domingo, 16 de dezembro de 2018
04/06/2018

Itajaí pode iniciar operações com veículos no próximo sábado, 09


A APM Terminals Itajaí pode operar no sábado, 09, uma escala teste para importações de carros da General Motors que foram embarcados no México. A superintendência do Porto de Itajaí ainda não se manifestou sobre a operação. No entanto, segundo informações extraoficiais, serão desembarcados na cidade aproximadamente mil automóveis de alto valor agregado. Entre eles o modelo Camaro.

A vinda dessas operações para Santa Catarina vem sendo negociada já há certo tempo pelo Governo do Estado, que trata o tema com certo sigilo. No entanto, sabe-se já que são importações que até então entravam no País pelo porto de Rio Grande e foram transferidas para o SC devido aos incentivos ficais oferecidos. O fato da APM Group, controlador da APM Terminals Itajaí operar carros da GM em outros portos do mundo, também teria pesado na escolha por Itajaí.

O Estado não informou o valor que essas importações devem gerar em impostos após o período de vigência dos incentivos fiscais, mas acredita-se que somente em ICMS os valores arrecadados devem ultrapassar 13 dígitos até 2021.

Pendências

Já está definido que as operações serão realizadas no berço 3 pela APM Terminals, que também vem sondando junto ao mercado imobiliário a possibilidade da locação de áreas para serem utilizadas para armazenagem de veículos próximas ao porto. A definição deve ocorrer ainda nesta semana.

Outras pendências são relacionadas aos acertos com a mão de obra. Já estão definidas as composições das equipes, mas ainda não estão definidos os valores a serem pagos aos trabalhadores. Essa definição deve ocorrer até a quinta-feira.

A atracação do navio que trará os veículos para Itajaí também não consta nos sites do porto e nem da praticagem.

Porto de Itajaí se manifesta

A Superintendência do Porto de Itajaí informa que a primeira atracação deve ocorrer no berço 2 e, as seguintes, aí sim no berço 3, inaugurado em dezembro do ano passado. Isso porque ainda falta a colocação de dois jogos de cabeços no cais, o que deve ocorrer em junho. Com relação a armazenagem, os veículos deverão ficar em área do porto, denominado Recinto Alfandegado Contíguo.

Também há possibilidade de atrasos na escala, uma vez que entre o México e Itajaí, o navio atracou na Argentina.



Blog

Primeira loja própria da Western Union® em SC é no Balneário Shopping

A Western Union, líder em serviços globais de pagamento, inaugurou sua primeira loja própria de Santa Catarina, no Balneário Shopping. A unidade oferece os serviços de câmbio de moedas, cartão pré-pago de viagem — que permite o uso de até seis moedas diferentes no mesmo cartão — e o envio e recebimento de transferências de dinheiro para mais de 200 países e territórios. A iniciativa faz parte da estratégia de crescimento da empresa na região.

A empresa atua no Brasil há 20 anos, com mais de 13 mil pontos de atendimento. A Corretora de Câmbio Western Union é considerada a maior no mercado primário por volume (excluindo interbancário), segundo o ranking das instituições financeiras do Banco Central.

Allog International amplia em 55% o volume de exportações marítimas

O volume de exportações pelo modal marítimo da catarinense Allog International Transports cresceu 55% em 2016 em comparação ao ano anterior. O índice registrado pela empresa é bem superior aos 7,26% de crescimento das exportações marítimas nacionais no mesmo ano, segundo base de dados da Agência Nacional de Transportes Aquaviários (Antaq). Com a dinamização do setor exportador brasileiro favorecido pelo câmbio, a empresa concentrou esforços no planejamento estratégico da organização para atender a este tipo de negócio e conquistou clientes importantes.

De acordo com o Diretor de Operações da Allog, Rodrigo Hauck, em tempos de retração do mercado interno, a exportação também tem sido o caminho encontrado por algumas empresas brasileiras para driblar o mau momento da economia, o que impulsionou os negócios da Allog International. Inclusive, o peso das vendas externas deve se manter significativo para os negócios da companhia em 2017. Hauck explica que a previsão é manter os índices de crescimento na casa dos dois dígitos. Os produtos que mais impulsionaram os negócios da Allog no ano passado foram os commodities. 

Italianos visitam a Azimut de Itajaí

O embaixador da Itália no Brasil Antônio Bernardini, e o cônsul geral da Itália no Paraná e Santa Catarina Enrico Mora estiveram na fábrica da Azimut Yachts em Itajaí na tarde de ontem, 28, para conhecer a única unidade de produção do Grupo italiano Azimut-Benetti fora da Itália. A visita que foi coordenada pela Câmara Italiana de Comércio e Indústria de Santa Catarina teve como objetivo estreitar o relacionamento das autoridades com o estaleiro por se tratar de uma empresa italiana sediada no Brasil. Eles conheceram de perto o processo produtivo dentro da fábrica e foram recepcionados pelo CEO da Azimut do Brasil Davide Breviglieri juntamente com o diretor comercial Francesco Caputo e o diretor industrial Roberto Paião.

Última hora

O gabinete do prefeito Volnei Morastoni informou que chegou ao fim a greve dos caminhoneiros autônomos de Itajaí, que teve 27 dias de paralisação. A assinatura do acordo entre as entidades de classe será hoje, 29, às 18h. Segundo a Secretaria de Comunicação da Prefeitura de Itajaí, as reuniões foram intermediadas pelo Município, por meio da Superintendência do Porto, e resultaram no acordo que prevê reajuste de 15%. 

Paralisação de motoristas impacta nas operações portuárias

Os transportadores autônomos de contêineres que atuam nos portos de Itajaí, Navegantes, Itapoá e Imbituba continuam de braços cruzados a espera de uma definição com relação às reivindicações da categoria. E isso impacta diretamente nas operações portuárias. Embora a Autoridade Portuária ainda não tenha divulgado números oficiais do Complexo, praticamente não houve movimentação de caminhões no Porto de Itajaí e APM Terminals nesta quarta-feira, informou o assessor de da Superintendência do Porto de Itajaí, Heder Cassiano Moritz.

Segundo informações de operador portuário que atua na margem direita, o Porto de Itajaí amarga uma retração de 53% desde o início da greve. Inclusive, o movimento foi intensificado nos últimos dois dias, depois que o operador perdeu o apoio da polícia na condução dos comboios, o que deixa a situação ainda mais preocupante. Cargas estão migrando para outros portos.

O terminal privado Portonave, em Navegantes, informou que está acompanhando o movimento, mas que ainda é prematuro falar em números.

A real situação virá à tona na primeira semana de abril, com a divulgação das estatísticas de março pela Autoridade Portuária. A expectativa é de que ocorra um recuo significativo nas exportações, gerado pela greve dos motoristas, associada aos impactos da “operação carne fraca”.

 

Operações de granéis dividem opiniões em Itajaí

A audiência pública realizada na noite de ontem (27) na Câmara de Vereadores de Itajaí, para discutir os prós e contras das operações com cargas a granel no Porto de Itajaí, dividiu opiniões.

Entre as justificativas apresentadas pelo superintendente do Porto, Marcelo Werner Salles estiveram a obrigatoriedade legal de operações com todos os tipos de cargas e o compromisso dos gestores na retomada da economia decorrente da atividade portuária com a ocupação dos berços 3 e 4.

Segundo Salles, como Porto Público, Itajaí tem obrigação legal e social de operar qualquer tipo de carga, inclusive, granéis sólidos. O gestor informou que Itajaí está licenciado pelos órgãos ambientais para operar esse tipo de carga.

O superintendente ainda disse que nos quase de 30 anos de gestão portuária que acumula em Itajaí já viu muita carga a granel passar por nosso cais. Entre alguns exemplos citados estão carregamentos de sal, açúcar demerara, trigo, milho, fertilizantes e sorgo. Cargas que, se somadas todas as operações, resultaram em mais de 2 bilhões de toneladas.

