sexta, 22 de janeiro de 2021
15/01/2021

Empresa oferece o repatriamento de viajantes infectados por COVID-19 que estiverem no exterior


A pandemia paralisou o setor de viagens com proibições, restrições e cancelamentos de voos e hospedagens. Agora, com as campanhas de vacinação sendo iniciadas em diversos países, muitos viajantes, seja a lazer ou a negócios, planejam retomar o seu estilo de vida, mas ainda com muito receio de contrair o Covid-19. Para Ross Thompson, CEO e fundador da Covac Global, uma seguradora que organiza a repatriação privada dos seus associados, “os desafios são profundos e o próximo obstáculo é o medo de contrair o vírus ao viajar e ficar preso em quarentena por semanas ou hospitalizado em outro país”.

Se o viajante manifestar os sintomas ou se tiver um teste positivo para a doença enquanto estiver no exterior, ele não poderá embarcar em um voo comercial de volta para casa.  A única alternativa é fazer uma quarentena e, se precisar de tratamento médico, recorrer à disponibilidade dos serviços médicos locais. Os seguros de viagens tradicionais cobrirão as despesas médicas no país de destino e poderão até incluir um traslado com jatinho, mas somente para o hospital mais próximo. Os serviços médicos de transporte aéreo não atendem pacientes infectados com o Covid-19.

A Covac Global atua nas lacunas deixadas por outras seguradoras, especificamente em programas de proteção voltados a doenças contagiosas ou relacionadas a pandemias. A empresa afirma fazer o que outras não podem ou não querem. Com relação ao Covid-19, basta um diagnóstico positivo para acionar a cobertura, sem outros requisitos médicos ou de hospitalização associados. A COVAC GLOBAL providencia e cobre o custo de uma aeronave particular para levar o viajante à sua cidade de origem. O único segmento de viagem não atendido pela cobertura do seguro é o de cruzeiros, considerado ambiente de alto risco. Os seguros individuais estão cotados em USD 995 para 30 dias de viagem dentro de um ano, com outras opções para 60 dias e 90 dias de cobertura. Seguros familiares e corporativos também estão disponíveis.

“A empresa é uma virada de jogo nestes tempos de coronavírus”, diz Ross Thompson. “Nosso programa oferece a tranquilidade de saber que você pode deixar um país mesmo depois de começar a se sentir mal. A proposta é levá-lo para casa antes que precise ir a um hospital. Queremos ser capazes de evitar todo esse processo de hospitalização em outro país”.

Thompson traz na bagagem a experiência em serviços de inteligência e gerenciamento de crises, enquanto que sua equipe é formada por médicos especialistas e veteranos do FBI e de operações especiais militares dos EUA, incluindo sequestros e resgates. A ideia de criar a Covac Global surgiu quando Thompson temeu ficar preso em seu local de trabalho na Cidade do México, sem conseguir chegar a sua casa em Palm Beach, Flórida, no início do Covid-19. Agora, ele oferece a possibilidade de repatriamento aos seus associados.

www.covacglobal.com



Blog

Afrouxados os cintos

Esse aumento na arrecadação fez com que a administração optasse por suspender o decreto de emergência financeira, válido desde junho do ano passado e que determinava a redução dos gastos públicos em Itajaí. No entanto, duas ações, fundamentais para o enxugamento da máquina pública, não foram cumpridas: a reforma administrativa e a revisão no número de comissionados.

Em contrapartida, segundo analistas da comunidade “Itajaí em Números”, 2017 foi o pior ano da história de Itajaí com relação a investimentos. O estudo foi feito com base nos dados do Portal da Transparência da Prefeitura de Itajaí.

No total do ano, as despesas foram de R$ 1.015.259.281,45 (um bilhão, quinze milhões, duzentos e cinquenta e nove mil, duzentos e oitenta e um reais e quarenta e cinco centavos). Deste total, foram destinados a investimentos na cidade apenas R$ 27.281.328,82 (vinte e sete milhões, duzentos e oitenta e um mil, trezentos e vinte e oito reais e oitenta e dois centavos), o que equivale a apenas 2,69% de tudo o que a Prefeitura pagou no ano passado.

