segunda, 29 de novembro de 2021
03/02/2021 16:32

Confira alternativas de negócios e dicas para empreender usando a cozinha de casa em 2021

O setor de alimentos procurou inovar para sobreviver em meio à pandemia e a produção em casa pode ser uma opção rentável

O segmento de alimentação esteve entre os primeiros a serem afetados pela crise do coronavírus, especialmente por conta das medidas de isolamento social que provocaram o fechamento ou redução de público em bares, restaurantes e estabelecimentos gastronômicos. Para se adaptar a esse cenário muitos empreendedores procuraram inovar e buscar novas formas de produção e de comercialização de alimentos. A Pesquisa Impacto nos Pequenos Negócios – 9ª Edição, realizada pelo Sebrae, em novembro, apontou que 56% das empresas começou a comercializar novos produtos ou serviços desde o começo da crise.

Nesse contexto, estiveram entre as saídas procuradas a produção de congelados, marmitas e outros produtos até mesmo na própria cozinha de casa. Essas são tendências que devem permanecer em alta para quem quer começar a empreender em 2021.

Fabricar alimentos em casa como empreendimento engloba alternativas, como produção de marmitas, congelados, pães, massas e bolos, que estão entre as mais procuradas na seção Ideias de Negócios, ferramenta do Sebrae que oferece um passo a passo para quem planeja investir nesse caminho. Além da variedade de produção esse modelo de negócio conta com vantagens como menor custo de estrutura inicial e a possibilidade de terceirizar a entrega através de aplicativos especializados (IFood, Rappi, 99 food, etc). O negócio tem se tornado uma alternativa de renda em meio a um período em que o desemprego vem crescendo. Além disso, permite que a pessoa se torne um microempreendedor individual e se formalize.

Além de oferecer um produto de qualidade também é preciso conhecer o seu público. Testar receitas e fazer pesquisas de opinião, para entender as preferências de futuros compradores são pontos essenciais, inclusive por meio das redes sociais. Outra dica importante é que os pequenos negócios devem seguir todas as recomendações de segurança na prevenção contra a covid-19, seja na própria cozinha de casa, nas entregas por delivery ou em um espaço físico.

Segundo consultora do Sebrae/PR, Patrícia Albanez, também é preciso estar atento às tendências e novidades de mercado. Ela aponta que uma das tendências em alta é a utilização de produtos regionais. “Com a pandemia o consumo do que é local ficou ainda mais acentuado. Evidenciar o uso de insumos regionais, histórias e receitas podem ser uma forma de se diferenciar e agregar valor nos produtos ofertados”, afirma.

Nesse processo, o empreendedor também pode contar com a ajuda de ferramentas virtuais, tanto para a realização de contatos com o público e divulgação da marca quanto para a realização de vendas. A pesquisa do Sebrae apontou que 76% dos empreendedores do segmento se comunicam ou vendem por meios digitais. “Ser localizado pelos buscadores, com destaque para o Google, estar presente nas redes sociais, utilizar o whatsapp e também utilizar meios de pagamentos digitais são algumas das formas para estar mais presente digitalmente”, explica a coordenadora estadual de turismo do Sebrae/PR, Patrícia Albanez.

Quem seguiu o caminho de investir nos meios digitais para vender foi a proprietária da Juli Bolos com Amor, Juliana Borghesan de Araújo, em Francisco Beltrão, sudoeste do Paraná. Com a pandemia e o cancelamento de festas e eventos, ela viu a demanda por seus bolos e docinhos e seu faturamento despencar.

Após participar do Supere! Sebrae, a empreendedora passou a utilizar os meios digitais e conseguiu atrair mais clientes para o negócio. Ela alterou as estratégias de acordo com as mudanças de hábitos dos consumidores e hoje fatura 30% a mais em relação ao período antes da pandemia. 

“Aprendi que era preciso fazer a identificação visual do meu negócio. Tenho a empresa em uma estrutura construída atrás da minha casa. Providenciei a fachada e os resultados já começaram com alguns vizinhos, que não sabiam da empresa”, exemplifica Juliana.

A empreendedora relata que a rotina era trabalhar para atender pedidos para os finais de semana. Com a pandemia, as pessoas começaram a celebrar com grupos menores e nos dias em que efetivamente caíam as datas comemorativas.

“Agora, os clientes querem bolos pequenos, mas decorados. Como estão celebrando em casa, temos pedidos para todos os dias. O movimento aumentou bastante”, detalha. Com o movimento também passou a contar com a ajuda do marido.

Para ajudar na realização do sonho de montar um negócio usando a cozinha de casa, o Sebrae reuniu dicas para cinco tendências no segmento de alimentação. 

1- Marmitas

A venda de refeições prontas é um clássico. O tradicional PF brasileiro sempre terá um público cativo. O segmento apresenta grande flexibilidade para a chegada de novos empreendedores. Apesar da grande concorrência, os clientes sempre querem experimentar um tempero novo. A maioria dos consumidores situa-se em áreas que apresentam grande concentração de escritórios, lojas, consultórios e serviços públicos. As pessoas que recorrem a este serviço utilizam, como meio de pagamento, cupons de refeição (vale-refeição e vale-alimentação) fornecidos pelos empregadores.

2- Refeições congeladas

A praticidade de comprar o cardápio da semana inteira em pequenas porções variadas conquistou seu espaço no mercado, principalmente quando se trata de refeições mais saudáveis, focadas em pessoas que possuem restrições em relação a glúten, lactose ou buscam o uso de ingredientes orgânicos, por exemplo. As oportunidades são amplas e não se restringem ao público fitness. É importante uma análise sobre os nichos a serem explorados e a decisão sobre o público a ser atingido, geralmente composto por solteiros, casais jovens e pessoas que moram sozinhas. Desde comida light até massas e pizzas, a oferta de alimentos congelados precisa agradar o perfil da demanda local.

3 –  Bolos e Tortas

Uma casa de bolos e tortas é um tipo de negócio que está diretamente relacionado a momentos de alegria e prazer e comemorações, que podem ser traduzidos em sabores variados para atender ao gosto de cada cliente. Mesmo em tempos de pandemia, esse é um tipo de produto que não tem a sua procura interrompida. 

4- Pães, bolos ou massas artesanais

A preocupação com a saúde e o bem-estar tem feito com que as pessoas valorizem cada vez mais alimentos de produção caseira. Pães com fermentação natural, bolos clássicos no estilo que a vovó fazia, massas frescas com molhos produzidos a partir de ingredientes naturais são uma excelente pedida para pessoas que desejam fazer alimentos na cozinha de casa. Além de aproveitar receitas da família, você pode usar as redes sociais para mostrar a riqueza nos detalhes da preparação, encantando novos clientes e fidelizando aqueles que já experimentaram.

5- Churrasquinho

A jantinha já virou um clássico no cardápio dos brasileiros, principalmente na rotina de pessoas que moram sozinhas e tem uma rotina corrida. O espetinho acompanhado de arroz, feijão tropeiro, vinagrete e mandioca agrada a todos com opções variadas de carnes, frango e linguiças. Qualidade no atendimento e na escolha dos ingredientes serão um diferencial. Além do formato delivery, você pode trabalhar com take-out (retiradas). Nesse modelo em especial, é necessário que a casa disponha de um espaço para a churrasqueira.




Últimas Notícias

Notícias

© Copyright 2000-2014 Editora Bittencourt