segunda, 08 de agosto de 2022
20/04/2021

Terminal da Santos Brasil em Imbituba recebe maior pá eólica já transportada por navio porta-contêiner


O Cais 2 do TCG Imbituba (SC), terminal de cargas gerais administrado pela Santos Brasil, empresa que é referência em operações logística e portuárias, foi palco no último fim de semana do desembarque da terceira pá eólica de um protótipo de aerogerador da WEG, que será instalado na cidade de Capivari de Baixo, no Sul de Santa Catarina.

A pá de 72 metros de comprimento e 22,5 toneladas é a maior já transportada em navio porta-contêiner. A operação foi um recorde mundial segundo a Aliança Navegação e Logística, detentora do navio Vicente Pizón, de onde a carga foi desembarcada. A operação foi meticulosamente planejada e construída sob medida pela Santos Brasil, em parceria com o Porto de Imbituba, a partir de uma obra para adequação do portão de saída e nivelamento de piso do pátio para recebimento da carga, com a movimentação simultânea de dois guindastes.

Outras duas pás já haviam sido descarregadas no fim de semana anterior. O conjunto integra um projeto de P&D da ANEEL - Agência Nacional de Energia Elétrica, em parceria com a ENGIE Brasil e a CELESC - Centrais Elétricas de Santa Catarina, desenvolvido pela WEG.

"Essa bem sucedida operação reforça a capacidade operacional da Santos Brasil em oferecer soluções para clientes de diversos segmentos e com os mais diferentes tipos de carga", afirma Danilo Ramos, diretor comercial de operações portuárias da Santos Brasil.

Sobre a Santos Brasil

A Santos Brasil é prestadora de serviços portuários e logísticos completos, do Porto à Porta. Listada no Novo Mercado da B3, é referência na operação de contêineres no Brasil. Foi criada há 24 anos para operar o Tecon Santos (SP), maior terminal de contêineres da América do Sul, e já investiu mais de R﹩ 5 bilhões, calculados a valor presente, em aquisições, expansões, novos equipamentos e tecnologia. Antecipando-se ao crescimento do fluxo de comércio internacional, a Santos Brasil colaborou significativamente para aumentar a capacidade logística portuária do País.

Além do Tecon Santos, a Companhia opera mais dois terminais de contêineres - Vila do Conde (PA) e Imbituba (SC) -, um terminal de carga geral (TCG em Imbituba), um terminal de veículos (TEV) e um terminal de carga geral no cais do Saboó, ambos no Porto de Santos. Conta também com uma operadora logística, a Santos Brasil Logística, que atua de forma integrada aos terminais viabilizando o atendimento ao cliente em todas as etapas da cadeia logística.



Blog

Países do ‘BRICS’ debatem como alavancar qualificação para indústria 4.0

A qualificação de profissionais para ocupações cada vez mais tecnológicas é foco dos trabalhos de um grupo de especialistas do Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul, o chamado BRICS. A participação brasileira é liderada pela Confederação Nacional da Indústria, por meio do SENAI, a partir de indicação dos ministérios da Casa Civil e da Educação. O objetivo é criar estratégias para promover a capacitação padronizada entre os países.

“Somos reconhecidos por aliar a teoria e a prática. As discussões que estão em curso no grupo formado pelos países do BRICS vêm sendo amplamente abordadas em nossas formações. Não é uma agenda apenas de entidades privadas, ela exige políticas públicas mais robustas, com respaldo técnico e competência para guiar os debates”, destaca o diretor-regional do SENAI, Fabrizio Machado Pereira.

São oito grupos de trabalho, sendo um deles voltado para as áreas de inteligência artificial, machine learning e big data, coordenado pelo professor Valério Junior Piana, do Centro Universitário do SENAI em Chapecó. “Os grupos debatem temas como a falta de profissionais qualificados para atuar com as tecnologias da indústria 4.0 e as habilidades fundamentais para o futuro do trabalho, não apenas na indústria, mas também em outras áreas”, afirma Piana. “Estamos focando nas ocupações mais tecnológicas e o que fazer diante da falta de profissionais”, acrescenta.

Piana, que no SENAI coordena os cursos de graduação e pós-graduação em TI, cita, principalmente, a falta de profissionais qualificados na área de tecnologia para atuar com programação, automação e outros setores. O grupo de trabalho do BRICS atua com base no relatório do Fórum Econômico Mundial, que elenca habilidades que as pessoas precisam ter ou desenvolver, como criatividade, solução de problemas complexos, trabalho em equipe, entre outras, incluindo as habilidades e conhecimentos técnicos.

O grupo está elaborando uma proposta de esforço conjunto dos países para capacitar a força de trabalho. “Algumas alternativas que estamos sugerindo são a implementação de laboratórios-modelo, equipados para desenvolver as capacidades necessárias para o mundo do trabalho, e cursos de graduação e pós-graduação com currículos padronizados entre os países”, relata Piana.

O SENAI é referência mundial em qualidade de ensino. Capacita os trabalhadores da indústria por meio de educação profissional e superior, consultorias especializadas e serviços de inovação voltados ao desenvolvimento e à competitividade industrial. A instituição está presente em todos os estados brasileiros.

© Copyright 2000-2014 Editora Bittencourt