domingo, 14 de julho de 2024
11/06/2024 16:14

Missão da ApexBrasil na África do Sul vai fortalecer elo com o continente africano

Com rodadas de negócios, visitas técnicas e eventos de relacionamento, missão Brasil Africa Solutions buscará estreitar as relações comerciais e diplomáticas com nações africanas

Uma delegação de 23 empresas brasileiras vai desembarcar em Joanesburgo nesta semana para a missão de negócios Brasil Africa Solutions (BAS), liderada pela Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (ApexBrasil) e em parceria com as agências de promoção comercial de Angola (AIPEX), África do Sul (DTIC), Moçambique (APIEX) e Tanzânia (TanTrade). O objetivo do BAS, que acontecerá entre 13 e 15 de junho, é gerar e fortalecer oportunidades de comércio entre o Brasil e aqueles países.  

Entre as atividades previstas, estão eventos de relacionamento, visitas técnicas e rodadas de negócios com compradores internacionais dos quatro países. A programação também inclui uma visita prospectiva à 21ª edição da Africa's Big 7, uma das maiores feiras de alimentos e bebidas do continente. A delegação brasileira no BAS será liderada pela diretora de Negócios da ApexBrasil Ana Repezza, que também deverá se reunir com representantes das agências de promoção comercial de África de Angola, África do Sul, Moçambique e Tanzânia.

“Desde o ano passado, a África voltou a ser uma prioridade para a ApexBrasil. Em 2024, estamos retomando a participação nos principais eventos comerciais do continente, como as Feiras Internacionais de Luanda (FILDA) e de Moçambique (FACIM), além da própria Africa’s Big 7. Já em agosto, haverá uma missão empresarial do Ministério das Relações Exteriores (MRE), em parceria com a ApexBrasil, a Namíbia, Botsuana, Moçambique e Tanzânia”, explicou Repezza.

A diretora mencionou, também, os 18 projetos setoriais da ApexBrasil que têm foco prioritário em países do continente, em diferentes setores da economia. “As potencialidades de negócios são imensas e queremos garantir oportunidades de desenvolvimento tanto para o Brasil quanto para as nações africanas”, complementou.

As 23 empresas que integram delegação brasileira no BAS, algumas delas representadas por uma comercial exportadora, atuam nos setores de alimentos & bebidas, cosméticos, baby care, utilidades domésticas, casa & construção e máquinas e equipamentos. No dia 13, com o suporte da ApexBrasil, elas farão reuniões de negócios com 64 compradores de países sul-africanos, vindos de Moçambique (3), Tanzânia (3), Angola (2) e, especialmente, da África do Sul (56).  

Nos dias 14 e 15, os participantes visitarão mercados, estúdios e lojas de departamento em Joanesburgo e arredores, potencialmente interessados na importação dos produtos brasileiros. As visitas acontecerão em dois grupos paralelos - um com as empresas do setor de casa & construção e alimentos e outro com produtoras de alimentos e bebidas, plásticos e cosméticos. Builders Warehouse, African Craft Market, Woolworths e Makro são alguns dos estabelecimentos que receberão os grupos brasileiros.  

Volta à África

O aprofundamento das relações comerciais e diplomáticas com o continente africano é uma das prioridades da ApexBrasil, que em 2023 organizou missões à região em parceria com o Ministério das Relações Exteriores e outros órgãos do Executivo. Em junho, no marco da 15ª Cúpula dos BRICs, uma delegação da Agência esteve em Joanesburgo para uma série de agendas políticas e de negócios. No mesmo mês, também em Joanesburgo, foi realizado um encontro com as representações diplomáticas do Brasil em mais de 20 nações do continente.  

Já em agosto, a Agência promoveu o Fórum Econômico Angola Brasil, na capital Luanda, no âmbito da visita do presidente Lula ao país. Esforços como esses têm buscado retomar as vendas de produtos nacionais e ampliar as compras de produtos africanos em um período relativamente curto intervalo de tempo. A última participação da ApexBrasil nas feiras internacionais de Luanda (FILDA) e de Moçambique (FACIM), por exemplo, havia sido em 2017.

A volta do Brasil para o continente africano, especialmente para Angola, é algo que mexe com o sentimento e a alma brasileira. África e Brasil são complementares. O oceano não nos divide, mas nos une”, disse, à época, o presidente da ApexBrasil, Jorge Viana. “Temos uma oportunidade de reconstruir nossas relações diplomáticas, políticas e econômicas. Isso é estratégico para os nossos povos. Vamos prosperar juntos”, complementou Viana durante a abertura do Fórum Econômico Angola Brasil.  

Negócios e Investimentos

Em 2023, as exportações brasileiras para África bateram recorde histórico, alcançando US$ 13,2 bilhões. Em conjunto, os países africanos já são o quarto principal destino das exportações brasileiras, mas há espaço para ampliar e diversificar o comércio bilateral. A pauta exportadora do Brasil para o continente está concentrada em commodities, com destaque para produtos do complexo de alimentos e bebidas (como açúcar, milho, carnes de aves, soja, carne bovina e óleo de soja), para minério de ferro e para óleos combustíveis de petróleo.  

Além das commodities, veículos rodoviários aparecem entre os principais produtos exportados, sendo que suas vendas contribuíram para a expansão das exportações em 2023. Quanto aos destinos, Argélia (17,9%), Egito (17,6%), África do Sul (12,4%), Marrocos (9,4%) e Nigéria (7,4%) foram os principais compradores brasileiros no continente. Esses países representam quase dois terços do valor exportado no último ano, como aponta o Perfil de Comércio e Investimentos África, publicado pela ApexBrasil.  

O estudo também indica quais produtos brasileiros ampliaram sua participação no mercado, aqueles que perderam espaço, os principais concorrentes brasileiros e as mais de 6 mil oportunidades identificadas pelo Mapa de Oportunidades em diversos setores. Alguns destaques são combustíveis minerais (óleos brutos, óleos combustíveis e produtos residuais de petróleo); produtos alimentícios (açúcar, milho e carne e frango); e máquinas e equipamentos de transporte (zinco, ferroníquel, madeiras compensadas e papel).

O Perfil de Comércio e Investimentos África traz, ainda, uma análise das tendências de investimentos estrangeiros diretos (IED) entre Brasil e África. O estoque de IED da África no Brasil foi de US$ 2,3 bilhões em 2021, mostrando tendência de recuperação do estoque investido. Quanto aos investimentos greenfield anunciados, destacam-se a abertura do data center da Angola Cables em Fortaleza (CE), no valor estimado de US$ 135 milhões em 2019, e a expansão da fábrica da Aspen Pharmacare em Serra (ES), com valor estimado de US$ 97 milhões também em 2019.

Os investimentos brasileiros na África também mostram tendência de aumento nos últimos anos. Segundo o BCB, o estoque de IED brasileiro na África atingiu a posição de US$ 2,1 bilhões em 2022, sendo Angola (US$ 1,4 bilhão), Seychelles (US$ 262 milhões) e África do Sul (US$ 123 milhões) os principais destinos. Alguns investimentos anunciados por empresas brasileiras no continente chamam a atenção, como a fábrica de informática da Positivo em Kigali (Ruanda), estimada pela Orbis BvD em US$ 118 milhões.




Últimas Notícias

Notícias

© Copyright 2000-2014 Editora Bittencourt