializado em direito internacional, imigração, investimentos e negócios internacionais. Atua a mais de 20 anos com foco na orientação de indivíduos e empresas em seus processos. Cada caso é analisado em detalhes, e elaborado de forma eficaz, através de um time de profissionais especializados. Para melhor atender aos clientes, a empresa disponibiliza unidades em São Paulo, Santos e Houston. A equipe é composta por advogados, parceiros internacionais, economistas e contadores no Brasil, Estados Unidos e Portugal que ajudam a alcançar o objetivo dos clientes atendidos. Para mais informações, acesse o site ou entre em contato por e-mail contato@toledoeassociados.com.br.

Porto do Rio Grande é o primeiro no sul do Brasil a concentrar cargas com empresas asiáticas

O Complexo Portuário do Rio Grande, no Rio Grande do Sul, celebra o acordo firmado entre o Terminal de Contêineres do Grupo Wilson Sons (Tecon) e a empresa sul-coreana Hyundai Merchant Marine (HMM) para que o porto se torne um hub logístico do Conesul da gigante asiática. Essa será a primeira vez que um porto da região Sul do país será o primeiro porto da rota com aquele continente sem a necessidade de realização de escalas em outros portos brasileiros anteriormente, melhorando o chamado "transit time" para o mercado gaúcho e do Prata.

 No dia 25 de maio, as águas gaúchas receberão a embarcação da HMM, que partirá do país asiático, na próxima terça-feira (16). Na mesma semana zarpará do terminal rio-grandino, o primeiro navio "feeder" da Bengal Tiger Line (BTL), rumo a Buenos Aires, capital da Argentina, com os contêineres trazidos até Rio Grande pela embarcação de maior porte.

 Esta parceria inédita com a HMM e a BTL visa não apenas entregar um serviço mais eficiente para os clientes de carga do Sul do Brasil, da Argentina e do Uruguai, mas também estabelecer um marco na história da logística marítima, trazendo um impacto positivo na cadeia logística da costa leste da América do Sul. De acordo com o diretor-presidente do Tecon Rio Grande, Paulo Bertinetti, "a nossa conquista evidencia o Porto do Rio Grande por sua posição estratégica e condições de acesso, pelo pioneirismo e investimentos do nosso terminal planejados desde 1997 em infraestrutura visando os próximos 50 anos, e por nossa excelência operacional".

 Com a implementação do serviço "feeder", operado pela BTL, os países vizinhos serão atendidos por embarcações de menor porte, garantindo maior eficiência e confiabilidade nas entregas.

 “É um momento de muita comemoração por este importante passo na concretização do nosso Complexo Portuário, dos nossos ativos, como um diferencial logístico do Brasil, e principalmente do Conesul. Esse novo serviço firmado entre o Tecon e a HMM trará uma importante movimentação de contêineres para o porto do Rio Grande, fortalecendo assim o cumprimento das nossas estratégias”, avaliou o presidente da Portos RS, Cristiano Klinger.

 O terminal, que registrou em 2023 uma movimentação de 663,4 mil TEUs, vislumbra um aumento significativo em suas atividades. Estima-se que a nova operação "feeder" possa movimentar até 170 mil TEUs por ano, o que representa não apenas um incremento na utilização das instalações portuárias, mas também uma contribuição substancial para a economia regional e nacional.

 Esta mudança estratégica não é apenas uma questão de ampliar capacidades operacionais, mas sim de posicionar o porto do Rio Grande como um pivô essencial no comércio marítimo internacional. Com a previsão de que o serviço "feeder" abra caminho para futuras expansões e atraia mais parcerias, a Portos RS se prepara para receber a operação logística com otimismo e infraestrutura pronta.

 A chegada da HMM e a operação iniciada pela BTL não são apenas um marco para a Portos RS, mas um testemunho da crescente importância do Brasil no cenário logístico global.

Empresas de Santa Catarina garantem R$ 430 milhões do BNDES para exportação

Empresas de Santa Catarina realizaram sete operações com o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) para financiamento de exportações com spread reduzido. Ao todo, a linha BNDES Exim Pré-embarque para o estado somou R$ 430 milhões.

As operações de financiamento do Banco foram aprovadas para as empresas Vimepel Indústria de Papel, Weg, Tupy, Schulz, Incasa e Temasa, dos setores e segmentos de metalurgia, utilidades domésticas, equipamentos elétricos, automotivo e químicos.

Em 22 de fevereiro deste ano, o BNDES reduziu em até 60% o spread para essas operações. Para todo o país, a linha tinha orçamento total de R$ 2 bilhões. Em apenas cinco dias, todos os recursos foram utilizados.

“O financiamento às exportações de empresas brasileiras é uma ação estratégica do BNDES no governo do presidente Lula, porque fortalece a indústria nacional, torna ela competitiva no mercado internacional e gera empregos dentro do país”, explica o diretor de Desenvolvimento Produtivo, Inovação e Comércio Exterior do BNDES, José Luís Gordon.