Trajeto específico

Marcelo Salles garantiu que todo o processo de exportação do soja vem sendo estudado junto ao órgãos municipais e que o impacto ambiental será o menor possível. Ele explicou que será montado um terminal no Posto Irmãos Dalçóquio, nas proximidades do trevo de acesso a Itajaí, e as cargas somente serão transferidas para o porto em horários específicos e por rota preestabelecida. Todas as operações serão acompanhadas pela Coordenadoria de Trânsito (Codetran) e também serão intensificados os procedimentos de limpeza das respectivas vias, como forma de mitigar o impacto gerado pelo transporte de grãos.

Mas foram muitos os questionamentos com relação a sujeira que esse tipo de operação possa causar na cidade. Inclusive com o exemplo de Paranaguá, que não é dos melhores, citado algumas vezes.

Operador garante eficiência e menor impacto

O empresário Francisco Ramos, da ZMW Operações Portuárias, que pretende trazer as operações com soja para Itajaí, garantiu que o impacto será mínimo e que a empresa deve investir cerca de R$ 100 milhões para a viabilização. Os recursos serão aplicados na construção de silos e instalação de ship loader no berço 4.

Segundo Ramos, no centro da cidade as operações ocorrerão apenas nas áreas hoje da Valeport e no Recinto Alfandegado Contíguo (RAC), área primária do Porto. Já o acesso de caminhões carregados de grãos se dará de oito em oito, o que não deve interferir no tráfego de veículos na cidade. A previsão é que sejam operado entre 250 e 300 caminhões por dia, perfazendo de 31 a 38 viagens.

As operações devem somar 1 milhão de toneladas no primeiro ano, chegando a 3 milhões de toneladas. Para comprovar sua expertise nesse tipo de operação, Ramos garantiu que movimenta 7,7 milhões de tonelada/ano no Porto de São Francisco do Sul.

Retrocesso

Entre muitas outras manifestações contrárias, o presidente da Associação Empresarial de Itajaí (ACII) e do Sindicato das Agências Marítimas de SC, Eclésio Silva, se colocou totalmente contra as operações de graneis em Itajaí. Silva diz que o que a Autoridade Portuária precisa é ocupar também os berços 3 e 4 com cargas conteinerizadas. Segundo ele, voltar para o granel é retrocesso. Opinião comungada por muitos trabalhadores portuários, motoristas e operadores marítimos.

Aproveitando a oportunidade

O evento realizado pelos vereadores também serviu de cenário para muitas manifestações não relacionadas ao propósito específico, que era discutir as operações com graneis na cidade.

Um dos exemplo foi o executivo Amilton Rocha, da APM Terminals, que foi uma das três pessoas que teve mais tempo para se manifestar e a única coisa que falou relacionada ao assunto durante toda a sua apresentação foi que a empresa não se opõe a esse tipo de operação, mas deixou claro que a APMT tem interesse na utilização da retroárea dos berços 3 e 4.

Durante praticamente todo o tempo de sua exposição Rocha falou da global APMT como um todo, da extensão do arrendamento da APMT em Itajaí, das cargas que perdeu para a Portonave e dos investimentos programados pela empresa para a cidade, mas atrelados ao parecer positivo da ampliação do prazo de arrendamento. Perém, sempre destacando a superioridade das cargas conteinerizadas em termos de valor agregado e geração de receitas.

De tudo um pouco

Enquanto no mezanino do Plenário os motoristas autônomos reivindicavam melhores preços para os transportes em Itajaí por meio de faixas e cartazes, no plenário trabalhadores portuários, transportadores, sindicalistas e usuários bombardearam alguns membros da mesa de trabalhos.

Foram vítimas da ira dos presentes o deputado federal Mauro Mariani pelo fato de ser do partido do prefeito e presidente da República e o Porto de Itajaí estar “sem ver navios” por falta de investimentos federais -mas mesmo assim não perdeu a oportunidade de fazer seu marketing pessoal - e o empresário Francisco Ramos, por ter feito parte da “Operação Influenza”, ação da Polícia Federal que investigou atos ilícitos no Porto de Itajaí na antiga gestão do prefeito Volnei Morastoni. Amilton Rocha foi vítima da metralhadora dos trabalhadores portuários porque o armador Maersk, do mesmo controlador da APMT, opera na Portonave, hoje principal concorrente do Porto de Itajaí.

As operações com soja foram também taxadas como interesse de poucos, principalmente daqueles de advogam em causa própria, pois só farão mal à cidade. Colocação que gerou a irritação de algumas pessoas e arrancou aplausos da plateia. 

Descontentamento

O descontentamento dos motoristas autônomos com a Autoridade Portuária de Itajaí e com a ZMW Operações Portuárias ficou bastante claro na noite de ontem quando representantes da categoria vaiaram e ofenderam Marcelo Salles e Francisco Ramos em algumas de suas respostas.

Vale ressaltar que existe o direito de expressão, mas é necessário um mínimo de educação e respeito. Coisas que faltaram para os representantes dos motoristas presentes na audiência pública.

Também falhou a moderação dos organizadores com relação aos temas abordados. A audiência pública mais pereceu uma reunião do sindicato dos motoristas autônomos que um debate relacionado às operações com graneis, no caso o soja.

MTPAC disponibiliza nova página de concessões
O Ministério dos Transportes, Portos e Aviação Civil tem uma nova página de concessões que traz informações a respeito dos projetos de Rodovias, Ferrovias, Portos e Aeroportos que estão sob a gestão da Pasta. A publicação está disponível a partir desta terça-feira (28), no endereço: http://www.transportes.gov.br/mapa-concessoes.html 
A proposta foi reunir os empreendimentos concedidos para iniciativa privada que estavam sob a gerência da Secretaria de Portos, Secretaria de Aviação Civil e do Ministério dos Transportes, e colocá-los num ambiente único para facilitar a consulta por parte do setor produtivo, imprensa e população.
 
Audiência Pública

Empresários que propõem operar soja não transgênica nos berços 3 e 4 do Porto de Itajaí, representantes da arrendatária APM Terminals e da superintendência do Porto de Itajaí discutem na noite de hoje os prós e contras da movimentação de cargas a granel nos berços públicos do porto.

A audiência pública foi proposta pelo vereador Robison Coelho, que é também trabalhador portuário há cerca de 20 anos, e tem seu início previsto para as 18h30, na Câmara de Vereadores de Itajaí. Para quem quiser acompanhar os desdobramentos da reunião sem sair de casa pode acessar www.cvi.sc.gov.br, pois a audiência será transmitida ao vivo pela TV Câmara e pelo canal do Legislativo no Youtube.

Agora, mais uma vez volto a afirmar: uma coisa de cada vez. Hoje o mais importante é a conclusão dos dois berços, cuja obra está paralisada desde o ano passado pela morosidade das decisões em Brasília. Que tal as forças políticas serem, primeiramente, canalizadas para esse fim ...

Vereadores discutem futuro do Porto de Itajaí

A Câmara de Vereadores de Itajaí está convidando a comunidade em geral para a uma audiência Pública na noite de segunda-feira, 27, para discutir a futura ocupação dos berços 3 e 4 do Porto de Itajaí e a utilização dos mesmos para movimentação de cargas a granel, mais especificamente, embarques de soja não transgênica.

A utilização para esse fim, segundo informações técnicas do segmento portuário, poderia agregar uma movimentação de 60 mil toneladas por mês ao volume operado pelo Porto de Itajaí. As cargas viriam de caminhão pela rodovia BR 101, onde seria instalado um pátio de triagem, e depois acondicionadas em um pátio coberto na área portuária. Os carregamentos seriam feitos com a utilização de grabes e guindastes mobile harbour crane (MHC) em navios graneleiros.

Essas operações seriam limpas, ampliariam em até 30% as operações na margem direita e melhorariam a saúde financeira do porto, além de movimentar a cadeia logística, garantindo trabalho para a mão de obra avulsa e um aumento significativo no Imposto Sobre Serviços (ISS) da cidade.

