quinta, 17 de outubro de 2019
25/04/2018 17:05

Embraco é vendida para grupo japonês

Nidec Corporation comprou indústria de Joinville por U$ 1 bilhão

O mercado global registrou nesta terça-feira (24) uma das maiores transações de compra e venda do ano. O negócio de mais de R$ 3,4 bilhões envolve uma empresa que nasceu em Joinville, no Norte catarinense, a Embraco, vendida para um grupo japonês que passa a ser dono de todas as fábricas no Brasil, China, Eslováquia e México e dos escritórios nos Estados Unidos e na Rússia, como mostrou o NSC Notícias.

A negociação durou meses e foi fechada nessa madrugada. Mas a Embraco não era mais brasileira. Ela foi fundada em 1971 em Joinville, mas em 1997 foi vendida pro grupo Whirpool, que é americano, e também tem fábrica na cidade e produz eletrodomésticos.

A Embraco é líder mundial em compressores pra refrigeradores. Um compressor é como se fosse o coração de um sistema de refrigeração, altera a temperatura do equipamento. Entre as principais aplicações estão as geladeiras.

A empresa pode produzir até 40 milhões de compressores por ano e tem 11 mil funcionários pelo mundo, sendo que quase a metade fica no Brasil. São cinco mil funcionários nas unidades de Joinville e Itaiópolis, também no Norte.

Para a Associação Empresarial de Joinville (Acij), a venda da Embraco é uma mudança de controle acionário, em princípio sem causar grandes mudanças.

"Como muda controlador, com o tempo vai implantar sua cultura, sua forma de agir, de pensar. Mas não existe uma outra planta da Embraco onde o comprador pudesse fazer sinergia, cortando custas e demitindo pessoas, e tal", disse João Martinelli, vice-presidente da Acij.

Para o sindicato que representa os funcionários, a expectativa é positiva. A categoria acredita em expansão de produção, com mais contratações. No ano passado, a Embraco exportou pra mais de 80 países e atingiu um consolidado de vendas de US$ 1,3 bilhão.

A empresa que comprou é a japonesa Nidec, que produz principalmente motores e tem investido mais no mercado de eletrodomésticos. Para a venda da Embraco ser consolidada ainda é preciso a sanção de autoridades regulatórias brasileiras e de outros países. A expectativa é que a transação leve um ano pra ser concluída.




Últimas Notícias

Notícias

© Copyright 2000-2014 Editora Bittencourt