sexta, 20 de setembro de 2019
27/06/2017

APM Terminals e Portonave em disputa acirrada por linha para a Ásia


É acirrada a disputa pela operação de serviço para a Ásia entre o terminal de uso privado Portonave e a arrendatária do terminal de contêineres no Porto de Itajaí APM Terminals Itajaí, em margens opostas do rio homônimo. E não é para menos.

Segundo a Superintendência do Porto de Itajaí, o serviço movimenta a média de 700 contêineres por semana, ou 33,6 mil unidades ano, entre importação e exportação. Esse volume representa 5,3% de tudo o que o Complexo Portuário do Itajaí operou no ano passado, 6,4% das operações da Portonave e 30,6% das operações da APM Terminals.

A rota é operada por uma joint-service formada pelos armadores Hamburg Sud, Hapag Lloyd, Nyk, Zim e Hyundai (HMM) e fazia parte do antigo serviço ASAS. O serviço é responsável pelo escoamento de uma boa parcela das exportações da agroindústria catarinense e a menina dos olhos de qualquer operador.

Em Santa Catarina os armadores já optaram pelo terminal da Santos Brasil no Porto de Imbituba, no Sul do estado, em detrimento ao porto de Rio Grande. A escolha por Itajaí ou Navegantes deve ser anunciada pelos armadores que compõem o serviço ainda nesta semana.

Portanto, com a inclusão de Imbituba, o serviço escalará em três terminais catarinenses a partir de agosto deste ano, Imbituba, Itapoá e Itajaí ou Navegantes.

 

 

 



© Copyright 2000-2014 Editora Bittencourt