sexta, 20 de setembro de 2019
21/06/2017

Concorrentes ou complementares?


Questionado sobre o porquê de dois concorrentes se associares, o especialista diz que vê os dois armadores com empresas complementares e não concorrentes. A Maersk hoje é o maior armador do mundo e a MSC ocupa a segunda posição. Juntos, os dois armadores movimentam 38% do mercado mundial de cargas reefer e 75% do mercado brasileiro. Portanto, segundo Rodriguez, a associação dos dois armadores traria um volume significativo de cargas para o Complexo - para a APM Terminals e Portonave - e faria com que o governo federal investisse na infraestrutura do Complexo Portuário. “Faltaria porto para tanta carga”, conclui.

Com relação ao valor do negócio, de R$ 1,3 bilhão e com ágio de aproximadamente 150% sobre o valor de mercado, de R$ 526,2 milhões, Rodriguez diz que está dentro dos padrões do mercado e informa que a Maersk fez recentemente investimento semelhante, de cerca de US$ 400 milhões, na ampliação de um e seus terminais no México. Procurada, a APM Terminals Itajaí não se manifestou sobre o assunto. 



© Copyright 2000-2014 Editora Bittencourt