É o menor nível de investimentos da história, mesmo com o aumento de receita. Em compensação, os gastos com pessoal e encargos sociais explodiram e já chegam a 55% de tudo o que o município gasta.

 

 

 

Cresce a arrecadação de Itajaí

A administração municipal comemora o aumento de 13% na arrecadação do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) em 2017. Os índices foram divulgados pela Secretaria da Fazenda de Itajaí na última semana e representam um avanço significativo depois de dois anos de baixa arrecadação. Em 2015, quando o porto perdeu metade da movimentação a partir do segundo semestre, o imposto fechou com redução de 0,8%. Já em 2016, com a economia em baixa, o crescimento de apenas 2,5%.

O retorno da Linha Ásia – que havia migrado para Navegantes – para o Porto de Itajaí, o avanço nas exportações que passaram pela cadeia logística local e uma maior disposição para os gastos no comércio alavancaram esse aumento na arrecadação do ICMS, corresponde a 35% da arrecadação municipal.

A arrecadação total do município também cresceu dois dígitos: 16%. Isso pode ser creditado também à arrecadação do Imposto Predial e Territorial Urbano (IPTU), cuja inadimplência passou de 50%, em 2016, para 28% em 2017.

O contribuinte que tinha dívidas com o município também buscou regularizar sua situação. O Refis, que termina em fevereiro, já arrecadou R$ 28 milhões. A meta, que era de R$ 20 milhões, foi alcançada no início de dezembro.

 

Secretaria da Infraestrutura se manifesta sobre o aditivo para a continuidade das obras dos novos acessos aquaviários do Complexo Portuário do Itajaí

Em nota, a Secretaria de Estado da Infraestrutura se manifesta sobre a possível paralisação da sobras dos acessos aquaviários do Complexo Portuário do Itajaí:

“Em relação às obras dos novos acessos aquaviários (nova bacia de evolução e adequações nos canais interno e externo) do Complexo Portuário do Itajaí, a Secretaria de Estado da Infraestrutura informa que o termo aditivo proposto, no valor de R$ 25 milhões para a conclusão do projeto, continua em análise pelo Governo do Estado. Não existe decisão tomada pela paralisação das obras em razão da não assinatura do aditivo até o final deste mês. O assunto está sendo tratado pelo governo com a máxima atenção, de modo que seja encaminhada em breve uma solução para o caso.”

Com a palavra o fiscal da obra, engenheiro Ivan Amaral, do quadro da Secretaria de Estado da Infraestrutura.

Obras da bacia de evolução podem parar

Passada a parada de final e ano e agora com as atividades em dia, o Blog da Redação volta com força total. E abrimos o ano de 2018 com uma notícia nada boa para a atividade portuária de Itajaí e região e o tema é recorrente: os novos acessos do Complexo Portuário do Itajaí.

Como este blog já publicou em primeira mão no ano passado, a continuidade das obras dos novos acessos aquaviários (nova bacia de evolução e adequações nos canais interno e externo) do Complexo Portuário do Itajaí está vinculada a assinatura de um termo aditivo no valor de R$ 25 milhões pelo Governo do Estado. Os recursos já estão autorizados pelo Banco de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) desde o segundo semestre de 2018. No entanto, a aplicação destes recursos na obra dependem da vontade política do governador Raimundo Colombo.

O engenheiro Ivan Amaral, do quadro da Secretaria de Estado da Infraestrutura e fiscal da execução da obra, é enfático ao afirmar que, ou o governo do Estado assina o aditivo ainda neste mês, ou a obra paralisa, ou seja, Raimundo Colombo tem dez dias para resolver um problema que se arrasta há meses.

O valor a ser aditivado é pertinente às condicionantes ambientais exigidas pela Fundação do Meio Ambiente (Fatma), que engloba os molhes dos pescadores e da Marina de Itajaí. Isso porque o governo federal não liberou os recursos para a segunda fase da obra, que seria realizada simultaneamente à primeira e alargaria o canal para 200 metros e prolongaria a extensão do molhe.

A assessoria de Colombo foi acionada, mas ainda não se manifestou com relação ao assunto.

© Copyright 2000-2014 Editora Bittencourt