O BNDES Exim Pré-embarque é um produto criado para apoiar empresas brasileiras na produção de bens destinados à exportação. Os recursos são recebidos pelo cliente no Brasil, vinculados ao compromisso de comprovar a exportação dos produtos posteriormente. A amortização do financiamento é feita diretamente com o agente financeiro repassador ou com o próprio BNDES.

Porto do Rio Grande é a principal porta de entrada marítima para veículos importados no RS

Entre janeiro e março deste ano, o Porto do Rio Grande, administrado pela Portos RS, consolidou sua posição como principal via de entrada para veículos importados no Rio Grande do Sul, pelo modal hidroviário. No período, a unidade rio-grandina recebeu 643 unidades.

Se comparado ao mesmo período do ano passado, os dados de 2024 representam um aumento de cerca de 330%, o que demonstra um crescimento do setor, além de reforçar a eficiência e a capacidade operacional do Porto do Rio Grande.

“Quando falamos da movimentação de cargas rodantes aqui pelo complexo do porto de Rio Grande, demonstramos a nossa capacidade de atendimento de múltiplas cargas. Para realizar esse trabalho, contamos com um pátio alfandegado próximo da área de cais que atende tanto as operações de importação quanto exportação de veículos. Esse aumento em relação ao ano passado demonstra que o nosso planejamento está no caminho certo”, pontuou o presidente da Portos RS, Cristiano Klinger.

Os navios utilizados nessa modalidade de operação são do tipo Roll-on Roll-off, conhecidos popularmente pela sigla Ro-Ro. Eles são especialmente projetados para permitir que os veículos sejam direcionados tanto para dentro quanto para fora da embarcação sem a necessidade de uso de outros equipamentos de carga pesada, facilitando com isso o carregamento e o descarregamento.

A metodologia além de otimizar o tempo de operação, também reduz significativamente o risco de danos aos veículos durante o processo. Esta prática reflete a busca contínua por eficiência operacional e segurança no transporte marítimo de cargas tão valiosas.

No Brasil, o mercado de importação de veículos apresentou um crescimento expressivo nos primeiros três meses do ano. Segundo a Secretaria de Comércio Exterior (Secex), dados indicam que as importações de veículos aumentaram mais de 40% no acumulado de janeiro a março de 2024, somando US$1,42 bilhão, um avanço de 46,3% em relação ao mesmo período de 2023.

No contexto nacional, a China emergiu como o principal fornecedor de veículos para o Brasil, com destaque para os carros eletrificados e híbridos, que dominaram as linhas de importação.

 

Exigir valor mínimo para pagamento com cartão ou Pix é prática abusiva, afirma MPSC

Exigir um valor mínimo de consumo como condição para aceitar o pagamento via cartão de crédito ou débito e por Pix é ilegal. Tal prática é vedada em Santa Catarina desde o dia 28 de setembro de 2023, quando foi publicada a Lei Estadual n. 18.695, além de apresentar desconformidade com os incisos I e V do artigo 39 do Código de Defesa do Consumidor.  
O tema foi destaque na reunião da 1ª Turma Revisora do Conselho Superior do Ministério Público (CSMP), durante a homologação de um termo de ajustamento de conduta (TAC) firmado entre a 20ª Promotoria de Justiça de Joinville e um estabelecimento comercial. O Promotor de Justiça Max Zuffo instaurou um inquérito civil para apurar a suposta prática abusiva após receber informações de que uma panificadora estaria condicionando o pagamento em Pix a um consumo mínimo.  
A Promotoria de Justiça realizou diligência no local, constatando a prática, e requisitou um estudo técnico sobre o assunto ao Centro de Apoio Operacional do Consumidor (CCO) do MPSC. De acordo com a análise jurídica do CCO, ainda que a norma estadual que proíbe a exigência de valor mínimo não se refira especificamente ao pagamento via Pix, ela se estende a essa modalidade de pagamento por analogia, pois, assim como os cartões de crédito e débito, o Pix - instituído por meio da Resolução n. 1/2020 do Banco Central do Brasil - caracteriza-se por viabilizar transações de pagamentos instantâneos, sendo considerado um meio de pagamento à vista.  
Após as evidências de ilegalidade, Zuffo decidiu firmar um acordo extrajudicial. A empresa aceitou e se comprometeu a não mais fixar um valor mínimo para o pagamento de despesas com cartão de crédito, débito e Pix, além de pagar multa de um salário mínimo como medida de compensação indenizatória em favor do Fundo para Recuperação de Bens Lesados (FRBL). Em caso de descumprimento do acordo, está previsto um novo pagamento de multa.  
"A situação dos autos evidencia a importância de os consumidores trazerem suas reclamações frente às novas realidades do mercado de consumo ao Ministério Público, permitindo assim uma tutela adequada dos seus direitos e o reequilíbrio das relações de consumo", esclarece o Promotor de Justiça. O TAC foi firmado em 19 de fevereiro de 2024 e homologado em 3 de abril.  
O inquérito civil foi, então, arquivado e enviado para a análise do Conselho Superior do MPSC, a instância revisora da instituição. Para o conselheiro da 1ª Turma Revisora e relator do procedimento, Paulo Antonio Locatelli, está clara a ilegalidade apurada pela 20ª Promotoria de Justiça de Joinville, assim como a resolução alcançada a partir do termo de ajustamento de conduta.  
Sobre as instâncias revisoras do MPSC  
Todos os procedimentos extrajudiciais finalizados pelas Promotorias de Justiça referentes a interesses difusos e coletivos, como a proteção do patrimônio público e social, do meio ambiente, da educação, da saúde, do consumidor e de outros interesses metaindividuais - aqueles indivisíveis e que pertencem a vários indivíduos -, passam pelo crivo de uma das três turmas revisoras do Conselho Superior do Ministério Público.  
As turmas revisoras e o pleno do Conselho Superior garantem maior segurança à atuação extrajudicial das Promotorias de Justiça na defesa dos interesses transindividuais, com reflexos para toda a sociedade. Ao todo são três turmas revisoras, que se reúnem duas vezes por mês. Os conselheiros e as conselheiras têm a atribuição de determinar que uma investigação arquivada pela Promotoria de Justiça seja homologada, encerrando o procedimento, ou que tenha prosseguimento nas diligências.  
O Conselho Superior é formado por treze integrantes: onze Procuradores de Justiça eleitos pela classe (oito pelos Promotores de Justiça e três pelos próprios Procuradores de Justiça), o Procurador-Geral de Justiça e o Corregedor-Geral do Ministério Público. O mandato é de dois anos. 
  
