sexta, 15 de novembro de 2019
20/06/2017

Portonave passa integralmente para o controle da MSC


A diretoria do terminal portuário de uso privado (TUP) Portonave S/A - Terminal Portuário Navegantes não deve se manifestar sobre o “fato relevante” divulgado no final da tarde de ontem pela Triunfo Participações, referente a venda de 50% das ações da empresa à empresa suíça Terminal Investment Limited S.A (TIL). A TIL é controlada pelo armador MSC Mediterranean Shipping, que já possui 50% do capital do TUP. Com a aquisição o armador suíço obtém o controle integram do terminal catarinense, que ocupa a segunda posição do ranking nacional de movimentação de contêineres e 16ª posição entre os terminais da América Latina.

A negociação é de R$ 1,3 bilhão e agora depende da aprovação do Conselho Administrativo de Defesa da Concorrência (Cade) e da Agência Nacional de Transportes Aquaviários (Antaq), antes que seja efetivado. O valor negociado chama a atenção, uma vez que a TIL deve pagar à Triunfo ágio de quase 150%. O valor de mercado da Portonave é de R$ 526,2 milhões. Procurada, a Triunfo Participações e Investimentos (TPI) se limita a comentar apenas o teor do fato relevante.

 

FATO RELEVANTE

CELEBRAÇÃO DO CONTRATO DE COMPRA E VENDA DE AÇÕES DA PORTONAVE

São Paulo, 19 de junho de 2017 - TPI – Triunfo Participações e Investimentos S.A. (“Companhia”), em complemento ao Comunicado ao Mercado divulgado em 06 de fevereiro de 2017 e ao Fato Relevante divulgado em 28 de março de 2017 e em atendimento ao disposto no §4º do Artigo 157 da Lei nº 6.404/76 e na Instrução CVM 358/02, conforme alteradas, vem a público informar aos seus acionistas e ao mercado em geral que celebrou o Contrato de Compra e Venda de Ações tendo por objeto a alienação, direta e indireta, de 100% da sua participação na controlada Portonave S.A. – Terminais Portuários de Navegantes (“Portonave”) para a Terminal Investment Limited S.A r.l. (“Operação”).

O preço de alienação (equity value) da Portonave é de R$ 1,3 bilhão (um bilhão e trezentos milhões de reais), que estará sujeito aos ajustes usuais nesse tipo de operação.

A Operação está sujeita ao cumprimento de determinadas condições, incluindo a aprovação pelo Conselho Administrativo de Defesa da Concorrência (CADE) e da Agência Nacional de Transportes Aquaviários (ANTAQ), conforme aplicável.

A companhia manterá o mercado informado a respeito da matéria tratada neste Fato Relevante.



© Copyright 2000-2014 Editora Bittencourt