terça, 17 de setembro de 2019
29/08/2017

Prospecção do navio Palas é adiada para o fim da obra


Técnicos da Secretaria de Estado da Infraestrutura (SEI), da Superintendência do Porto de Itajaí (SPI), Construtora Triunfo e Prosul, responsável pela fiscalização das obras dos novos acessos aquaviários ao Complexo Portuário do Itajaí, optaram por prospectar o local onde supostamente estão os escombros do naufrágio do navio Palas, quando os serviços estiverem mais adiantados, durante a dragagem da nova bacia de evolução. Como a conclusão está prevista para abril de 2018, conclui-se que a averiguação será feita no final deste ano, início do próximo. A decisão foi tomada na última semana, em reunião entre todos os atores envolvidos.

A decisão, segundo o engenheiro Ivan Amaral, da SEI, foi tomada para não atrasar o cronograma da obra. O técnico garante que a área onde supostamente está submerso o navio está isolada e é uma região na qual não será trabalhado agora. No entanto, a prospecção terá que ser feita e independentemente de ser o navio Palas, o material encontrado terá que ser retirado, pois está na ponta da nova bacia.

O que devem mudar são os procedimentos para a retirada dos escombros, pois se confirmado que se trata do naufrágio, o material deve ser preservado, por se tratar da embarcação ter sido usada durante a Revolta da Armada, em 1893, que tem importante papel histórico nos primórdios da República do Brasil.

 

Fortes evidências

 

As evidências de que os escombros são do navio Palas ganham consistência a cada dia. Ao tomar conhecimento da possibilidade de se tratar no navio, a primeira providência da SPI solicitou à Fundação Genésio Miranda Lins um levantamento histórico do naufrágio, pois também havia a possibilidade dos escombros não serem do Palas e sim pedaços de vagonetes utilizados na construção do molhe, entre outras possibilidades.

No entanto, os estudos apontam para o naufrágio. As pesquisas foram feitas em jornais e publicações da época, que noticiaram o naufrágio, e ganharam força com o fato do naufrágio constar em mapa das extintas Directoria de Hydrographia e Directoria de Navegação do Ministério da Marinha, datado de 1924 e que hoje integra o acervo da Biblioteca Nacional, no Rio de Janeiro. O mapa localiza o naufrágio próximo ao Pontal de Navegantes, que posteriormente foi removido para adequar os acessos aquaviários ao Porto de Itajaí.

A imagem postada hoje no Blog da Redação é uma reprodução de fotografia do navio Palas, também do acervo da Biblioteca Nacional, gentilmente cedida pelo pesquisador e historiador Edison D’Avilla.

 



© Copyright 2000-2014 Editora Bittencourt