Fonte: Coordenadoria de Comunicação Social do MPSC

 

O fim da CLT e o começo de um sonho

* Por Bruno Lima


As mudanças no comportamento do consumidor, aliadas à evolução tecnológica, continuam a remodelar o cenário econômico do Brasil. As tradicionais formas de ganhar dinheiro, como o emprego formal regido pela CLT (Consolidação das Leis do Trabalho), estão cada vez mais distantes. A segurança e previsibilidade, antes associadas a empregos tradicionais, estão se tornando conceitos do passado. 
Paralelamente, o setor de varejo e grandes varejistas enfrentam desafios significativos, exemplificados pelos recentes problemas financeiros de gigantes empresas, que apontam para uma certa incerteza do mercado atual.
Este cenário tem impulsionado um número crescente de pessoas a explorar novas formas de gerar renda, que promovem não apenas sustentabilidade e saúde financeira, mas também oferecem maior flexibilidade, rentabilidade e mobilidade. Essas alternativas representam uma ruptura com o modelo tradicional de emprego, permitindo que indivíduos estabeleçam suas próprias metas, horários e métodos de trabalho. Basta se preparar para surfar nessa onda lucrativa.
Uma dessas inovações é o day trade do mercado financeiro, uma prática que tem atraído atenção pela sua capacidade de gerar retornos importantes em um curto espaço de tempo. Exemplificando, há relatos de operadores que conseguem faturar até 1.200 dólares em apenas vinte minutos de operação diária. Esta forma de atuação no mercado de ações, embora requeira conhecimento, disciplina e estratégia, exemplifica o potencial das novas formas de ganhar dinheiro na era digital.
Essa transição para novas formas de trabalho e geração de renda não apenas reflete as mudanças no mercado de trabalho e na economia global, mas também responde ao desejo crescente por um estilo de vida mais flexível e autônomo. À medida que mais pessoas reconhecem e exploram essas oportunidades, é provável que vejamos uma transformação contínua nas noções tradicionais de trabalho, sucesso e segurança financeira.
Ganhar dinheiro representa uma evolução necessária e bem-vinda em resposta às limitações do modelo de trabalho tradicional e aos desafios enfrentados por setores como o varejo. Não se trata apenas de caminhos alternativos para a realização financeira, mas também enfatiza a importância da flexibilidade, inovação e autonomia.
As profissões convencionais já não garantem a segurança e a rentabilidade, por isso torna-se imperativo que as pessoas se preparem para abraçar novas carreiras. 
Vale lembrar que estas novas oportunidades, muitas vezes ancoradas na tecnologia e inovação, oferecem melhores retornos financeiros e a promessa de maior flexibilidade e satisfação pessoal. Para capitalizar estas oportunidades, é essencial que os indivíduos estejam dispostos a "virar a chave" e investir em seu próprio desenvolvimento profissional e habilidades.
A educação contínua e o aprendizado autodirigido são fundamentais. Com o acesso sem precedentes a recursos de aprendizagem online - desde cursos gratuitos a programas de certificação oferecidos por universidades renomadas e plataformas de educação online - nunca foi tão acessível adquirir novas competências ou aprimorar habilidades existentes. Áreas como programação, design digital, marketing digital, análise de dados e gestão de projetos oferecem caminhos promissores para aqueles dispostos a se adaptar e evoluir.
Além da aquisição de habilidades técnicas, o desenvolvimento do pensamento crítico, criatividade, gestão de tempo e habilidades interpessoais, torna-se igualmente crucial. Estas habilidades, muitas vezes referidas como "soft skills", são essenciais para navegar nas complexidades do trabalho freelance, empreendedorismo ou em qualquer profissão que exija um alto grau de autonomia e inovação. A capacidade de aprender continuamente e se adaptar rapidamente a novas situações é o que distinguirá os profissionais de sucesso no futuro - o chamado trabalho 4.0
A construção de uma rede profissional sólida e a participação ativa em comunidades relevantes da indústria podem abrir portas para oportunidades inesperadas. Networking, tanto online quanto offline, permite a troca de ideias, acesso a conselhos valiosos e até parcerias em projetos. A colaboração e o compartilhamento de conhecimento são fundamentais em economias baseadas na inovação, onde a velocidade da mudança é acelerada e o aprendizado coletivo se torna um ativo inestimável.
Finalmente, adotar uma mentalidade empreendedora - mesmo que você não planeje iniciar um negócio próprio - pode ser extremamente benéfico. Pensar como um empreendedor significa ser proativo, buscar soluções criativas para problemas, tomar iniciativas e estar sempre à procura de maneiras de melhorar e inovar. Esta mentalidade, combinada com as habilidades técnicas e transversais adequadas, preparará os indivíduos para prosperar em novas profissões que não apenas superam as convenções em termos de rentabilidade, mas também em termos de realização pessoal e contribuição para a sociedade.
 