Opiniões divididas

O atual gestor do Porto de Itajaí defende, não é de hoje, a utilização dos berços para essas operações. Marcelo Salles, que conhece como poucos a realidade do porto e os problemas financeiros que a autarquia acumula desde 2008, quando teve dois de seus berços arrastados pelo rio Itajaí-Açu e desde então nunca mais voltou a operar em plena capacidade, sabe o bem que os recursos provenientes dessas operações fariam para o caixa da SPI.

Mas como sempre e em todos os lugares, tem a turma do contra. Aqueles que acham mais importante uma cidade impecavelmente limpa que um porto eficiente e que a saúde financeira do município, que tem cerca de 70% de sua economia atrelada direta e indiretamente a atividade portuária.

Tem ainda a posição do prefeito Volnei Morastoni, que não é abertamente a favor das operações com soja, mas nunca escondeu que pretende abrir os berços 3 e 4 à operação de carga geral não conteinerizada. Entra aí a possível vinda dos grãos para o Porto de Itajaí, já ensaiada no governo anterior.

Prioridades para Itajaí

É inegável que o Porto de Itajaí precisa incrementar a movimentação após ter perdido metade das linhas, em 2015, assim como é inegável que as operações com graneis podem impactar no derramamento de grãos pela cidade, atrapalhar o já caótico trânsito de Itajaí e também tirar o lugar de outras cargas bem mais rentáveis na área primária do porto, como automóveis, por exemplo. Mas o momento é esse o tipo de carga que pode-se trazer para cá.

Porém, muito mais importante que discutir a futura utilização dos berços é a união de forças políticas para que os mesmos sejam concluídos. As obras iniciaram em 2014 e deveriam estar operando em julho do ano seguinte. Mas até hoje não estão aptas ao uso.

Sofreram atrasos por falta de pagamento pelo governo federal, por problemas de ordem técnicas e foram paralisadas no ano passado. Em janeiro o ministro dos Transportes, Portos e Aviação Civil Maurício Quintella Lessa visitou as obras e estipulou prazos para a conclusão dos dois berços. Só que desde então nada mudou, ou seja, as obras continuam iguais a quando a empreiteira Serveng as paralisou.

Cada coisa a seu tempo. Não adianta a definição da ocupação dos berços se eles sequer podem ser utilizados.

 

Motoristas paralisam novamente nos portos do estado

Depois de uma trégua de aproximadamente uma semana, os transportadores autônomos de contêineres que atuam nos portos de Itajaí, Navegantes, Itapoá e Imbituba voltaram a cruzar os braços. Insatisfeitos com a falta de definição por parte das empresas contratantes, querem retomar as negociações e exigem pelo menos 20% de aumento no preço do frete. Nas cidades de Itajaí e Navegantes a adesão é quase que total.

Os filiados ao Sintracon, sindicato que representa a categoria, garantem que o reajuste proposto pelos contratantes dos serviços ficou muito aquém do necessário para cobrir o custo. De acordo com a planilha apresentada pelos caminhoneiros ao trade portuário, seriam necessários pelo menos R$ 154 para cobrir os custos de um frete de 16 quilômetros. Hoje o valor pago é R$ 90.

Os operadores alegam que o modelo de reajuste que os caminhoneiros pedem configura cartel e é ilegal. Apesar disso, concordaram em subir de 13% a 15% o valor do transporte.

Portos devem sentir o impacto da operação “carne fraca”

Os cancelamentos ou restrições às compras de carnes brasileiras pela União Europeia, China, Coreia do Sul e Chile, mesmo que temporárias, deve impactar significativamente nos números de março das exportações dos portos catarinenses, mais especificamente, dos portos e terminais que formam o Complexo Portuário do Itajaí-Açu e do terminal de uso privado Porto Itapoá.

Para se ter uma ideia, nos meses de janeiro e fevereiro os três destinos absorveram 30,26% das exportações catarinenses, ou seja, o equivalente a US$ 180,92 milhões. De montante, mais de 40% é decorrente da exportação de algum tipo de carne ou derivado para esses países.

Já para o Porto de Itajaí (AOPM Terminals e Portonave) e Itapoá, os embarques de carnes e derivados representam a maior fatia dos embarques.

Precisamos torcer 

Revista Portuária na Intermodal 2017

A Revista Portuária - Economia & Negócios estará novamente participando como expositora na maior feira de logística e comércio da América do Sul, a Intermodal South America, que acontece de 04 a 06 de abril, no Transamérica Expo Center, na capital paulista. E como em outros anos, a principal revista de portos e comércio exterior do estado estará veiculando durante o evento o Anuário 2017.

Hoje a feira é considerada pelos executivos da indústria como uma plataforma estratégica para a geração de novos negócios. Reúne durante seus três dias os principais protagonistas do mercado internacional e nacional, promovendo negócios e parcerias, funcionando como uma plataforma para lançamentos, reforço de marca, joint-ventures, conteúdo, vendas e networking.

Ainda dá tempo. Participe desse importante acontecimento junto com a Revista Portuária - Economia & Negócios por meio do Anuário 2017. Informações complementares: intermodal@bteditora.com.br ou (47) 98405 8777.

Aeroporto de Florianópolis na mão dos suíços

A empresa suíça Zurich International Airport AG foi a vencedora do leilão de concessão do Aeroporto Internacional Hercílio Luz, de Florianópolis. A empresa vai pagar R$ 353,333 milhões para operar o aeroporto catarinense pelos próximos 30 anos, sendo que, desse valor, R$ 88.333.333,33, serão pagos à vista. Os 75% restantes serão pagos ao longo da concessão, em parcelas anuais, com carência de cinco anos, ou seja, o pagamento começa no sexto ano da concessão e o valor aumenta até o nono ano. A partir do 10º ano, a parcela anual terá valor fixo, sendo atualizada apenas pela inflação. Foi registrado ágio de R$ 142,333 milhões.

O contrato de concessão do Aeroporto Hercílio Luz deve aumentar em cerca de 70% a capacidade de movimentação de aeronaves da pista com a ampliação da mesma para 2,7 mil metros quadrados e quadruplicar o número de vagas no estacionamento, que hoje são 539, segundo a Empresa Brasileira de Infraestrutura Aeroportuária (Infraero).

Terá ainda que construir um novo terminal com capacidade para 4,1 milhões de passageiros/ano. A previsão da Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) é que esse número chegue a 13,9 milhões anuais até 2047. Está prevista também a construção de 10 pontes para embarque, que levam o passageiro direto para dentro dos aviões, por meio da utilização de fingers.

As obras precisam ser feitas em até 26 meses após a assinatura do documento. Conforme a agência reguladora do setor, o objetivo da ampliação da pista é o aumento da capacidade operacional do aeroporto. Com isso, o pátio poderá comportar até 26 aeronaves ao mesmo tempo.

Disputa acirrada pelo Aeroporto de Florianópolis

A empresa suíça Zurich International Airport AG elevou o valor da sua proposta pela concessão do Aeroporto Hercílio Luz para R$ 88.333.333,33, depois que a francesa Vince Airport entrou na disputa. Esse valor representa 25% do valor da concessão, que até o momento está em R$ 353,333 milhões. O lance mínimo previsto era de R$ 211 milhões.

Operador suíço pode assumir o aeroporto de Florianópolis

A maior proposta para a concessão do Aeroporto Internacional Hercílio Luz até agora foi da empresa suíça Zurich International Airport AG, no valor de R$ 58.333.333,33, referente a 25% da outorga, mais ágio. O operador aeroportuário suíço opera hoje no Brasil o Aeroporto Tancredo Neves Confins, em Minas Gerais, por meio do consórcio Aero Brasil formado pela Cia de Participações em Concessões(CCR), com participação de 75%, Operadora do Aeroporto de Zurique, Flughafen Zürich AG, com 24% e Munich Airport International Beteiligungs GMBH, com 1%, segundo a Infraero.

