sexta, 12 de julho de 2024
20/06/2023 16:38

Mais energia viabiliza investimento de R$ 1,5 bi de indústrias de SC

Na FIESC, governo do Estado anunciou plano de R$ 220 milhões para ampliar o fornecimento de energia elétrica a 11 indústrias de SC. Melhoria vai viabilizar investimentos privados de R$ 1,5 bilhão na ampliação da produção.

O governo do Estado anunciou nesta terça-feira, dia 20, um investimento de R$ 223 milhões em obras que vão ampliar o fornecimento de energia elétrica para o setor produtivo de Santa Catarina. O Plano de Desenvolvimento Energético para a Indústria Catarinense prevê novas subestações, linhas de transmissão e redes de distribuição que atendem indústrias de diversas regiões. 

O presidente da FIESC, Mario Cezar de Aguiar, afirmou que o plano destrava investimentos que estavam retidos há anos, ressaltando que todas as 11 empresas atendidas são genuinamente catarinenses. “A indústria catarinense reinveste aqui os seus resultados. Então é muito importante que se tenha uma política de manutenção da nossa indústria aqui, como se faz agora, com a melhoria da infraestrutura”, afirmou. 

A partir da melhoria na infraestrutura energética, as indústrias contempladas vão investir cerca de R$ 1,5 bilhão, ampliando seus negócios e gerando 9,5 mil empregos diretos e indiretos em todo o Estado.
Cálculos do governo do Estado indicam que a combinação desses investimentos públicos e privados irá gerar um aumento anual de R$ 160 milhões na arrecadação de ICMS. 

“Depois dos R$ 4,5 bilhões anunciados em maio, agora serão mais de R$ 200 milhões para permitir que os empresários possam ampliar e modernizar seus negócios”, destacou o governador Jorginho Mello.
O aporte na infraestrutura será feito ao longo de 30 meses e dividido entre o governo do Estado, com R$ 174 milhões, e a Celesc, que entrará com R$ 49 milhões.

O secretário de Estado da Fazenda, e ex-presidente da Celesc, Cleverson Siewert, afirmou que o plano atende indústrias que têm projetos de expansão com demandas energéticas específicas, que exigem solução diferenciada. 

São elas: Águas Negras S.A (Ituporanga), Metalúrgica Riosulense S.A (Rio do Sul), Pamplona Alimentos S.A. (projetos em Presidente Getúlio e em Rio do Sul), Docol (Joinville), Ciser (Araquari), Tuper (São Bento do Sul), Cejatel (Jaguaruna), Bragagnolo Papel e Embalagens (Faxinal dos Guedes), Tirol (Treze Tílias), Baterias Pioneiro (Treze Tílias) e Chlorum (Palmeira).

Além dos empregos e da arrecadação, a Celesc destaca outro efeito esperado. “O benefício não é só para aquela indústria que vai fazer o investimento. Todo o seu entorno, que operava no limite, também será beneficiado pelo aumento da capacidade nas regiões ", disse o presidente da Celesc, Tarcísio Estefano Rosa.




Últimas Notícias

Notícias

© Copyright 2000-2014 Editora Bittencourt