Sobre o Método Nômade 
O Método Nômade oferece uma abordagem inovadora para o empreendedorismo financeiro, especialmente no contexto do Day Trade, uma prática conhecida por sua agilidade e rapidez. Sob a liderança de Bruno Lima, ele permite aos traders buscar lucros explorando as flutuações de preços de ativos em um único dia de negociação. 
A abordagem flexível e descentralizada possibilita que os operadores conduzam suas atividades de qualquer lugar, sem estarem presos a um ambiente físico fixo, proporcionando liberdade geográfica e uma nova perspectiva de trabalho.  O objetivo é transformar vidas, proporcionando independência financeira e a oportunidade de compartilhar mais momentos com a família, com a liberdade necessária para moldar seus próprios destinos. Para mais informações, acesse o instagram.com/metodonomade ou pelo site nomadedaytrader.com.br.
 
Sobre Bruno Lima
Bruno Lima é um empreendedor visionário e especialista no mercado financeiro, reconhecido como o CEO e fundador do projeto Método Nômade. Sua jornada é marcada por uma determinação incansável em busca de flexibilidade, rentabilidade e, acima de tudo, equilíbrio entre vida profissional e familiar. Como pai e marido dedicado, Bruno trilhou seu caminho em busca de uma carreira que permitisse mais tempo ao lado da família. 
Com uma base sólida em finanças e uma visão arrojada, ele lançou o Método Nômade, não apenas transformando sua própria trajetória, mas também capacitando e guiando outros indivíduos na conquista da independência financeira e na busca por um estilo de vida mais flexível e significativo. Sua missão vai além do sucesso pessoal, sendo uma fonte de inspiração e orientação para aqueles que buscam um novo caminho no universo das finanças e na construção de um futuro mais próspero. Para mais informações, acesse instagram.com/brunolimatrader.

 

Empresa com soluções em automação para a indústria frigorífica mira mercado internacional

Dados da Organização Mundial da Saúde estimam que, a cada ano, cerca de 600 milhões de pessoas em todo o mundo ficam doentes por consumir alimentos contaminados, resultando em 420 mil mortes. Não é à toa que a indústria de alimentos tem aumentado seus investimentos na produção, preparação e escala, e, assim, assegurar a ausência de quaisquer contaminantes.
Em Santa Catarina, a empresa DATEC, integrante do Grupo Soma Solution, tem se destacado na fabricação de esteiras equipadas com detectores de contaminantes. "Nós fabricamos esses produtos mediante encomendas da indústria, que são nossos clientes. Vale ressaltar que a DATEC tem a capacidade de personalizar a produção para atender às necessidades específicas de cada pedido", destaca Gustavo Müller Martins, Diretor Presidente do Grupo Solution.
 