Para registro

O Blog da Redação registra que, depois de nota publicada ontem, 14 de março, a Superintendência do Porto de Itajaí incluiu as planilhas com os números de movimentação da Portonave -S/A - Terminal Portuário Navegantes em seu site. A comunidade portuária agradece a correção.

Após concessão, obras devem ser imediatas

O contrato de concessão do Aeroporto Hercílio Luz devem aumentar em cerca de 70% a capacidade de movimentação de aeronaves da pista com a ampliação da mesma para 2,7 mil metros quadrados e quadruplicar o número de vagas no estacionamento, que hoje são 539, segundo a Empresa Brasileira de Infraestrutura Aeroportuária (Infraero), e construir um novo terminal com capacidade para 4,1 milhões de passageiros/ano. A previsão da Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) é que esse número chegue a 13,9 milhões anuais até 2047.

Pelas regras do edital, as obras precisam ser feitas em até 26 meses após a assinatura do documento. Conforme a agência reguladora do setor, o objetivo da ampliação da pista é o aumento da capacidade operacional do aeroporto. Com isso, o pátio poderá comportar até 26 aeronaves ao mesmo tempo.

Está prevista também a construção de 10 pontes para embarque, que levam o passageiro direto para dentro dos aviões, por meio da utilização de fingers.

Será definido hoje o futuro do aeroporto de Florianópolis

Inicia às 10h30 de hoje, na sede da BM&FBovespa, em São Paulo, o leilão dos aeroportos de Salvador, Fortaleza, Florianópolis e Porto Alegre. Juntos, os quatro aeroportos devem receber R$ 6,613 bilhões em investimentos. O prazo para a entrega das propostas terminou na segunda-feira (13) e, segundo a agência Reuters, pelos menos três grupos entregaram: a francesa Vinci Airports, a suíça Zurich e a alemã Fraport.

Para o Aeroporto Internacional Hercílio Luz, em Florianópolis, a concessionaria que ganhar a concessão terá que fazer investimentos de R$ 960,7 milhões, na construção de um novo terminal de passageiros e estacionamentos, ampliar a pista de pousos e decolagens e o pátio de aeronaves, implantar pista de taxi paralela, com ligação direta às cabeceiras da pista de pouso e decolagem. No ano passado o aeroporto movimentou 3,5 milhões de passageiros.

O lance mínimo é de R$ 211 milhões, sendo que 25% desse valor é pago à vista, e os 75% restantes serão pagos ao longo da concessão, em parcelas anuais.

O edital prevê ainda carência de cinco anos para o pagamento das parcelas. O pagamento começa no sexto ano da concessão e o valor aumenta até o nono ano. A partir do 10º ano, a parcela anual terá valor fixo, sendo atualizada apenas pela inflação.

Correção

Em contato com o Blog da Redação, o presidente do Sindicato dos Estivadores de Itajaí e região, Saul Airoso da Silva, retificou a informação repassada no início da tarde, de que os trabalhadores do Porto de Itajaí não haviam aderido à greve nacional da categoria. Saul alegou que deve ter havido algum ruído na informação e, mesmo com poucas pessoas paradas, pelo fato de somente a Portonave estar com um navio atracado hoje, Itajaí participou do movimento. 

Complexo do Itajaí movimenta 177,67 mil TEU no bimestre e Portonave responde pela fatia de 81,61% das cargas

O Complexo Portuário do Itajaí encerrou o mês de fevereiro com uma movimentação acumulada de 177,67 mil TEU (Twenty-foot Equivalent Unit - unidade internacional equivalente a um contêiner de 20 pés). Mesmo que a Superintendência do Porto de Itajaí não tenha disponibilizado em seu site as planilhas com os números da Portonave S/A - Terminal Portuário Navegantes, não é difícil concluir que a maior fatia das operações estão na margem esquerda do Rio Itajaí-Açu, ou seja, em Navegantes.

Enquanto o Porto Público e a APM Terminals Itajaí operaram 42 escalas, com retração de 7% com relação ao primeiro bimestre do ano passado, o TUP Portonave operou 108 escalas, com avanço de 5%. Quando analisada a movimentação de contêineres, dos 177,67 mil TEU operados pelo Complexo, 32,67 TEU foram movimentados pelo Porto Público e APM Terminals. Portanto, sobraram 145 mil TEU, ou 81,61%, para a Portonave.

Portanto, mesmo sem as informações abertas à comunidade portuária, como sempre ocorria, não é difícil ver que a Portonave responde por mais que o dobro das operações da margem direita.

Portuários de Itajaí e Navegantes não aderem à greve nacional

Os trabalhadores portuários avulsos que atuam no Complexo Portuário do Itajaí não aderiram ao movimento nacional de paralisação da categoria, nesta quarta-feira, 15, por 24 horas, contra as reformas da previdência social e trabalhista propostas pelo Governo Federa, que já tramitam no Congresso Nacional.

Segundo o presidente do Sindicato dos Estivadores de Itajaí e região, Saul Airoso da Silva, os trabalhadores de Itajaí optaram, nesse primeiro momento, a acompanhar os desdobramentos do movimento. No entanto, o sindicalista diz que não é descartada a participação dos TPAs da região em futuras greves, até porque existe enorme descontentamento das categorias portuárias contra as reformas propostas pelo presidente Michel Temer (PMDB), principalmente as que pioram as condições para os trabalhadores se aposentarem.

Mais um porto em Santa Catarina

Santa Catarina vai contar com mais terminal portuário de uso privado (TUP) a partir de 2020. Trata-se do Porto Brasil Sul, um empreendimento multicargas, subdividido em sete terminais e projetado para operar 20 milhões de toneladas ano entre carga geral, granéis e contêineres. O novo TUP será implementado na região da Ponta do Sumidouro, Praia do Forte, na saída da Baía Babitonga. Comporá o Complexo Portuário de São Francisco do Sul.

O investimento será de US$ 1 bilhão, em recursos próprios da WorldPort, empresa especializada em projetos de infraestrutura de transporte de cargas, e poool de empresários locais e de São Paulo. Deve operar no sistema de Hub Port - porto concentrador de cargas e de linhas de navegação - do Mercosul, com capacidade para receber, após as obras de adequação dos acessos, navios da classe Post Panamax, as maiores embarcações de carga do mundo, com capacidade para até 15 mil TEUs (Twenty-foot Equivalent Unit - unidade internacional equivalente a um contêiner de 20 pés) e 220 mil toneladas, 397 metros de comprimento e calado de 15,5 metros.

A expectativa é de que gere 3 mil empregos em plena operação, com o aproveitamento da mão de obra local de São Francisco do Sul.

O projeto é uma iniciativa da WorldPort, empresa especializada em projetos de infraestrutura de transporte de cargas.

Sonho antigo - A iniciativa vem sendo estudada, planejada e avaliada desde 2010, pelo consórcio formado por investidores nacionais e internacionais. Porém, a localização privilegiada já havia sido apontada por um estudo do governo federal no começo dos anos de 1990.

Para os investidores, a localização na saída da Baía da Babitonga e em águas profundas, é estratégica. Além disso, o local possibilitará ao terminal uma boa retroárea primária e amplas retroáreas próximas. Eles acreditam que, nos moldes em que está sendo projetado, o empreendimento solucionará os gargalos logísticos das regiões Sul e Sudeste, tornando-as ainda mais competitivas nos mercados interno e externo.

Isso ocorrerá, principalmente, no comércio com o Sudeste Asiático, em razão da redução dos custos logísticos pelo uso de embarcações maiores e mais eficientes, que proporcionam uma melhor relação de custo e benefício.

Licenciamento ambiental - A Fundação do Meio Ambiente de Santa Catarina (Fatma) designou, em dezembro passado, equipe técnica para análise do Estudo de Impacto Ambiental e Relatório de Impacto ao Meio Ambiente (EIA/ RIMA) do empreendimento. A Portaria 017/2016 foi publicada no Diário Oficial do Estado de 13 de fevereiro.

