segunda, 21 de setembro de 2020
04/05/2020 16:15

Uso de aplicativos em negócios é uma tendência pós-quarentena

O novo cenário logístico será um dos temas abordados durante a edição 2020 da Logistique - Feira e Congresso de Logística e Negócios Multimodais de Cargas, de 1º a 3 de setembro, em Joinville. O evento vai reunir em um único espaço importantes players que formam as cadeias logística e de comércio exterior, prestadores de serviços e potenciais clientes para discutir e promover o setor.

A pandemia do novo coronavírus (Covid-19) que assola o planeta neste ano está revolucionando as formas de se fazer negócios, independente do segmento econômico. E parece que a tendência veio pra ficar, seja na forma de efetuar as compras mais simples, por meio de ferramentas de e-commerce, seja na formalização de grandes negócios. Isso abre boas perspectivas para empresas desenvolvedoras de soluções em tecnologia e também para as empresas que formam a cadeia logística da distribuição, que vêm o crescimento de outros nichos mercadológicos em detrimento do enfraquecimento de segmentos tradicionais.

Um claro exemplo dessa mudança no comportamento do empresariado em todo o mundo é o aumento de 86% no uso do Maersk App, com 130 mil transações de negócios online na última semana da quarentena global, representando um recorde para a maior companhia de logística integrada de contêineres do mundo. O App, que gerou R$ 108 bilhões [US$ 20 bilhões] de transações online em 2019 e é disponível para usuários de iOS e Android, registrava 70 mil transações por semana nas primeiras cinco semanas de 2020. Com a quarentena global, um recorde de clientes aderiu ao modelo de trabalho remoto por razões de segurança, e a demanda online bateu recorde na Maersk, divulgou a empresa.

“Estamos vendo um tremendo aumento de demanda no Maersk app celular”, diz Carsten Frank Olsen, Chefe de e-commerce da Maersk. “Os clientes estão utilizando o App cada vez mais para rastreamento de contêiner, cronograma de navios, chats ao vivo e taxas de frete de mercado em tempo real para clientes que dependem disso para manter o andamento dos seus produtos e negócios.”

A solução também registrou um aumento de pagamentos online via cartões de crédito e soluções de Smart Pay, com R$ 573 milhões [US$ 106 milhões] de pagamentos em 2020 até meados abril, versus R$ 2,27 bilhões [US$ 420 milhões] em 2019.

Em março, a Maersk lançou novas soluções digitais como o Maersk Delivery Order, permitindo a liberação de carga, e calculadora para taxas de imobilização portuária e de sobrestada, além de custos de armazenamento e pagamento online para liberação imediata de contêineres em portos ou depósitos.

Nos últimos três anos, a Maersk vem investindo cada vez mais em plataformas digitais para encontrar novas maneiras de simplificar o transporte de contêineres, economizar tempo, reduzir custos e aumentar a transparência para os clientes brasileiros que transportam mercadorias em todo o mundo. O setor de logística é impactado diariamente por uma sobrecarga de e-mails, telefonemas e processos complexos envolvendo documentos e liberações, aumentando os custos para as empresas.

Demanda online salta no Brasil

No Brasil, as reservas online através da plataforma Maersk Spot dobraram e ficaram acima de 75% de todo o volume de carga seca da Maersk na semana de 15 de abril. Esse volume representa o transporte de mais de 25 mil toneladas de produtos por semana.

Com o lançamento da Maersk Spot no fim de junho de 2019, os clientes puderam garantir preço de frete e reserva. A ferramenta possibilita aos clientes buscar e obter cotas competitivas online, 24 horas por dia. O preço integral é calculado e confirmado quando a reserva é feita instantaneamente. Essa dinâmica online de precificação fixada na hora da reserva cria uma transação que inclui a cotação e a confirmação, simplificando significativamente o processo de compras.

E-commerces

Desde o início do isolamento social, em decorrência da pandemia, milhões de brasileiros precisaram mudar suas rotinas. E diante deste cenário, diversas empresas, dos maios variados segmentos, encontraram uma oportunidade para impulsionar as vendas por meio do comércio eletrônico. Os índices de crescimento nas vendas online, em muitos casos, ultrapassam a marca de 70%. Seja nas vendas das gigantes do varejo, seja nos negócios de startups que vem registrando grande procura de serviços, em praticamente todos os setores, essenciais ou não.

Estudo divulgado na última semana pela plataforma de social commerce Promobit mostra que setores não essenciais também estão crescendo durante a pandemia. Além do aumento na busca por brinquedos e jogos online, perfumes e colônias também tiveram um acréscimo de 43,02% nas buscas neste período. Fabio Carneiro, cofundador da plataforma, vê esse cenário de muitas incertezas, tanto sobre o período de isolamento social, como sobre qual será a reação da economia frente a esse desafio.

“Alguns estudos apontam que estamos entrando em uma época em que uma parte das pessoas vão focar em consumir itens essenciais, como comida e itens para saúde, mas por outro lado, a necessidade de estar mais tempo em casa, faz com que aumente os gastos com entretenimento”, diz.

De acordo com a Associação Brasileira de Comércio Eletrônico (ABComm), as vendas online apresentaram um aumento de 180% em transações nas últimas semanas. Em São Paulo, por exemplo, os hábitos dos consumidores mudaram e, em consequência do isolamento social, o comércio online atingiu novos patamares no Brasil.

Em relatório sobre o primeiro trimestre do varejo digital do Brasil, o Compre&Confie mostra que o e-commerce cresceu de forma significativa no período, enquanto o coronavírus se alastrava pelo mundo. O faturamento atingiu R$ 20,4 bilhões, representando uma alta de 26,7% em relação ao mesmo período do ano passado.

“A Covid-19 já provoca mudanças estruturais no hábito dos consumidores de varejo digital. Cada vez mais pessoas optam por adquirir pela internet itens de necessidade básica, como produtos de supermercado ou de farmácia”, explica André Dias, diretor executivo do Compre&Confie.

Grandes varejistas também estão vendo suas vendas crescerem de forma exponencial. O relatório de Desempenho de Vendas do GPA, mostra uma alta de 15% nas vendas do Grupo, que atingiu R$ 21,6 bilhões de faturamento no trimestre. O e-commerce alimentar cresceu 80%.

Logística precisa ser repensada

Sem sombra de dúvidas este é o momento onde todos precisam se reinventar e agregar valor na decisão de compra do cliente, não entregar somente produtos, mas entregar uma experiência de compra. Aí entra o papel fundamental da logística, que precisa ser otimizada e adequada a essa nova realidade.

Esse novo cenário logístico será um dos temas abordados durante a edição 2020 da Logistique - Feira e Congresso de Logística e Negócios Multimodais de Cargas, de 1º a 3 de setembro, em Joinville. O evento vai reunir em um único espaço importantes players que formam as cadeias logística e de comércio exterior, prestadores de serviços e potenciais clientes para discutir e promover o setor, por meio da maior feira do setor logístico do Sul do Brasil, no Congresso Técnico e demais programação paralela. 




Últimas Notícias

Notícias

© Copyright 2000-2014 Editora Bittencourt