Os detectores de metais conseguem identificar a presença de materiais metálicos. A tecnologia de Raio-X, considerada a técnica mais avançada para inspeção de alimentos, consegue localizar vidros, pedras, cerâmicas, plásticos densos e outros resíduos provenientes do processo industrial. A identificação minuciosa é bastante rápida, permitindo a remoção imediata dos produtos comprometidos na linha de produção, de forma automática.
"Quando falamos dos detectores de contaminantes, incluindo os de Raio-x, estamos nos referindo a algo muito mais abrangente: uma ferramenta que trabalha em prol da segurança alimentar das pessoas, algo que é de interesse para marcas que valorizam o consumidor, pensando na saúde e bem-estar. E sempre valorizando no mercado a marca do produto", destaca Martins.
Com distribuição em todo o país e detentora de produtos próprios, como afiadores de facas para frigoríficos e rotuladores, a DATEC mira novos horizontes e neste ano de 2024, deve iniciar o processo de exportação de suas soluções em máquinas e dispositivos especiais. "Com isso, buscamos aumentar a visibilidade da DATEC e participar de feiras e eventos internacionais", adianta o Diretor Presidente.
Além disso, ao avançar nesse projeto, a DATEC contribuirá para aumentar o percentual ainda modesto de empresas brasileiras que exportam. O estudo "Perfil das Firmas Exportadoras Brasileiras", divulgado pelo Ministério do Desenvolvimento, Indústria, Comércio e Serviços (MDIC), revela que menos de 1% (0,88%) das empresas ativas no país comercializam seus produtos além das fronteiras.
"Essa é a nossa intenção: buscar mercados fora do Brasil, representar o país e impulsionar o setor de equipamentos. Atualmente, o Brasil adquire muitos equipamentos do exterior, e a ideia é destacar o que temos aqui", afirma o Diretor Presidente.


SOBRE A SOMA SOLUTION
Além da DATEC, o Grupo Soma Solution integra outras duas grandes marcas: a SomaFlux, formada por especialistas em vendas e manutenção de compressores de ar, sopradores e bombas de vácuo; e a Soma Solution propriamente dita, que oferece soluções utilizadas por linhas de produção industrial dos mais variados segmentos, abrangendo detector de contaminantes e checadores de peso; sistema de visão e leitores de código; gravação, codificação industrial e automação. Além de Chapecó, Curitiba e Valinhos, o grupo dispõe de unidades em São Leopoldo (RS), Joinville (SC), Toledo (PR) e Maringá (PR).
Mais informações em https://www.datec.ind.br/ e https://www.somasolution.com.br/.

 

Seu Cliente Oculto abre mais de 150 vagas em Santa Catarina

Fazer uma renda extra é a realidade de mais de 60 milhões de brasileiros, de acordo com dados do Instituto Cidades Sustentáveis, que avalia a rentabilidade no país. E uma atividade que tem crescido no mercado é a de cliente oculto – um consumidor comum, contratado por uma empresa para avaliar o atendimento e a qualidade de seus produtos e serviços. Só em Santa Catarina, são mais de 150 vagas abertas este mês, entre os setores de alimentação, estética, varejo e outros.

Quem oferece as vagas é a Seu Cliente Oculto, primeira startup do segmento no país. De acordo com Bruno Vasconcelos, fundador da empresa, cada colaborador pode receber até R$250 reais por avaliação. Atualmente, são mais de 50 cidades com oportunidades em aberto, desde a capital Florianópolis, até munícipios do interior do Estado, como Navegantes e Chapecó.

 

  1. Quem pode ser um cliente oculto?

Qualquer um pode se tornar um cliente oculto: homens, mulheres, jovens (a partir de 18 anos) e idosos. O único requisito é ter um celular com câmera, caso haja a necessidade de fotografar, filmar ou gravar algo. Mas no geral, a característica necessária de um avaliador é a neutralidade. Ele precisa julgar o atendimento, o produto e o espaço de acordo com a experiência que teve, através de um olhar mais externo.

  1. Quanto posso faturar por avaliação?

Existem duas formas de bonificação: reembolso ou pagamento por serviço. No primeiro caso, o cliente oculto tem um valor para gastar no estabelecimento, que é reembolsado após a avaliação. Já o pagamento é como uma renda extra que ele ganhará depois de apresentar suas conclusões. Esses valores podem variar entre R$35 até R$250.

  1. Que tipos de serviços eu vou avaliar?

Você pode escolher quais produtos e serviços quer avaliar. As avaliações vão desde consultórios médicos até restaurantes, dependendo da disponibilidade de vagas na sua região. A plataforma oferece uma gama abrangente para expressar suas opiniões e contribuir para a comunidade. Além disso, ao participar ativamente das avaliações, você pode ajudar outras pessoas a fazerem escolhas e aprimorar constantemente a qualidade dos serviços oferecidos.

 

  1. Como faço para me inscrever?

O processo de cadastramento é simples e rápido, dependendo de cada plataforma. No caso da Seu Cliente Oculto, basta inserir algumas informações básicas para encontrar as vagas que melhor se encaixam em seu perfil. É importante destacar ainda a facilidade de agenda, pois as visitas podem ocorrer no dia e horário que o cliente oculto preferir. Atualmente, a Seu Cliente Oculto conta com cerca de 1300 vagas abertas, em todos os estados brasileiros.