Marcus Barbosa, diretor do Porto Brasil Sul, informa que a audiência pública para o licenciamento ambiental deva ocorrer até a primeira semana de maio deste ano.

STF e Antaq

Supremo Tribunal Federal (STF) e Agência Nacional dos Transportes Aquaviários (Antaq) parecem não ter nada em comum. Mas na prática não é bem isso. Hoje a agência reguladora completa 15 anos e na comemoração foi anunciado um dos novos diretores do órgão, o advogado Francisval Dias Mendes, para substituir Fernando Fonseca, que encerrou seu mandado. Até aí nada de incomum.

O que ocorre é que o nome indicado pelo presidente Temer é do primo do atual ministro do STF, Gilmar Mendes. Seu nome agora precisa ser aprovado pelo Senado.

O que se comentava a bocas miúdas durante a solenidade, agora pela manhã em Brasília, é que a indicação partiu, na verdade, do futuro presidente do Brasil ......

Futuro do aeroporto de Florianópolis se define quinta-feira

O futuro do Aeroporto Hercílio Luz, em Florianópolis, será definido nesta quinta-feira, 16, em leilão que será realizado pela Empresa Brasileira de Infraestrutura Aeroportuária (Infraero). Na mesma ocasião serão leiloados também os aeroportos de Porto Alegre, Salvador e Fortaleza. Com a concessão, o governo espera arrecadar no mínimo R$ 3 bilhões. Mas a previsão é de que sejam investidos R$ 6,613 bilhões nos quatro terminais. As empresas que vencerem o leilão terão de investir em ampliação dos terminais de passageiros, dos pátios de aeronaves e de estacionamentos. No aeroporto de Florianópolis, será preciso construir um novo terminal de passageiros e um estacionamento.

As concessionárias também deverão fazer melhorias imediatas nos terminais, como revitalização e atualização de sinalizações e de sistema de iluminação, disponibilização de internet gratuita de alta velocidade, além de melhorias de banheiros e fraldários, sistemas de climatização, escadas e esteiras rolantes. Fixadas em contrato, as tarifas de embarque continuarão com o valor vigente hoje.

Procedimentos - O leilão dos quatro aeroportos ocorrerá simultaneamente e o vencedor será aquele que oferecer o maior valor de outorga. Um mesmo grupo econômico poderá vencer a disputa por mais de um aeroporto, desde que não estejam na mesma região geográfica.

Não haverá restrições à participação dos concessionários atuais e as empresas vencedoras do leilão terão de pagar 25% do valor da outorga à vista, além do ágio. O restante será pago ao longo da concessão.

Para participar do leilão, a empresa ou consórcio terá de comprovar operação por pelo menos cinco anos em aeroporto com ao menos 9 milhões de passageiros, para os terminais de Salvador e de Porto Alegre, 7 milhões para o de Fortaleza e 4 milhões para o de Florianópolis. O prazo de concessão dos editais será 25 anos para o aeroporto de Porto Alegre e 30 anos para os demais.

 

Liberados recursos para obras do Complexo Portuário do Itajaí

O Banco Nacional do Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) liberou na última sexta-feira, 10, os recursos para as obras da primeira etapa dos novos acessos ao Complexo Portuário do Itajaí. A ordem de serviço para as obras foi expedida pelo governador Raimundo Colombo em abril de 2015. No entanto, novos entraves burocráticos surgiram.

A licença ambiental de instalação foi expedida dezembro de 2015 e a contratação para a empresa que faz a fiscalização da obra ocorreu apenas em meados do ano passado, o que fez com que a obra iniciasse apenas em julho de 2016.

O que não se esperava era que o financiamento do BNDES para o custeio das obras, no valor de 103,9 milhões em nome do governo de Santa Catarina, fosse liberado somete agora. Isso fez que, nos oito meses de obra, o Estado utilizasse recursos provenientes de resultado de aplicações financeiras no Banco do Brasil para a quitação dos serviços junto a Construtora Triunfo, responsável pelos serviços. 

Antaq se posiciona com relação a APM Terminals até o final de maio

A Agência Nacional dos Transportes Aquaviários (Antaq) informou que deve deliberar sobre a extensão do contrato de arrendamentos das operações de contêineres em Itajaí para a APM Terminals (APMT) até o final de maio.

Conforme informou a agência Reguladora na manhã desta segunda-feira, 13, o processo se encontra em análise na Gerência de Portos Organizados/GPO, da Superintendência de Outorgas/SOG. A área é responsável por analisar e instruir os processos e procedimentos envolvendo o reequilíbrio econômico-financeiro de contratos de concessão e de arrendamentos portuários.

Após a análise da área técnica, segundo a Antaq, o processo deverá ser analisado pela Procuradoria Federal junto à Antaq e, posteriormente, pela Diretoria Colegiada, para depois ser analisado pelo diretor relator.

O último parecer técnico que o processo recebeu foi o de número 05, em 08 oito de março. No entanto, a Antaq não informo o conteúdo do parecer, por se tratar de processo é sigiloso, por envolver reequilíbrio econômico-financeiro

 

Passos lentos - O pedido de extensão do contrato de arrendamento tramita em Brasília há mais de quatro anos e segundo garantiu o ministro dos Transportes, Portos e Aviação Civil, Maurício Quintella Lessa, teria seu desenrolar até o final de março. Lessa informou que a Antaq teria até o dia 02 de fevereiro para entregar o parecer à Secretaria Especial de Portos (SEP), que deveria responder neste mês.

Já o superintendente do Porto de Itajaí, engenheiro Marcelo Werner Salles, informou que a agência reguladora precisou solicitar documentos complementares à arrendatária, inclusive os balanço contábeis da APM Terminals, para serem anexados ao processo.

A decisão será crucial para o desenvolvimento da atividade portuária em Itajaí. A concessionária pede mais tempo de arrendamento alegando que colecionou prejuízos nos últimos anos, especialmente com enchentes ocorridas em 2008 e 2011 e promete, caso seja aprovada a extensão do contrato, investimentos imediatos de R$ 175 milhões no terminal, mais R$ 200 milhões a médio prazo.

O Porto de Itajaí pede que a extensão do contrato seja viabilizada para um período que comportem investimentos de até R$ 1 bilhão na cadeia logística.

APM Terminals pode operar também na Portonave

Por enquanto são apenas informações de bastidores, mas a especulação do momento é que a APM Terminals, pertencente ao Grupo A.P. Moller Maersk e uma das empresas com maior crescimento no setor de terminais portuários do mundo, teria feito uma boa proposta para a aquisição de 50% das ações da Portonave S/A - Terminal Portuário Navegantes.

A possibilidade da venda de sua parte do terminal de uso privado (TUP) foi anunciada pelo grupo de concessões de infraestrutura Triunfo Participações e Investimentos (TPI) em fevereiro por meio de nota ao mercado, informando a possibilidade de alienar ativos para pagar dívidas. Atualmente o terminal é seu ativo com maior liquidez, ou seja, o que tem melhores possibilidades de resultar em um bom negócio.

Ainda segundo o mercado, além da proposta da APM Terminals, a TPI teria recebido mais duas propostas. A primeira teria sido da Terminal Investments Limited (TIL), empresa suíça controlada pelo armador MSC e dona dos outros 50% do TUP, porém, em valor bem inferior a proposta da APMT, e outra de um grupo de investidores chineses.

Estima-se que é um negócio que envolve valores que chegam aos 10 dígitos, ou seja, mais de mais de R$ 1 bilhão e deve ser concretizado ainda em março.

 

Supremacia - A APMT é operadora portuária no Porto de Itajaí desde 2007, quando adquiriu 100% das ações da empresa Terminal de Contêineres do Vale do Itajaí (Teconvi), arrendatária do Porto Público. Hoje a empresa responde por cerca de 20% das operações do Complexo Portuário do Itajaí, enquanto a Portonave opera 80%. Agora, se expandir suas operações para a margem esquerda, responderá por praticamente toda a movimentação, de aproximadamente 1,1 milhão de TEUs por ano.

