sexta, 12 de agosto de 2022
26/04/2022 16:58

Carne suína produzida na Espanha está exposta à soja de desmatamento no Brasil, diz estudo


Um novo relatório divulgado hoje (26/4) mapeou as cadeias de suprimentos que conectam produtos feitos de carne de porco na Espanha ao provável desmatamento da Amazônia e do Cerrado para plantação de soja no Brasil. Os pesquisadores da Carro de Combate, uma organização socioambiental espanhola, rastrearam a soja - ingrediente-chave na alimentação animal - desde os portos brasileiros, passando pelos comerciantes globais de grãos e fabricantes de ração animal, até as fazendas espanholas. 
 
O Brasil fornece dois terços de toda a soja importada pelos espanhóis. Segundo o estudo, este grão responde por 15% a 25% dos componentes da alimentação de suínos. Em 2019, a Espanha era o quarto maior produtor de carne suína no mundo, atrás de China, EUA e Alemanha. Além do uso doméstico, sobretudo para a produção do tradicional jamón serrano, a carne de porco espanhola é em grande parte exportada, acessando boa parte dos mercados do Bloco Europeu.
 
Segundo o estudo, o desmatamento praticado no Brasil em conexão com a produção de soja pode estar contaminando, por meio da carne de porco da Espanha, diversas redes de supermercados e fabricantes de alimentos em outros mercados da Europa. 
 
"Esta pesquisa nos fala sobre o impacto ambiental no Brasil da ração e produtos suínos espanhóis e a perigosa perda de biodiversidade associada a ela. Não é apenas o desmatamento - é a destruição de animais, de comunidades, de rios", lamenta Ana Etchenique, vice-presidente da Confederação de Consumidores e Usuários da Espanha. 
 
“Como muitos consumidores espanhóis, quero que as empresas espanholas de carne atuem agora para tirar a soja do desmatamento de suas cadeias de abastecimento antes que seja tarde demais para lugares como o Cerrado", declara.
 
Mudança em projeto de lei
 
A União Europeia (UE) está atualmente debatendo se uma nova lei para impedir a importação de produtos ligados ao desmatamento deve ser expandida para incluir uma gama mais ampla de zonas úmidas, incluindo as savanas tropicais, como é o caso do Cerrado. Esta concepção tem a oposição de vários Estados-Membros e dos principais políticos conservadores no parlamento europeu. 
 
O bioma sul-americano é a savana mais biodiversa do planeta, com 5% das espécies do mundo, sendo também um importante estoque mundial de carbono e local de nascimento de 8 das 12 maiores bacias hidrográficas do Brasil. Este ecossistema está sendo destruído a um ritmo mais rápido do que o da Amazônia, e espera-se que a pressão sobre ele aumente, com a guerra na Ucrânia perturbando as cadeias de fornecimento de ração animal. 
 
"A lei de desmatamento da UE deve garantir que os alimentos europeus não destruam ecossistemas fundamentais como o Cerrado brasileiro", afirma a deputada verde italiana do Parlamento Europeu Rosa d'Amato. “Ao focar apenas na Amazônia ou no desmatamento que o país de origem considera ilegal, nossos alimentos continuarão financiando uma cadeia produtiva que condena nosso futuro."
 
"Precisamos de uma lei europeia para cadeias de abastecimento sem destruição de savanas, turfeiras e áreas úmidas, caso contrário, a pressão para dar lugar à expansão agrícola simplesmente mudará para estes ecossistemas, que têm um valor para a proteção do clima e da biodiversidade semelhante ao das florestas", afirma Delara Burkhardt, deputada social-democrata alemã do Parlamento Europeu e relatora do projeto de lei anti-desmatamento. 
 
 
 
Exportações espanholas de carne de porco para a Europa 2020
Principais estatísticas por país organizadas deste documento (valor das importações na tabela convertido em dólares)
• A França é o segundo maior importador mundial de carne suína da Espanha. Somente em 2020, o país importou quase 200.000 toneladas de carne suína espanhola, no valor de mais de 564 milhões de euros (564.491.076 euros).
• A Itália é o terceiro maior importador mundial de carne suína da Espanha. Somente em 2020, o país importou quase 165.000 toneladas de pigmento espanhol, no valor de mais de 350 milhões de euros (356.599.616 euros).
• O Reino Unido é o 10º maior importador de carne suína da Espanha. Em 2020, o país importou mais de 36.000 toneladas de carne suína espanhola, no valor de mais de £87 milhões (£87.495.587)
• A Alemanha é o 13º maior importador de carne suína da Espanha. Em 2020, o país importou mais de 28.000 toneladas de carne suína espanhola, no valor de mais de 91 milhões de euros (91.585.901 euros).
 
 
Principais exportadores espanhóis e principais marcas de exportação - Europa e Reino Unido
• El Pozo
Uma marca espanhola popular - de acordo com seu site 4 em cada 5 residências espanholas compram produtos de carne El Pozo. A empresa também exporta produtos de carne para 80 países ao redor do mundo, incluindo os estados membros da UE, o Reino Unido, EUA, Índia e Brasil (veja mapa). Suas exportações representam um quarto do faturamento da empresa de 1.392 milhões de euros em 2020.
 
As marcas mais populares incluem: Ibersol, El Pozo (incluindo El Pozo King, El Pozo Imperial, El Pozo Supreme, El Pozo Reserve etc.), Bienstar, Familia Artesana, Legado Ibérico, Uno Mas de la Familia, A Almirez Fuetec, Pavopozo, Pozofrio, Fussion.
• Grupo Campofrío Food
O faturamento do Campofrio Food Group foi de 2.169 milhões de euros em 2020. O Grupo Campofrio emprega 7.900 pessoas e está presente na Espanha. França, Bélgica, Holanda, Portugal, Alemanha, Itália, Reino Unido, Romênia e Estados Unidos. Comercializa seus produtos em cerca de 80 países em todo o mundo através de distribuidores independentes como a Fourucci Food (Itália) e o Grupo Aoste (França) e Caroli Foods (Europa Oriental).
 
As marcas do Campofrio Food Group incluem a Galiza, Ibero, Fud, Camelia, Campofrío, Sigma, Chen, La Chona, Longmont, Supremo, Sissi, Maestro e Primo. 
• Grupo Jorge
 
O Grupo Jorge é o segundo maior produtor de carne suína da Espanha e o maior exportador (ele representa 14% das exportações de carne suína). A maior parte de seu faturamento é proveniente de exportações (84%) para 75 países em todo o mundo. Seus principais mercados são a União Européia, Sérvia, China, Coréia, Japão, Cingapura, África do Sul e Canadá.
 
Ela vende seus produtos sob 50 marcas incluindo Fortune Pig, The Pink Pig, Le Porc Gourmet, Primacarne, PPS, Rivasam, Capa Negra, Campodulce, Azuaga.
 
• Coren
A Coren é uma cooperativa de cooperativas e produz carne de porco, aves, carne bovina e de coelho, bem como ovos. Suas marcas incluem Coren Grill e Lourinho. 
 
Seus mercados de exportação incluem a França, a Alemanha e o Reino Unido, onde seu principal produto Selecta Ham - produzido a partir de porcos alimentados com castanhas - é vendido através da Fortnum e Mason, o fornecedor de alimentos da Família Real Britânica e da Ocado - a maior cadeia de varejo de alimentos online do Reino Unido.



Últimas Notícias

Notícias

© Copyright 2000-2014 Editora Bittencourt