 

O mercado de avaliação anônima movimenta cerca de R$18 milhões por ano, e você pode aproveitar esse ramo para ganhar dinheiro enquanto se diverte. Então, por que não transformar suas opiniões em uma fonte de renda e ao mesmo tempo descobrir novos lugares e experiências na sua região?

Mais informações em https://seuclienteoculto.com.br/seja-cliente-oculto/;

 

Grupo Koch é a 10a maior rede supermercadista do Brasil

Em relatório divulgado pela Associação Brasileira de Supermercados (Abras), na noite de segunda-feira (8), o Grupo Koch aparece como a 10a maior rede supermercadista do Brasil e a primeira de Santa Catarina, subindo três posições em relação ao ano passado – a empresa que mais subiu no ranking no top 15. De acordo com a metodologia da Abras, que considera o faturamento de 12 meses de todas as lojas em 2023, o Grupo atingiu R$ 7,9 bilhões em vendas. O levantamento, que é realizado há 47 anos e é a principal referência do setor no Brasil, reúne as 30 maiores empresas do segmento do país, de Norte a Sul. Os dados foram publicados em cerimônia realizada em São Paulo, no Transamérica Expo Center, durante o Smart Market 2024, encontro do setor que reúne as lideranças do varejo alimentar. O Grupo também aparece no ranking entre as cinco empresas do segmento que mais geraram emprego em 2023, contratando 1.884 pessoas.

O CEO do Grupo Koch, José Koch, pontua que é 'uma satisfação imensa' fazer parte da seleta lista dos 10 maiores grupos supermercadistas do Brasil, já que o ranking  reconhece as maiores empresas de um dos setores mais fortes, dinâmicos e representativos da economia nacional. "Essa notícia vem justamente no momento em que estamos comemorando 30 anos. O objetivo era chegar no top 10 até 2028, e já recebemos esse presente maravilhoso agora. O Grupo Koch, desde a inauguração da primeira loja, em Tijucas, nunca parou de crescer e isso se deve ao nosso planejamento estratégico, que proporciona crescimento sustentável, e também aos nossos colaboradores, um time de 10 mil pessoas que se dedica todos os dias para entregar o melhor aos nossos clientes”, diz. 

O Grupo Koch  está presente hoje em mais de 30 cidades em Santa Catarina, com 67 lojas, das marcas Komprão e SuperKoch. Os dados apontados pelo Departamento de Economia e Pesquisa da Abras, em parceria com a NielsenIQ, mostram ainda que todo o setor faturou mais de R$ 1 trilhão no país em 2023, o que representa 9,2% do PIB, além de ter gerado 5,5 milhões de empregos.

 

Saiba mais sobre o Grupo Koch

Empresa familiar fundada em 1994, em Tijucas, o Grupo Koch está presente hoje em 33 cidades de Santa Catarina. Destaca-se pela alta qualidade do hortifrutigranjeiro e das carnes frescas. Possui 67 lojas do Planalto Norte ao Sul catarinense, gera 10 mil empregos e tem o certificado internacional Great Place to Work. Conta também com um Centro de Distribuição e uma sede administrativa em Tijucas e um Centro Administrativo e Comercial em Itapema. 

C&A inaugura loja no Itajaí Shopping com soluções digitais e novo formato clean e intuitivo

A C&A Brasil dá continuidade ao seu plano de expansão e atinge o marco de 331 lojas físicas no país com a inauguração, em 18 de abril, da C&A no Itajaí Shopping. A abertura faz parte da estratégia de negócios da marca, que visa a expansão de novos formatos de lojas, lançamento de serviços digitais e soluções omnicanais, além da aceleração da transformação digital da companhia para atender aos novos hábitos de consumo.

 

A C&A do Itajaí Shopping conta com um espaço de 1.915,38m2 e reforça a presença da marca em Santa Catarina, oferecendo uma plataforma de expressão democrática por meio da moda. A nova loja está instalada em um ambiente moderno, seguindo um novo formato mais clean e intuitivo da marca, além disso, oferece uma ampla variedade de produtos, como roupas (femininas, masculinas e infantis), acessórios, linha esportiva ACE e calçados.

 

A nova C&A seguirá o mesmo horário de funcionamento do empreendimento. De segunda a sábado, das 10h às 22h, e aos domingos e feriados das 14h
às 20h. Ao total, mais de 20 pessoas foram contratadas para esta unidade, que traz tecnologia, inovação e uma excelente experiência de compra. 

 

Itajaí nas paredes     
Uma das inovações é o provador da loja com a pintura da artista Mariana Ferret, que mescla sua identidade visual, ambientando suas personas na paisagem local. Itajaí é cercada de praias e belezas naturais e a arte traz elementos da cidade, fazendo alusão a frases presentes no hino municipal, como: “bem-vindo a terra do sol e mar, das praias e belas sereias”.

