sábado, 30 de maio de 2020
24/01/2020 06:52

O primeiro navio de suprimento com combustível de amônia sem carbono do mundo está na prancheta

A pesquisa de amônia sobre a Viking Energy possui um orçamento total de NOK 230 milhões, parte substancial da qual é financiada pela UE

A Equinor assinou um acordo com a Eidesvik Offshore para a modificação da embarcação de fornecimento de energia da Viking Energy, para torná-la capaz de cobrir longas distâncias alimentadas por amônia livre de carbono. O navio transportará suprimentos para as instalações na plataforma continental norueguesa (NCS).

A Equinor concedeu à Eidesvik Offshore um contrato de cinco anos com vigência a partir de abril de 2020, quando o contrato atual expirar. A embarcação de fornecimento da Viking Energy fará parte de um projeto de pesquisa, desenvolvendo, instalando e testando a navegação de longa distância alimentada por células a combustível de amônia sem carbono. A tecnologia será testada no navio a partir de 2024.

“A Equinor tem como objetivo reduzir as emissões em nossa cadeia de suprimentos e considera o uso de amônia como uma solução promissora. A Viking Energy pode se tornar a primeira embarcação de suprimento do mundo a cobrir longas distâncias alimentadas por amônia pura sem carbono ”, diz Cecilie Rønning, vice-presidente sênior de suporte às operações conjuntas da Equinor.

Juntamente com os parceiros da Konkraft, a Equinor lançou no início deste ano uma ambição conjunta de reduzir as emissões de gases de efeito estufa das operações de petróleo e gás na Noruega em 40% até 2030 e para quase zero em 2050.

O projeto testará se a tecnologia pode fornecer 100% de energia livre de carbono em longas distâncias.

De acordo com os planos do projeto, a amônia atenderá de 60 a 70% da demanda de energia a bordo por um período de teste de um ano. A Viking Energy ainda poderá usar o GNL como combustível, e o requisito de energia restante será atendido por bateria.

A Equinor faz parte do projeto europeu de inovação ShipFC, um consórcio de 14 empresas e instituições europeias coordenadas pela NCE Maritime Cleantech.

Os principais parceiros do projeto de pesquisa de cinco anos são NCE Maritime Cleantech, Eidesvik Offshore, Wärtsilä, Prototech e Equinor. A Wärtsilä fornecerá a tecnologia de energia e os sistemas de armazenamento e distribuição de amônia. A Prototech entregará o sistema de célula de combustível.

“Se resolvermos isso, a indústria naval utilizará pela primeira vez um combustível que não gera emissões durante a combustão. Ainda resta muito trabalho, mas a Equinor contribuirá tanto para o desenvolvimento da tecnologia quanto como cliente. Nunca usamos combustível sem carbono em um grande navio sem ansiedade de alcance ”, diz Henriette Undrum, chefe de futuras cadeias de valor da Equinor.

A pesquisa de amônia sobre a Viking Energy possui um orçamento total de NOK 230 milhões, parte substancial da qual é financiada pela UE. Os parceiros também mantêm um bom diálogo com a Innovasjon Norge e a Enova sobre possíveis financiamentos adicionais do projeto.

Desde o início dos anos 2000, a Equinor abordou proativamente maneiras de reduzir as emissões de navios de abastecimento no NCS. A Viking Energy foi a primeira embarcação movida a GNL da frota da Equinor em 2003 e a primeira embarcação com bateria híbrida em 2016.

A energia híbrida da bateria e a energia da costa agora fazem parte dos requisitos para todos os navios de fornecimento que assinam contratos de longo prazo com a Equinor.

Durante 2020, todas as 19 embarcações de suprimento com contratos de longo prazo com a Equinor terão bateria e energia da costa. Os navios movidos a amônia serão um novo passo na direção certa nos esforços para reduzir a pegada de carbono das operações marítimas. Com informações da Portos e Navios




Últimas Notícias

Notícias

© Copyright 2000-2014 Editora Bittencourt