segunda, 24 de fevereiro de 2020
23/05/2017

SPI se posiciona sobre instalação de sistema de monitoramento


O superintendente do Porto de Itajaí, engenheiro Marcelo Werner Salles, posicionou-se nesta terça-feira, 23, com relação ao atraso na assinatura do contrato para a implementação de sistema de monitoramento do canal de acesso ao Porto de Itajaí. Para o gestor, embora a Praticagem, Portonave e a APM Terminals, arrendatária do Porto de Itajaí, vão arcar com os custos da aquisição e instalação de sistema de monitoramento de correntes marítimas, ainda há necessidade de mais conversas sobre o assunto, para evitar surpresas futuras.

Embora Salles não tenha entrado em detalhes, dizendo apenas que “por se tratar de investimentos na área do Porto Organizado e por serem serviços que geram tarifas aos usuários, a Superintendência do Porto de Itajaí (SPI) tem a responsabilidade da gestão o tema precisa ser amplamente discutido”, quem conhece a história recente do Complexo Portuário entende a mensagem.

Todos sabem que a APM Terminals e Portonave contrataram e “doaram” à SPI os estudos para a implantação da nova bacia de evolução. O que poucos conhecem é o fato de que, no final do ano passado a APM Terminals cobrou da SPI, em valores corrigidos, a “doação” feita há alguns anos.

A cobrança do arrendatário das operações com contêineres em Itajaí dos estudos contratados e “doados” gerou uma dívida de R$ mais de R$ 6 milhões à Autoridade Portuária, que vem operando no vermelho desde 2009.  

 



© Copyright 2000-2014 Editora Bittencourt