 

Serviços e soluções digitais e omnicanais  
Com o propósito de tornar a jornada de compra ainda mais dinâmica e melhor atender aos clientes de Itajaí e região, a nova loja conta com modelo operacional chamado Ship From Store – funcionalidade logística que, embora não seja perceptível aos consumidores, vem apoiando, cada vez mais, a operação da marca. Por meio desta modalidade, a C&A utiliza o estoque de loja local para atender com mais agilidade os pedidos realizados em seu e-commerce e aplicativo na região. Na prática, ao invés da compra sair do centro de distribuição da varejista, ela sai da própria loja, otimizando o prazo de entrega. 

 

Outro ponto de contato entre a marca e o cliente é o atendimento via WhatsApp. A plataforma é um canal exclusivo de atendimento e de apoio para as compras via e-commerce, já que ao contatar o consultor os clientes podem tirar dúvidas e pedir ajuda para encontrar um produto no e-commerce.          

Além disso, a nova loja será inaugurada com as três modalidades do Clique & Retire – serviço omnicanal – que oferece a possibilidade dos clientes realizarem a compra online e retirá-la em loja física. Os consumidores contarão com o formato tradicional do Clique & Retire, no qual a retirada do pedido na unidade é feita no dia seguinte e o formato expresso, que permite a retirada da compra online na loja em até 2 horas após a aprovação do pagamento da compra (e a depender da disponibilidade do produto escolhido).

Outra facilidade omnicanal é a tecnologia chamada Corredor Infinito. Se o cliente não encontrar o produto que deseja na loja, esta tecnologia permitirá que ele consulte rapidamente todo o estoque da marca e encontre a peça desejada dando sequência à compra. Após identificar o item, pode-se optar por recebê-lo em casa com toda comodidade ou retirá-lo via Clique & Retire na loja indicada.       

C&A estimula a sustentabilidade em sua nova loja          
Promover uma moda com impacto positivo é também um grande objetivo da C&A e que não poderia faltar na loja do Itajaí Shopping.  Para isso, a unidade fará parte do Movimento ReCiclo, iniciativa da marca que oferece uma alternativa para dar uma destinação mais sustentável às roupas usadas. As peças depositadas nas urnas do Movimento ReCiclo serão encaminhadas a instituições parceiras para reuso ou reciclagem. Para participar, os interessados podem depositar as peças na urna do ReCiclo disponível na loja. O descarte ambientalmente correto para celulares, pilhas e baterias também pode ser feito na loja por meio da urna do Programa de Lixo Eletrônico da C&A.

CNM celebra manutenção da desoneração da folha para municípios

A Confederação Nacional de Municípios (CNM) comemorou a decisão do presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (PSD-MG), que, na segunda-feira, 1º de abril,  derrubou  trecho da Medida Provisória 1.202/2023 que revogava a desoneração da folha de pagamento dos municípios. A entidade destaca que, com a medida, Pacheco cumpre o compromisso firmado com os Municípios e garante uma conquista de R$ 11 bilhões ao ano aos Executivos locais.

"É importante lembrar que a redução da alíquota da contribuição previdenciária patronal dos municípios ao Regime Geral de Previdência Social (RGPS), de 20% para 8%, foi aprovada pelo Congresso Nacional para todos os Municípios com até 156,2 mil habitantes na Lei 14.784/2023, sendo referendada por deputados e senadores em duas oportunidades. Com a decisão, fica mantida a redução de alíquota do INSS de 20% para 8% aos 5.367 Municípios beneficiados", destaca a CNM, em seu portal institucional. 

A Confederação destaca, também, que a MP passaria a ter efeitos em primeiro de abril, reonerando a folha de pagamento dos entes locais já a partir de maio, em relação ao exercício financeiro de abril e que desde a publicação da MP, atuou fortemente junto a senadores e deputados pela manutenção da desoneração da folha de pagamento. "Também buscamos diálogo com o Executivo para garantir uma solução definitiva em relação ao tema", pontua. 

SC

Em Santa Catarina, apenas 10 municípios estão fora do benefício de redução da alíquota do INSS de 20% para 8%, por terem população superior a 156,2 mil habitantes. Outras 285 cidades se enquadram na legislação que desonera a folha. 

Reunião do Cosud no Paraná define estratégias para o andamento dos projetos de ferrovias

Reunião do Grupo de Trabalho de Ferrovias do Cosud definiu estratégias dos estados do Sul para o andamento dos projetos de ferrovias que estão sendo desenvolvidos pelos governos estaduais. O encontro foi realizado nesta quinta-feira, 4, em Curitiba (PR). Participaram representes de cada governo, que estão envolvidos com o projetos ferroviários. O vice-governador do Paraná, Darci Piana, abriu o encontro que também teve a participação do vice-governador do Rio Grande do Sul, Gabriel Souza.