No Brasil a APMT tem ainda um terminal em operação no Porto de Pecéme indiretamente 30% das ações do TUP Porto Itapoá. No ano passado o armador Maersk adquiriu a empresa Hamburg Süd, acionista daquele TUP. Só que a aquisição ainda depende de aprovação do Conselho Administrativo de Defesa Econômica (CADE). 

No mundo a APMT está presentes em cinco continentes e mais de 30 países, com mais de 50 terminais portuários e 14 novos projetos em desenvolvimento na Europa, América do Norte, América do Sul, Oriente Médio, Oeste da África, Mar Negro, Sul da Ásia e China.

 

Os 60 dias de Volnei Morastoni

Garantia da redução das filas de espera para as creches do município, agilidade nos atendimentos na área de saúde por meio de mutirões e a criação da guarda armada municipal foram alguns dos muitos temas abordados pelo prefeito Volnei Morastoni na reunião de avaliação dos 60 primeiros dias de seu governo. Mas temas recorrentes, como porto e desenvolvimento econômico, também compuseram a pauta.

 

Porto de Itajaí terá finalmente seus berços concluídos

O prefeito Volnei Morastoni está otimista com a possível conclusão das obras de reforço e realinhamento dos berços 3 e 4 para, a partir daí, abrir a exploração da atividade portuária na margem direita a outros exploradores além da APM Terminals.

Durante reunião de avaliação dos primeiros 60 dias de seu mandato na tarde desta quinta-feira, 09, o prefeito de Itajaí revelou que hoje um especialista enviado pelo Ministério dos Transportes, Portos e Aviação Civil (MTPAC) está realizando uma vistoria nas obras dos dois berços. Segundo Morastoni, posteriormente será emitido um laudo técnico para justificar a aditivação do contrato com a empresa Serveng Engenharia, para as obras sejam finalmente concluídas.

Em 2013, por meio de convênio com o governo federal, foram iniciadas as obras, com investimentos de R$ 135 milhões. Problemas técnicos e atrasos nos repasses da União retardaram a obra, que tinha conclusão prevista para 2015. A execução total da obra está em 50%, e o berço 3 está com 90% concluído.

Novos operadores portuários para Itajaí

Ao mesmo tempo em que defende a extensão do contrato de arrendamento para exploração das operações com contêineres pela APM Terminals Itajaí, Volnei Morastoni aguarda ansioso a conclusão das obras dos dois berços para abrir a atividade portuária para mais operadores. O prefeito informa que existem grandes possibilidades da empresa continuar operando em Itajaí por meio da renovação do contrato, mas diz que ao mesmo tempo são sendo estudadas outras possibilidades com a APMT em relação a “determinadas necessidades que a gestão do porto tem, para então poder avaliar qual é a posição, qual é o plano de trabalho que a AMPT apresenta”.

Volnei diz que o município precisa da APMT, que é importante que a empresa continue na cidade, “mas a demanda também precisa ser aberta para outros operadores portuários”.

Porto acumula dívidas homéricas com Antaq

O município de Itajaí e a Autoridade Portuária acumulam multas com a Agência dos Transportes Aquaviários (Antaq) que se aproximam de R$ 60 milhões. O valor foi revelado por Volnei Morastoni em entrevista coletiva na tarde desta quinta-feira, que afirmou serem R$ 19 milhões em multas por uso indevido de terreno de propriedade do Porto de Itajaí, no qual o município edificou o Centro Integrado de Saúde, mais R$ 40milhões em multas pelo uso indevido da área do Centro Comercial Portuário, anexa ao Centreventos Itajaí.

Morastoni garante que o Município e a Autoridade Portuária estão envidando grandes esforços para obter a redução nos valores das multas e também a autorização da agência reguladora para que a Superintendência do Porto possa vender as duas áreas para o município.

Itajaí sedia a 23ª BNT Mercosul

Itajaí foi confirmada pela BNT Feiras & Eventos como a sede das próximas duas edições da BNT Mercosul, em 2017 e 2018. A 23ª edição já está marcada para os dias 26 e 27 de maio de 2017 e deve reunir mais de 7 mil profissionais ligados diretamente ao setor do turismo. Itajaí sedia o evento em parceria com Balneário Camboriú e o Beto Carreiro World. O local de realização será o Centreventos Itajaí.

Na 22ª edição o BNT Mercosul trouxe para Itajaí 5,94 mil profissionais e 162 jornalistas de 300 cidades, 20 estados brasileiros e nove países.

 

Aurora Alimentos compra a gaúcha Cotrel

A Cooperativa Central Aurora Alimentos – terceiro grupo agroindustrial de carnes do país, anunciou nesta quarta-feira a compra das indústrias da Cooperativa Tritícola Erechim, a Cotrel. O valor da aquisição foi de R$ 108 milhões, que serão pagos em cinco anos em recursos próprios e, parte, proveniente de financiamento junto ao Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES).

As duas plantas adquiridas pela Aurora – um frigorífico de aves e um frigorífico de suínos – são objeto de parcerias desde 2005. De setembro de 2005 a agosto de 2007, Aurora e Cotrel assinaram contrato de prestação de serviços através do qual a cooperativa gaúcha abateu e industrializou aves e suínos em nome da Aurora. Incluiu-se nessa prestação de serviços a fabricação de rações e a incubação de ovos.

De setembro de 2007 até hoje, a operação passou a ser de arrendamento. Além de alugar todas as plantas e instalações industriais, administrativas e de apoio, a Aurora assumiu diretamente a força de trabalho. A Aurora também decidiu comprar as marcas Nobre, Nobreza, Da Fazenda e Capone que eram de domínio da Cotrel.

A unidade de abate e processamento de frangos tem capacidade para 26,7 milhões de cabeças ao ano e a unidade de suínos tem capacidade para 418 mil cabeças ano. As duas plantas respondem por 7,8% da receita operacional bruta do conglomerado Aurora. 

Porto de Itajaí justifica atraso de parecer da Antaq

O superintendente do Porto de Itajaí, engenheiro Marcelo Werner Salles, informou ao Blog da Redação que a agência reguladora, Antaq, ainda não expediu o parecer sobre a extensão do contrato de arrendamento da APM Terminals Itajaí porque houve a necessidade da arrendatária enviar documentos complementares ao processo. Segundo Salles, a Antaq ainda está realizando estudos para o reequilíbrio econômico-financeiro e, para isso, solicitou estudos adicionais, inclusive os balanço contábeis da APM Terminals, os quais foram encaminhados na última semana. “Os estudos ainda estão em curso, mas ainda não há uma previsão de término”, diz o superintendente.

A Antaq, que teria até o dia 02 de fevereiro para entregar o parecer à Secretaria Especial de Portos (SEP), prometeu se manifestar ainda hoje sobre o assunto. A decisão será crucial para o desenvolvimento da atividade portuária em Itajaí, que dependendo da decisão de Brasília, poderá ser ainda mais prejudicada.

Processo de extensão do contrato da APM Terminals engatinha em Brasília

Em sua visita a Itajaí, no dia 27 de janeiro, o ministro dos Transportes, Portos e Aviação Civil, Maurício Quintella Lessa, garantiu que agora - depois de mais de quatro a nos vagando de gabinete em gabinete, o processo de extensão do contrato de arrendamento da APM Terminals Itajaí teria uma solução.

Segundo o ministro, o pedido de extensão da arrendatária do Porto de Itajaí finalmente teria data para conclusão. Lessa informou que a Antaq teria até o dia 02 de fevereiro para entregar o parecer à Secretaria Especial de Portos (SEP), que deveria responder em março. No entanto, passados mais de um mês, a Antaq ainda não encaminhou o parecer a SEP. A informação foi confirmada pelo Ministério dos Transportes, Portos e Aviação Civil (MTPAC) na tarde desta terça-feira, 07.

