segunda, 08 de agosto de 2022
08/03/2021

WEBINAR DISCUTE O FUTURO DA CABOTAGEM NO BRASIL


 

         O futuro do transporte marítimo entre os portos brasileiros, segmento de grande importância para o desenvolvimento do país, é o tema do webinar BR do Mar – Desafios e Perspectivas para a Cabotagem, a ser realizado na próxima quarta-feira 10/03, a partir das 9h.

Com transmissão ao vivo (ver links de acesso abaixo), o evento contará com a participação de autoridades e especialistas dos setores de transporte marítimo e logística portuária, para debater o Projeto de Lei 4.199/2020, novo marco legal da Cabotagem, também conhecido como BR do Mar, numa alusão à nomenclatura das rodovias federais.

 O objetivo do PL, de iniciativa do Executivo, é aumentar a oferta de serviços de transporte entre os portos brasileiros, bem como aumentar a concorrência do setor. O projeto enfrentou algumas controvérsias, sofreu alterações na Câmara e, no momento, começa a ser discutido no Senado. Hoje a cabotagem representa 11% da matriz de transportes brasileira, e tem crescido em média 10% ao ano.

         Entre os panelistas do seminário virtual estarão o vice-presidente da Associação Brasileira de Armadores de Cabotagem (ABAC), Luís Resano; o diretor de Gestão Portuária da Companhia Docas do Rio de Janeiro (CDRJ) e ex-presidente da ANTAQ, Mario Povia; o engenheiro naval e consultor em logística Nelson L. Carlini; e o especialista em transporte marítimo Milton Tito.

 

O webinar é uma realização da Meira Mattos Educação (MME), com apoio da ABAC e apoio institucional da Ferreira de Mello Advocacia (FMA) e do Rotary Club

 

Para participar, basta acessar as redes sociais da MME e do FMA Facebook, LinkedIn ou Youtube. O evento é gratuito.

 

Serviço

Webinar “BR do Mar - Desafios e Perspectivas para a Cabotagem”

DIA: 10 de março, quarta-feira

HORÁRIO: 9h às 13h

LOCAL: Facebook, LinkedIn ou Youtube

Evento gratuito



Blog

Países do ‘BRICS’ debatem como alavancar qualificação para indústria 4.0

A qualificação de profissionais para ocupações cada vez mais tecnológicas é foco dos trabalhos de um grupo de especialistas do Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul, o chamado BRICS. A participação brasileira é liderada pela Confederação Nacional da Indústria, por meio do SENAI, a partir de indicação dos ministérios da Casa Civil e da Educação. O objetivo é criar estratégias para promover a capacitação padronizada entre os países.

“Somos reconhecidos por aliar a teoria e a prática. As discussões que estão em curso no grupo formado pelos países do BRICS vêm sendo amplamente abordadas em nossas formações. Não é uma agenda apenas de entidades privadas, ela exige políticas públicas mais robustas, com respaldo técnico e competência para guiar os debates”, destaca o diretor-regional do SENAI, Fabrizio Machado Pereira.

São oito grupos de trabalho, sendo um deles voltado para as áreas de inteligência artificial, machine learning e big data, coordenado pelo professor Valério Junior Piana, do Centro Universitário do SENAI em Chapecó. “Os grupos debatem temas como a falta de profissionais qualificados para atuar com as tecnologias da indústria 4.0 e as habilidades fundamentais para o futuro do trabalho, não apenas na indústria, mas também em outras áreas”, afirma Piana. “Estamos focando nas ocupações mais tecnológicas e o que fazer diante da falta de profissionais”, acrescenta.

Piana, que no SENAI coordena os cursos de graduação e pós-graduação em TI, cita, principalmente, a falta de profissionais qualificados na área de tecnologia para atuar com programação, automação e outros setores. O grupo de trabalho do BRICS atua com base no relatório do Fórum Econômico Mundial, que elenca habilidades que as pessoas precisam ter ou desenvolver, como criatividade, solução de problemas complexos, trabalho em equipe, entre outras, incluindo as habilidades e conhecimentos técnicos.

O grupo está elaborando uma proposta de esforço conjunto dos países para capacitar a força de trabalho. “Algumas alternativas que estamos sugerindo são a implementação de laboratórios-modelo, equipados para desenvolver as capacidades necessárias para o mundo do trabalho, e cursos de graduação e pós-graduação com currículos padronizados entre os países”, relata Piana.

O SENAI é referência mundial em qualidade de ensino. Capacita os trabalhadores da indústria por meio de educação profissional e superior, consultorias especializadas e serviços de inovação voltados ao desenvolvimento e à competitividade industrial. A instituição está presente em todos os estados brasileiros.

© Copyright 2000-2014 Editora Bittencourt