“O entendimento do governador Jorginho Mello é que precisamos integrar os nossos projetos, pois temos o mesmo problema que é a indefinição sobre a renovação da concessão da Malha Sul. E viemos aqui propor isso, pois esta indefinição prejudica a construção de novos trechos de ferrovias e acaba por comprometer a viabilidade dos projetos de ferrovias que estão sendo elaborados”, avaliou o secretário de Portos, Aeroportos e Ferrovias (SPAF) , Beto Martins. O diretor de Modais, Ivan Amaral, também participou da reunião.

O GT das Ferrovias foi criado na última reunião do Cosud (Consórcio de Integração Sul e Sudeste) realizada em março, em Porto Alegre (RS), com o objetivo de buscar a união dos estados em torno do desenvolvimento deste modal, que é considerado de fundamental importância para a logística de transportes.

O vice-governador do Paraná lembrou que “chegou o momento dos três estados sentarem e cada um apresentar a sua proposta e encontrar um caminho comum para resolver definitivamente o problema das ferrovias nos estados do Sul”, disse Darci Piana.

O vice-governador gaúcho afirmou ser crucial rediscutir a modelagem e os investimentos para atender às demandas logísticas dos três estados. “Existem duas características essenciais a serem consideradas. Primeiramente, somos produtores e exportadores de grãos e proteína animal, além de sermos importadores de fertilizantes e outros insumos agrícolas. Em segundo lugar, temos a capacidade de exportar e importar por meio dos nossos portos. Portanto, é fundamental garantir o acesso eficiente aos nossos terminais para otimizar o transporte de cargas”, defendeu.

Ficaram definidos os dois próximos encontros. O primeiro será em 14 de maio em Brasília, em uma audiência com o Ministro dos Transportes e o segundo encontro do GT que será em Florianópolis, em data ainda a ser confirmada.

 

Por Rafael Matos | SPAF  

BRDE participa de evento sobre o futuro da indústria e assina parceria com Senai SC

O Radar Reinvenção, jornada de eventos da Federação das Indústrias de Santa Catarina (FIESC), com objetivo de debater o futuro da indústria catarinense iniciou nesta quarta-feira (03), na sede da entidade em Florianópolis. No foco do primeiro encontro da série de cinco eventos, estiveram debates sobre governança corporativa e a medição e acompanhamento de indicadores de performance.

O presidente do Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo Sul (BRDE), João Paulo Kleinübing, foi um dos convidados para moderador o painel “Tendências: referências para o Brasil e Santa Catarina”, acompanhado dos representantes do Grupo BID no Brasil, Leonardo Lahud e Karisa Ribeiro, e do diretor presidente da SC Participações e Parcerias, Renato Lacerda.

“A discussão sobre o futuro da indústria deve abranger tecnologias emergentes, sustentabilidade e a capacidade de adaptação das empresas a essas mudanças. A colaboração entre setores, governos e sociedade é fundamental para moldar um futuro industrial mais inteligente, eficiente e sustentável”, reforça Kleinübing

Na programação do evento estão nomes de referência no cenário empresarial brasileiro, como Décio da Silva, da WEG; Marcelo Cioffi, executivo da PwC Brasil; Cesar Gomes Junior, da Portobello; e o economista e diplomata Marcos Troyjo, entre outros.

Parceria com Senai SC

Durante o evento, o BRDE também assinou um Acordo de Cooperação Técnica com o Senai de Santa Catarina. Entre os objetivos da parceria, é apoiar as cadeias industriais na missão de descarbonização, por meio do hub de descarbonização da FIESC, liderado pelo próprio SENAI. Entre os temas tratados no programa, está eficiência energética da indústria, como troca de motores, equipamentos e automação; geração de energias renováveis, como biodigestores e fotovoltaica, com foco principalmente nas micro e pequenas empresas.

“A descarbonização precisa estar no centro da agenda do setor produtivo e do poder público. A redução das emissões de gases de efeito estufa é essencial para mitigar as mudanças climáticas. O hub é uma iniciativa que visa mobilizar, além do setor produtivo, governo, universidades e centros de pesquisa em busca de uma economia de baixo carbono”, explica Kleinübing.

Entre os benefícios da participação das empresas estão: mais competitividade no mercado global, oportunidades de inovação, atendimento a requisitos regulatórios ou de compliance, melhora da reputação junto aos consumidores e acesso a linhas de “crédito verde”.

Próximos encontros

A Jornada Radar Reinvenção de 2024 terá mais quatro eventos em 2024. No dia 13 de junho, em Chapecó, será analisado o tema Descarbonização e transformação digital. Em Jaraguá do Sul, dia 4 de julho, infraestrutura e mobilidade vão ser os focos em discussão. Transição Energética vai ser o assunto em pauta no encontro do dia 20 de agosto, em Criciúma. O Radar Reinvenção encerra em Florianópolis: nos dias 17 e 18 de outubro. Na ocasião, será debatido o futuro da indústria.

© Copyright 2000-2014 Editora Bittencourt