Importância

A decisão será crucial para o desenvolvimento da atividade portuária em Itajaí. A concessionária pede mais tempo de arrendamento alegando que colecionou prejuízos nos últimos anos, especialmente com enchentes ocorridas em 2008 e 2011 e promete, caso seja aprovada a extensão do contrato, investimentos imediatos de R$ 175 milhões no terminal, mais R$ 200 milhões a médio prazo.

Já o Porto de Itajaí pede que a extensão do contrato seja viabilizada para um período que comportem investimentos de até R$ 1 bilhão na cadeia logística.

Projeção para 2017

Para o PIB de 2017, o mercado financeiro elevou a previsão de um crescimento de 0,48% para 0,49% de alta. A projeção tem como base as expectativas do mercado financeiro coletadas pelo Banco Central na semana passada e divulgadas ontem, segunda-feira, por meio do relatório de mercado. Mais de cem instituições financeiras foram ouvidas.

Já o governo estima uma alta de 1%, mas o ministro da Fazenda, Henrique Meirelles confirmou que deverá revisar este número para baixo.

Previsões concretizadas

A previsão do mercado financeiro era que o PIB encerraria o ano em queda de 3,5%, de acordo com o último boletim Focus que trazia as estimativas para 2016. A expectativa do Banco Central era ainda mais pessimista. O Índice de Atividade Econômica (IBC-Br), considerado uma espécie de "prévia do PIB", indicava que a economia brasileira havia recuado 4,34% no ano passado. Em relatório publicado no início deste ano, o Fundo Monetário Internacional (FMI) indicava que o PIB de 2016 teria caído 3,5%.

Pior crise da história brasileira

Com a divulgação dos números do Produto Interno Bruto (PIB0 de 2016 constatou-se que ocorreram dois anos seguidos de baixa, o que somente foi verificado na economia brasileira nos anos de 1930 e 1931, segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

No ano passado a retração foi de 3,6% em relação ao ano anterior. Em 2015, a economia já havia recuado 3,8%. Nos anos 1930 e 1931 as baixas foram de 2,1% e 3,3%, respectivamente. Portanto, nos últimos dois anos o brasileiro viveu a pior recessão da história. O IBGE dispõe de dados sobre o PIB desde 1901.

Suspensão da greve

No último momento de reunião entre representes dos sindicatos laborais e patronais ligados ao transporte de contêineres por via rodovia ficou definida a suspensão da greve dos transportadores até a manhã de quarta feira, 08, quando a comissão formada por representantes de todas as categorias envolvidas e Autoridade Portuária apresentaram propostas com base na análise das planilhas de custo entregues pelos transportadores autônomos.

Mais informações com relação ao transcorrer do movimento amanhã, no Blog da Redação.

Sem definição para a paralisação dos caminhoneiros

Após quatro horas de acaloradas discussões entre motoristas que atuam no transporte de contêineres para os portos de Itajaí, Imbituba, Itapoá e Navegantes, dirigentes do Sindicato dos Transportadores Autônomos de Contêineres e de Cargas em Geral de Itajaí e Região (Sintracon) e representantes de empresas que contratam serviços de transportes para contêineres cheios e vazios ainda não haviam chegado a uma conclusão com relação aos destinos do movimento de paralisação dos motoristas que transportam contêineres cheios e vazios.

Segundo informações extraoficiais, foi criado um grupo de negociação composto por representantes dos sindicatos laboral e patronal e representantes de empresas contratantes, para que se possa chegar a um acordo no prazo de 36 horas.

Enquanto isso, entre 75% e 80% da frota ligada ao transporte portuário deve continuar parada, mas respeitando liminar que proibiu os manifestantes de impedir a circulação de caminhões com cargas em direção aos portos. No entanto, novos acertos podem surgir a qualquer momento.  

 

Adiada temporariamente a paralisação dos motoristas de Itajaí e região

O Sindicato dos Transportadores Autônomos de Contêineres e de Cargas em Geral de Itajaí e Região (Sintracon) resolveram suspender no sábado a paralisação do motoristas que atuam no transporte de contêineres para os portos de Itajaí, Imbituba, Itapoá e Navegantes, com a adesão de mais de 80%. A decisão foi tomada após a Seara Alimentos obter uma liminar na Justiça que proibiu os manifestantes de impedir a circulação de caminhões com cargas da empresa em direção aos portos.

Uma reunião da categoria com os representantes das empresas contratantes em Itajaí, Navegantes e Itapoá foi marcada para segunda-feira, às 14h, no auditório do Porto de Itajaí, onde os caminhoneiros tentarão acertar novos valores de frete.

Os motoristas autônomos reivindicam uma tabela de preços de fretes e melhores condições de trabalho. Celso Bressiani, assessor do Sintracon e um dos coordenadores do movimento, explica enquanto o frete de 15 quilômetros para um contêiner vazio custa em Santos R$ 239,32, em Itajaí custa R$ 90,00, para o trajeto de 16 quilômetros. O mesmo trecho, para o transporte de contêineres cheios, custa R$ 259,38 em Santos e R$ 220 em Itajaí.

A paralisação deve prosseguir até que as reivindicações do setor sejam atendidas, informa o Sintracon.

Câmara Setorial de Transportes

De carona no movimento de paralisação, os motoristas autônomos buscam o apoio dos vereadores de Itajaí para a reativação da Câmara Setorial de Transportes. A reclamação dos profissionais é que a importação caiu e falta serviço para os caminhoneiros, além de muitos caminhões de fora da região acabarem tirando as oportunidades dos trabalhadores daqui. Em outra tentativa, na gestão de Jandir Bellini, os caminhoneiros tentaram, mas não tiveram ajuda nem autorização para reativar a Câmara Setorial.

Entre as vantagens da reativação da Câmara Setorial de Transportes, seria a regularização de diversos serviços já prestados pelos transportadores. Muitos caminhoneiros trabalham sem terem suas carteiras assinadas, perdendo diversos benefícios.

Os vereadores Otto Luis Quirino Júnior e Robison Coelho se comprometeram em abraçar a causa e ajudar a categoria na reativação da Câmara Setorial e demais sindicatos que sejam necessários para que as atividades sejam exercidas de forma digna.

 

Outras reclamações

Os motoristas reclamam ainda da falta de acostamentos e das más condições da BR 470, do excesso de radares em Itajaí e também da falta de espaço para que os veículos compridos possam fazer curvas sem atrapalhar o trânsito.

Outras reclamações da categoria foram com relação a utilização da faixa de trânsito, falta de ciclovias, a existência de muitos postes e pontos de ônibus na beira das estradas. Os semáforos são outra dor de cabeça para os empresários do setor. Mas a principal queixa foram os atritos com os agentes da Coordenadoria de Trânsito.

Resta ao Poder Público e setores competentes fazerem uma avaliação de quais são realmente as reclamações que têm fundamento, pois, sem postes, pontos de ônibus e a Codetran organizando o trânsito em Itajaí, fica difícil para toda a comunidade.

Revista Portuária na Intermodal 2017

Presente na maior feira de logística e comércio da América do Sul há mais de 20 anos, na edição de 2017 não poderia ser diferente. A Revista Portuária - Economia & Negócios estará novamente participando como expositora na South America, que acontece de 04 a 06 de abril, no Transamérica Expo Center, na capital paulista. E como em outros anos, a principal revista de portos e comércio exterior do estado estará veiculando durante o evento o Anuário 2017.

Hoje a feira é considerada pelos executivos da indústria como uma plataforma estratégica para a geração de novos negócios. Reúne durante seus três dias os principais protagonistas do mercado internacional e nacional, promovendo negócios e parcerias, funcionando como uma plataforma para lançamentos, reforço de marca, joint-ventures, conteúdo, vendas e networking.

Participe desse importante acontecimento junto com a Revista Portuária - Economia & Negócios por meio do Anuário 2017.

