terça, 17 de setembro de 2019
15/08/2017

Navio naufragado há 124 anos pode ter aparecido nas obras dos acessos aquaviários ao Complexo Portuário do Itajaí


Os escombros do naufrágio do navio Palas, ocorrido há 124 anos, podem ter aparecido nas dragagens dos novos acessos aquaviários do Complexo Portuário do Itajaí. A informação chegou ao Blog da Redação na última segunda-feira, 14, acompanhada de imagens de escombros, e estão ainda sendo checadas. No entanto, sabe-se já que a área onde supostamente foram encontrados os destroços será isolada, até que a hipótese seja confirmada e o naufrágio preservado.

O fiscal da obra, engenheiro da Secretaria de Estado da Infraestrutura Ivan Amaral, foi surpreendido com a notícia na manhã de ontem e contatou a Superintendência do Porto de Itajaí e a Construtora Triunfo, responsável pela obra, para a definição das estratégias a serem adotadas. No entanto, Amaral disse ter conhecimento de que havia alguma coisa submersa no local. Tanto é que a área foi desviada para que as dragas não fossem danificadas.

O superintendente do Porto de Itajaí, engenheiro Marcelo Werner Salles, também só foi informado ontem do fato e, imediatamente, acionou a Gerência do Meio Ambiente para apurar os fatos. Salles também solicitou à Fundação Cultural de Itajaí um levantamento histórico do naufrágio, pois também há a possibilidade dos escombros não serem do Palas e sim pedaços de vagonetes utilizados na construção do molhe, entre outras possibilidades. A Triunfo ainda não se manifestou com relação ao fato, mas deve se pronunciar nos próximos dias.

Segundo relatos da Marinha do Brasil, o navio Palas foi uma embarcação com casco em aço e de propulsão a vapor, movido a hélice, pertencente à Companhia Frigorífica Brasileira, com sede no Rio de Janeiro. A embarcação teria sido incorporada às forças navais pelos revolucionários da Armada em 1893*. Chegou a Santa Catarina dias depois, juntamente com a embarcação Aquidabã, naufragando na barra do Rio Itajaí em 25 de outubro. Há relatos que durante muitos anos sua carcaça aflorava das areias do pontal, dando inclusive o nome ao local de Praia do Palas.

Entre as imagens recebidas pelo Blog da Redação estão pedaços de madeira de carvalho com pinos em bronze, estruturas de ferro com rebites e vedação em lona, chapa de revestimento em bronze ou metal e pedaço de amarra em rami, supostamente pertencentes à embarcação.

Matéria completa sobre o assunto na edição impressa de setembro da Revista Portuária - Economia & Negócios.

(*) Há divergencias com relação ao ano. Em alguns documentos, o naufrágio teria ocorrido em outubro de 1894. 



© Copyright 2000-2014 Editora Bittencourt