Informações complementares: intermodal@bteditora.com.br

 

Mais de 1,6 mil caminhões pararam em Itajaí e Navegantes

Cerca de 80% da frota dos caminhões que operam no Porto de Itajaí, Portonave e demais terminais que compõem o Complexo Portuário do Itajaí já haviam parado até as 10 horas desta sexta-feira, 03. Itajaí conta hoje com uma frota aproximada de 8,5 mil caminhões, sendo que destes, cerca de 2 mil operam exclusivamente com o transporte de contêineres cheios e vazios. A informação parte do Sindicato dos Transportadores Autônomos de Contêineres e de Cargas em Geral de Itajaí e Região (Sintracon), que estima que até o final da tarde de hoje a adesão seja total. Nos municípios portuários de Imbituba e Itapoá o movimento iniciava no meio da manhã.

Os motoristas autônomos reivindicam uma tabela de preços de fretes e melhores condições de trabalho. Celso Bressiani, assessor do Sintracon e um dos coordenadores do movimento, explica que o sindicato não quer a cartelização da atividade, como tem sido abordado no mercado, as preços justos para os fretes. Segundo o Sindicato, enquanto o frete de 15 quilômetros para um contêiner vazio custa em Santos R$ 239,32, em Itajaí custa R$ 90,00, para o trajeto de 16 quilômetros. O mesmo trecho, para o transporte de contêineres cheios, custa R$ 259,38 em Santos e R$ 220 em Itajaí.

A paralisação deve prosseguir até que as reivindicações do setor sejam atendidas, informa o Sintracon.

Atravessadores

O sindicalista garante que não quer encarecer o custo logístico ou baixar a competitividade do transporte em Santa Catarina, mas reduzir os ganhos dos atravessadores, que denomina de “gigolôs de caminhões”. Bressiani diz que enquanto um motorista recebe R$ 220 para o transporte de um contêiner, o atravessador chega a receber mais de R$ 600 pelo mesmo frete, no mesmo trajeto.

Outra coisa que a categoria quer é o cumprimento da Lei 11.442/2007, que dispõe sobre o Transporte Rodoviário de Cargas por conta de terceiros e mediante remuneração, que prevê o pagamento de R$ 1,51 por tonelada de carga ao caminhão parado, após a quinta hora. “Aqui isso não ocorre”, desabafa.

Ilegalidade

O Sindicato das Empresas de Veículos de Transporte de Carga e Logística (Seveículos) diz que a a criação de uma tabela fixando valores mínimos não é permitida por lei e pode ser configurada como uma formação de cartel. “A entidade não é contra a paralisação e a busca dos trabalhadores por melhores valores, mas hoje, as empresas associadas ao Seveículos já praticam preços acima dos valores propostos pelo próprio sindicato dos autônomos”, afirmou o sindicato em nota divulgada ontem, 02.

Segundo o sindicalista, os valores que são reivindicados em Itajaí e demais municípios portuários catarinenses está bem abaixo de tabela elaborada pela Agência Nacional dos Transportes Terrestres (ANTT), que já foi aprovada pelo Congresso Nacional e deve etrar em vigor em breve. 

Porsche Design Towers Brava cancela apresentação na ACII

A Porsche Design Towers Brava adiou a apresentação que seus executivos fariam na noite de segunda-feira, 06, na Associação Empresarial de Itajaí (ACII), sem o agendamento de uma nova data. O projeto é o primeiro desenvolvimento imobiliário da Porsche Design na América Latina, que prevê a edificação de um luxuoso empreendimento imobiliário desenvolvido em parceria com a Carelli Propriedades, construtora de Balneário Camboriú, na Praia Brava. Polêmico, o projeto prevê a construção de um residencial no alto de uma montanha, no meio da Mata Atlântica.

 

Motoristas autônomos ameaçam parar em Itajaí, Navegantes, Itapoá e Imbituba

Os transportadores autônomos que atuam nos municípios portuários de Itajaí, Navegantes, Itapoá e Imbituba ameaçam paralisar as atividades amanhã, sexta-feira, a partir das 07h30. Eles reivindicam uma tabela de preços de fretes e melhores condições de trabalho. Por sua vez, o Sindicato das Empresas de Veículos de Transporte de Carga e Logística (Seveículos), afirma que apoia a decisão dos trabalhadores, mas alerta a categoria dos reflexos que esse movimento pode causar.

Para o Sindicato que representa as empresas de transporte, a criação de uma tabela fixando valores mínimos não é permitida por lei e pode ser configurada como uma formação de cartel. “A entidade não é contra a paralisação e a busca dos trabalhadores por melhores valores, mas hoje, as empresas associadas ao Seveículos já praticam preços acima dos valores propostos pelo próprio sindicato dos autônomos”, diz o sindicato em nota.

Segundo a Assessoria Jurídica do Seveículos, nem o Seveículos ou qualquer outro sindicato do setor tem prerrogativa para estipular ou fazer tabela mínima de frete. “Esta é uma prerrogativa do governo e hoje existe inclusive um Projeto de Lei tramitando para tentar viabilizar esta ideia, mas por enquanto é apenas um projeto e não uma lei federal”, defende a nota.

Porsche Design Towers Brava na ACII

Executivos do empreendimento Porsche Design Towers Brava apresentam o projeto na Associação Empresarial de Itajaí (ACII), em reunião plenária no dia 06 de março, segunda-feira, às 18h30.

O projeto é o primeiro desenvolvimento imobiliário da Porsche Design na América Latina. Trata-se de um luxuoso empreendimento imobiliário desenvolvido em parceria com a Carelli Propriedades, construtora de Balneário Camboriú que faz prédios de alto padrão.

Inspirado pela natureza, o residencial será edificado no alto de uma montanha, no meio da Mata Atlântica, no bairro Brava Hills. As torres terão design contemporâneo, paredes externas de vidro e tecnologias avançadas.

Este será o segundo empreendimento residencial da marca. O primeiro foi feito em Miami.

Obras do Porto de Itajaí podem ser paralisadas

Com apenas 25% de suas obras concluídas, os novos acessos ao Complexo Portuário do Itajaí corem o risco de não serem concluídos por falta de recursos. Até ontem, 01 de março o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) ainda não havia aprovado o financiamento, no valor aproximado de R$ 104 milhões, para o governo do estado. Até agora a obra vem sendo custeada com recursos provenientes de rendimento de aplicações.

A Superintendência do Porto de Itajaí acredita que as obras da primeira etapa dos novos acessos aquaviários ao Complexo Portuário estarão concluídas até agosto. Já o governo do Estado acredita, em uma previsão muito otimista, que os serviços somente serão concluídos no final deste ano, início do próximo. Só que ninguém contava o atraso na liberação do financiamento para o custeio da obra. 

Troca de comando

Depois de seis anos no comando do Porto Itapoá, o executivo Patrício Junior deixou o cargo e anuncia somente em abril seu próximo destino profissional. Segundo informações de bastidores, ele teria começado a negociar sua saída em outubro de 2016 e finalizou acordo com os acionistas em fevereiro de 2017. Os diretores Cassio Schreiner e Roberto Pandolfo assumiram a presidência do terminal. Segundo o estatuto da Companhia, os demais diretores assumem o cargo até que uma nova nomeação seja oficializada pelo Conselho. 

Salão Náutico em Itajaí

Os sinais de recuperação da economia animam os administradores da Marina de Itajaí. Embora o gestor Manoel Carlos Maia de Oliveira acredite num crescimento efetivo da economia brasileira só a partir de 2018, ele aposta em uma boa geração de negócios com a realização da segunda edição do Salão Náutico de Itajaí, de 20 a 23 de julho. Na primeira edição, os negócios fechados no evento somaram R$ 60 milhões, com público de mais de 9 mil pessoas.

Bons indicadores

A procura por vagas para embarcações na Marina Itajaí voltou a crescer neste ano. A maior procura é por vagas molhadas, que são justamente as mais caras. A crise econômica atingiu menos os proprietários de grandes barcos e iates, enquanto a retração econômica atingiu bem mais o segmento de embarcações menores.

© Copyright 2000-2014 Editora Bittencourt